Precisamos falar sobre “Grey’s Anatomy”

Texto livre de spoilers (claro que algum ou outro necessário para o bom entendimento deste artigo será mencionado mais cedo ou mais tarde, mas de forma sucinta e segura). Boa leitura!

Bad news. I’m just bad news.” (Portions for Foxes”, Rilo Kiley)

Se auto anunciando como “notícia ruim” ao fundo, Grey’s Anatomy estreava na TV americana em 27 de março de 2005, enquanto Meredith Grey se apresentava a Derek Shepherd e ao público, por um encontro de apenas uma noite, que se tornaram 269 – e contando.

Meredith, Alex, George, Izzie e Cristina formavam o quinteto “M.A.G.I.C.”, internos no Seattle Grace Hospital.

Criada por Shonda Rhimes, a série estreou como um surpreendente sucesso de crítica e audiência, contando a história de Meredith Grey (Ellen Pompeo), filha da renomada cirurgiã geral, Elis Grey (Kate Burton), iniciando sua vida profissional como interna ao lado de Cristina Yang (Sandra Oh), Izzie Stevens (Katherine Heigl), George O’Malley (T.R. Knight) e Alex Karev (Justin Chambers), sob o comando da residente Miranda Bailey (Chandra Wilson), no fictício Seattle Grace Hospital, localizado em Seattle, Washington.

Tendo seus episódios nomeados a partir de músicas, Grey’s Anatomy faz um paralelo entre os casos médicos da semana e a vida pessoal de seus cirurgiões. Colocando em pauta assuntos que vão desde causas sociais, como espaço da mulher na sociedade, discriminação e diversidade sexual, a luto, superação e ética de trabalho, a série não apenas se mantém atual e relevante, mas também passa a ser uma obra de efeito edificante para sua audiência.

“A audiência realmente se identifica com a personagem de Ellen Pompeo. Estamos seguindo a jornada desta mulher e de todas as pessoas que estão ao lado dela. Não é sobre um grande número de truques, é sobre assistir a pessoas evoluindo.” (Shonda Rhimes)

CAST

Elenco original de “Grey’s Anatomy”.

Com roteiro ágil e boa linha de desenvolvimento, o desempenho do elenco é frequentemente descrito como “fenomenal” pela crítica especializada e fãs do show.

De personalidades marcantes e distintas, os personagens de Grey’s Anatomy tendem a ser carismáticos e cativantes, à sua própria maneira. Há Cristina em seu perfil sarcástico e competitivo, seu brilhantismo e excelência em cardio, que recobrem sua vulnerabilidade – que numa sequência hilária, a faz implorar para ser sedada. Há o admirável e encantador amadurecimento de Alex Karev. Os sábios conselhos de Richard Webber (James Pickens, Jr.), que costuram a história entre o passado e o presente. A autenticidade de Callie (Sara Ramirez) dançando em suas calcinhas, em tom de liberdade. A amabilidade e memória fotográfica de Lexie Grey (Chyler Leigh).

Amelia Shepherd teve sua primeira aparição na série em 07.03 “Superfreak”, sendo adicionada ao elenco fixo na 11ª temporada, após o fim de “Private Practice”.

Mesmo com algumas despedidas durante suas 12 temporadas no ar, fosse com bombas, tiroteios, acidentes aéreos ou um simples adeus, o elenco permanece como um dos pontos de destaque da série. Adicionada ao fim da primeira temporada, Addison Montgomery (Kate Walsh), planejada apenas para um arco de poucos episódios, foi tão bem recebida que acabou entrando para o elenco fixo da série e, posteriormente ganhando seu próprio show: “Private Practice” (2007 – 2013), mostrando a vida de Addison após sua partida de Seattle. Mais recentemente, Amelia Shepherd (Caterina Scorsone), personagem originada de Private Practice, foi adicionada ao elenco fixo de Grey’s entre as temporadas 10 e 11 e rapidamente tornou-se uma das favoritas entre fãs e críticos do show, trazendo frescor e se ajustando bem à dinâmica da série. Maggie Pierce (Kelly McCreary) também foi uma grata surpresa (literalmente!).

A química entre os personagens também é um ponto de aclamação. O relacionamento de Meredith e Derek (Patrick Dempsey) é visto como um dos mais memoráveis da TV. A amizade das Twisted Sisters (apelido carinhosamente dado por Owen (Kevin McKidd) à Meredith e Cristina) foi considerada como o fio condutor do show. Grande parte dos relacionamentos explorados ao longo do show foram bem recebidos, graças ao duo de esforços por parte do elenco e dos roteiristas, estes, [quase] sempre bem sucedidos nos planos para os personagens.

