“Confessions on a Dance Floor”, o álbum que revolucionou a música pop, completa 10 anos

O 10º disco de Madonna é o verdadeiro “pai do pop moderno”.

Que Madonna é sinônimo de poder, talento e reinvenção, isso todo mundo já está cansado de saber há muito tempo! Inspirando um milhão de outros artistas que a sucederam no passar dos anos, também é um fato comprovadíssimo que muitos desses discípulos conseguiram construir uma carreira sólida e de sucesso com base nos ensinamentos que a nossa eterna (e indestronável) “Rainha do Pop” já pregava desde os anos 80 e 90 (Britney Spears e Lady Gaga que o digam). Liberando diversos álbuns icônicos e muito bem recebidos pelo público e pela crítica, desde que surgiu com o single “Everybody”, do seu disco homônimo (de 83), a loira mais cobiçada da indústria fonográfica vem, era após era, trazendo para seus fãs materiais dignos de um verdadeiro membro da realeza musical.

Líder de diversos recordes que a fazem ser a veterana mais consagrada do meio em que atua (tornando-se com o passar das décadas em um modelo por excelência), Madonna é a cantora que mais vendeu discos no mundo (foram mais de 300 milhões de cópias espalhadas pelo globo), além de segurar o 4º lugar do ranking geral, atrás apenas dos Beatles, Elvis Presley e Michael Jackson. Brincando com assuntos polêmicos considerados tabus pela maioria das pessoas de sua (e de nossa) geração, a mulher não tem medo de cantar sobre religião, sexo, política e igualdade de gêneros enquanto executa em cima dos palcos performances altamente coreografadas em um espetáculo de luzes e pirotecnia.

Madonna em ensaio promocional para o álbum “Confessions on a Dance Floor”

Com uma discografia invejável que compreende 13 álbuns de inéditas, 82 singles e muitos lançamentos inesgotáveis, desde o seu 3º disco, o memorável “True Blue”, que Madonna vem tomando o total controle criativo de sua imagem e daquilo que elabora nos estúdio de gravação. Atuando ainda como produtora e compositora, suas obras passaram a ser encaradas com grande admiração por quem entende de música pop, fazendo da musicista uma exímia profissional da área respeitada por quem quer que seja. Trazendo diferentes temáticas e inovando nas sonoridades abordadas, os trabalhos assinados pela loira abrem-se aos ouvidos de quem os escuta como verdadeiros exemplares de uma (possível) “literatura musical”, cada qual contando uma história única e fascinante.

Todavia, se existe um álbum lançado pela Madonna que marcou em muito a história musical, esse é o “Confessions on a Dance Floor”, um dos favoritos dos fãs e até mesmo de quem pouco conhece a sua brilhante trajetória. Sem sombra de dúvidas o disco mais coeso do extenso catálogo da veterana, o 10º material de sua carreira foi lançado sob o selo da “Warner Bros.” em 11 de novembro de 2005 – 2 anos e 7 meses após “American Life”, o polêmico projeto carregado de teor político que causou o maior burburinho na “Terra do Tio Sam” em 2003.

Rendendo os singles “Hung Up”, “Sorry”, “Get Together” e “Jump”, “Confessions on a Dance Floor” foi genialmente estruturado como a setlist de um DJ (as faixas foram encaixadas e seguem em uma única sequência: como se tudo fosse uma música só), razão que o faz ser ainda mais nostálgico e animador. Influenciando-se na sonoridade dominante dos anos 70 e 80 (principalmente de Donna Summer, Pet Shop Boys, Bee Gees e Depeche Mode), o carro-chefe do disco (“Hung Up”) recebeu inteligentes samples de “Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight)”, um dos maiores sucessos do ABBA.

Produzido [o álbum] pela própria Madonna ao lado do sempre fiel Mirwais Ahmadzaï (quem já tinha trabalhado com a veterana em “Music” e “American Life”) e Bloodshy and Avant (“Piece of Me” e “Toxic”, da Britney Spears), um dos maiores nomes da música eletrônica também deixou muito do seu toque no disco da musicista: o prestigiado Stuart Price (diversas faixas do “Aphrodite”, da Kylie Minogue). Muito bem recebido pela crítica e pelos amantes da música contemporânea, “Confessions” rendeu à Madonna uma vitória no “Grammy” de 2007 na categoria “Melhor Álbum Dance/Eletrônico” (o 6º Grammy dos 7 que possui, fora suas merecidas 28 nomeações).

Impulsionado pela “Confessions Tour”, a 7ª grande turnê da “Rainha do Pop” deixou seus rastros pela Europa, Ásia e América do Norte em 60 shows que começaram em maio de 2006 e terminaram em setembro do mesmo ano. Rendendo um lançamento em DVD, é estimado que a produção tenha gerado mais de 193 milhões de dólares com um público de 1,2 milhão de pessoas, quebrando assim o recorde de turnê feminina mais lucrativa da história (que antes pertencia à Cher com a sua “Living Proof: The Farewell Tour”, e que atualmente pertence à própria Madonna, com a “Sticky & Sweet Tour”).

Incluído no bloco “Dancefloor” do nosso especial “72 Discos” (relembre), é indiscutível toda a influência deixada pelo “Confessions” na música contemporânea a qual continua, até hoje, se inspirando no som produzido por Madonna há exatos 10 anos. Enquanto, àquela época, outros cantores e bandas aproveitavam-se para lançar discos recheados com as batidas do R&B e do pop-rock que bombavam nas paradas de sucesso desde o início dos anos 2000, a cantora agiu com distinta maestria ao resgatar a música dance de décadas atrás e modernizá-las com a sua própria atitude e personalidade.

Radicalizando totalmente o pop dominante de uma década atrás (que até então pendia mais para o lado do pop-rock e pouco tinha de eletrônico), é incrível o caminho que Madonna conseguiu abrir para outros trabalhos do meio que mais tarde seriam tão competentes ao dar continuidade aos primeiros passos iniciados pela veterana (como o “Blackout”, da Britney Spears, o “The Fame”, da Lady Gaga, e o “Bionic”, da Christina Aguilera). Se o pop de hoje é eletrônico, não é porque Katy Perry, Rihanna, Taylor Swift e tantas outras novatas optaram por deixar as coisas mais dançantes e resolveram “inovar” com seus trabalhos, mas sim porque a cantora mais bem sucedida da história teve a coragem de nadar contra a maré e mostrar-se, mais uma vez, merecedora do título de “Rainha do Pop”.

Anúncios

2 comentários sobre ““Confessions on a Dance Floor”, o álbum que revolucionou a música pop, completa 10 anos

  1. Sorry ♋ (@RehJBLS) 19 de novembro de 2015 / 2:07 PM

    Eu ouço, ouço esse álbum, tentando achar alguma coisa, não consigo ver o quê que tem nele de especial? várias músicas em que ela demora pra começar a cantar e fica aquela sonoridade de discoteca.

    • Marcelo 19 de novembro de 2015 / 3:18 PM

      Diferente de tudo o que a Madonna já lançou, este é, provavelmente, um dos álbuns mais temáticos, com uma força de expressão muito forte. A começar pelas letras, que são muito bem escritas e posicionadas no decorrer de todo o disco, o trabalho dos produtores é primoroso, a masterização impecável e o vocal da cantora muito bem trabalhado. Ele funciona como o que é mostrado nos clipes de Hung Up e Sorry: como pode ser divertida a noite de várias pessoas que resolvem deixar suas diferenças de lado para festejar juntos por aí. Madonna prova que música de qualidade (seja ela dance, pop, rock) não tem idade.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.