É tudo sobre Meredith Grey

“Se você estivesse na sala dos roteiristas, você provavelmente me diria que o tema é Meredith, porque é o que eu continuo dizendo: ‘A série é apenas sobre Meredith Grey!'” (Shonda Rhimes, sobre Grey’s Anatomy e sua 11ª temporada)

Meredith Grey é, sem dúvidas, uma das personagens de trajetórias mais marcantes da TV. Seu desenvolvimento e linha evolutiva são tão bem trabalhados, que, mesmo que não fossem o plano inicial para a série e sua protagonista, considerando a longevidade do show, são impecáveis.

Desde o primeiro momento, nos damos com uma personagem extensa, com representação tão fiel da complexidade do ser humano, que nossa empatia é algo quase que instantâneo. A jornada de Meredith passa por diversos estágios. O início de sua carreira, seguindo medicina sob a sombra do legado de sua mãe, lidando com questões internas nunca antes resolvidas. A personificação de Cristina como sua “pessoa”, George e Izzie como companheiros de casa e o atribulado relacionamento com Derek. O abandono pelo pai e a eventual projeção da figura paterna em Richard, que em dado momento, chega a cantar para ela: I’ve got sunshine on a cloudy day.” (My Girl”, The Temptations). Os traumas trazidos da infância (retratada em flashbacks) e como isso influenciou sua formação. Meredith era o eterno paradoxo da pessoa ferida que tinha como trabalho curar pessoas feridas.

A trajetória da personagem e daqueles que a cercam soa interessante exatamente por não ser milimetricamente planejada para “dar certo”, mas para o que quer que aconteça. A vida não segue um script. Não há uma receita definitiva para a felicidade. Eventualidades acontecem e cada um reage a sua própria maneira. Meredith tem sua própria forma de reagir e encarar os acontecimentos. Aqui, ela é a representação de uma pessoa comum vivendo no mundo.

Ao longo do show, Meredith foi construída sobre pilares que a faziam quem era. Os mais evidentes foram sua mãe, Elis Grey, Cristina Yang e Derek Shepherd. Eis então, que entre suas temporadas 10 e 11, Grey’s Anatomy decide que é hora de se reinventar, criar novo fôlego, e não havia melhor forma de fazer isso que não fosse através de sua protagonista – ou melhor, através da desconstrução dela.

“Eu posso viver sem você. Mas eu não quero. Eu jamais vou querer.” (Meredith Grey)

Com sua [brilhante] décima primeira temporada, a série trouxe de volta o enfoque na personagem que dá nome ao show, servindo como uma lupa por onde pudemos assistir sua desconstrução. Família e amizade são elementos realmente importantes na vida de uma pessoa. Quando se constrói alguém, como um castelo de cartas, o que acontece quando se tira as cartas de baixo, uma a uma?

A dinâmica usada pelos roteiristas em desconstruir Meredith não só consolidou sua humanização, deixando-a mais próxima do público, como revitalizou a essência do show. A pergunta lançada pela temporada de “Quem é você sem tudo o que você se tornou?” foi sábia e essencial para o desenvolvimento da personagem e do show.

“Ele é muito sonhador, mas ele não é o sol. Você é.” (Cristina Yang)

A temporada seguinte trata do renascimento de Meredith e de como ela lida com sua própria história. “Você leu minha ficha?”, pergunta ela, em dado momento. A essência nostálgica da nova fase não é mera coincidência. Recriar um ambiente familiar para a personagem junto à suas irmãs e ter Karev como sua nova “pessoa”, foi um meio realmente esperto que Shonda encontrou para representar o recomeço, utilizando o passado da série como referência – como se tudo voltasse para o início, mas agora, de forma mais madura e adulta, sem deixar para trás as lições aprendidas ao longo do percurso. A adaptação, as sequelas, a cura, os aprendizados, a moldagem da nova visão de mundo de Meredith Grey – está tudo primorosamente registrado ali, mostrando que evoluir nunca é uma tarefa fácil.

We’ll do it all. Everything. On our own.(Chasing Cars”, Snow Patrol)

Grey’s Anatomy estará de volta para sua 13ª temporada em 22 de setembro, nos Estados Unidos, pela rede ABC.

Nota do autor

Escrever este texto foi uma das coisas mais difíceis que já fiz. Talvez por, como tantos outros fãs do show, ter uma relação estritamente pessoal com a série e seus personagens. São como pessoas próximas, que estão comigo; que por tantas vezes me ajudam a clarear as ideias. Então um agradecimento especial ao Marcelo, pelo convite de escrever algo para o blog e por todo o apoio e encorajamento. Outro para aquela que não deve ser nomeada Shonda Rhimes, por ter criado algo tão brilhante e edificante para tantas pessoas.

Eu não sei se a vida é sobre um carrossel que nunca para de girar, mas eu realmente acredito que, de alguma forma, para todo final com Chasing Cars”, há um novo começo com Portions for Foxes.

Não importa o quão escuro esteja… O sol vai surgir de novo.” (Meredith Grey)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s