“Harry Potter”: vale a pena ler?

Quem acompanha nosso blog e redes sociais sabe que estamos, constantemente (e a contragosto de quem não curte) publicando resenhas, notícias e informações sobre o universo mágico de J.K. Rowling. O que muitos desconhecem, entretanto, é que a incrível história do bruxinho órfão que vivia com os tios foi, desde o início, uma das maiores inspirações para o nascimento do Caí da Mudança. Posteriormente, acabamos criando o quadro que dá título a este artigo – o “Vale a pena ler?” –, e é claro que, sendo esta nossa franquia literária favorita, não poderíamos deixar de dedicar um texto especial à brilhante jornada de Harry Potter e seus amigos.

Assim, relemos, de setembro pra cá, cada um dos oito sete volumes que completam a obra e, ao revisitar os terrenos de Hogwarts mais uma vez, pudemos relembrar cada detalhe imprescindível que não poderia passar despercebido em uma resenha como esta. Sem maiores delongas, você encontra, a seguir, todas as impressões que fomos capazes de reunir e que, bem possivelmente, te convencerão a se aventurar pelo que consideramos o maior fenômeno infanto-juvenil de todos os tempos. Capas de viagem aos ombros e varinhas à mão, segurem firme ao cabo de suas Cleansweeps e vamos lá pois a nossa primeira aula de História da Magia está prestes a começar.

Texto livre de spoilers (claro que algum ou outro será mencionado mais cedo ou mais tarde, mas de forma sucinta e segura, apenas ilustrativamente). Boa leitura!

Precedentes e aritmancia:

Harry experimentando o Chapéu Seletor na seleção das casas de Hogwarts – arte por Thomas Taylor, o responsável pela primeira edição de “A Pedra Filosofal” (1997)

Publicado pela primeira vez em junho de 1997, pela Bloomsbury, é espantoso que “Harry Potter e a Pedra Filosofal” (“Philosopher’s Stone”, no Reino Unido) tenha levado tanto tempo para cativar a atenção do público. Rejeitado, de plano, por inúmeras editoras que se recusaram a “publicar uma obra tão extensa voltado ao público infanto-juvenil”, é fato que o primogênito de J.K. Rowling percorreu um longo caminho de incertezas antes de consolidar-se no sucesso pelo qual o conhecemos atualmente. Foi somente dois anos depois, em 99, que “Sorcerer’s Stone” (como o livro foi recebido nos EUA) apareceu no topo dos mais vendidos do The New York Times – alguns meses após a escritora fazer sua estreia na mesma lista com “A Câmara Secreta” (“Chamber of Secrets”), a sequência liberada em 98, na Grã-Bretanha.

Impulsionando uma série de filmes que levou para o mundo o brilhantismo que somente um gênio como J.K. poderia desenvolver, o primeiro longa-metragem chegou nas telonas dos cinemas em novembro de 2001, sob a direção de Chris Columbus (“Esqueceram de Mim 1 e 2”) e o protagonismo de Daniel Radcliffe. Acumulando, segundo dados da revista Mundo Estranho (edição nº 196, de junho de 2017) 7,7 bilhões de dólares em bilheteria, a franquia também não fez feio no meio literário e espalhou, pelo globo, 450 milhões de exemplares vendidos (4 milhões só no Brasil), em 200 territórios, traduzido para 79 idiomas. Não é à toa que esta é a série literária mais vendida de todos os tempos! Entusiasmando a criação de uma nova marca que hoje compreende jogos de vídeo-game, peças de teatro, livros paralelos, souvenirs e até mesmo parques temáticos, nunca um registro da literatura obteve tanto sucesso a ponto de se expandir para tantos formatos diferentes. Não há dúvidas de que a obra, por si só, já ultrapassou em muito a sua própria criadora.

A história do Menino que Sobreviveu:

O armário embaixo da escada – arte por Jim Kay, o responsável pela edição ilustrada de “A Pedra Filosofal” (2015)

À primeira vista, o filho de Lílian e Tiago Potter é o que podemos chamar de uma criança comum – se levarmos em conta, é claro, que crianças comuns de 10 anos normalmente são órfãs, vivem de favor na casa dos tios e possuem como quarto um armário embaixo da escada. Crescendo sem o afeto e o respeito dos Dursley, a cada dia o menino Potter se vê invisível em um mundo onde o primo, Duda, recebe do bom e do melhor sem demonstrar o mínimo de gratidão. Conformado com sua infeliz realidade, é com bastante incredulidade que Harry recebe, no dia do seu 11º aniversário, a notícia que vira sua vida de cabeça para baixo: ele não apenas é um bruxo como possui uma vaga para estudar na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, uma das melhores da Europa.

Orientado pelo meio-gigante Rúbeo Hagrid a pegar o Expresso de Hogwarts na estação de King’s Cross, o garoto embarca em direção ao desconhecido e vai, aos poucos, descobrindo mais sobre seu passado e sobre o cruel assassinato de seus pais quando era apenas um bebê. Saindo ileso das mãos do terrível Lorde Voldemort portando apenas uma cicatriz em forma de raio na testa, Harry não demora a fazer amigos e aprender tudo sobre o mundo da magia. Frequentemente aconselhado pelo sábio Professor Alvo Dumbledore, o diretor do colégio, o garoto logo percebe que o mal permanece à espreita e que ainda há muito a ser feito para que a comunidade bruxa viva em paz de uma vez por todas. Recebendo a ajuda do atrapalhado Rony Weasley e da sabe-tudo Hermione Granger, Harry enfrenta perigos que ultrapassam o imaginário humano e que surgem para comprovar que o céu é o limite para uma mente à frente de seu tempo como a de J.K. Rowling.

O protagonista (im)perfeito:

Potter na Batalha de Hogwarts – arte por Mary GrandPré, a responsável pela capa norte-americana de “As Relíquias da Morte” (2007)

Encantado com o maravilhoso novo universo de possibilidades que na casa dos tios não passaria de um sonho impossível, não é de se estranhar que Harry, assim como os demais primeiranistas vindos de famílias trouxas (aquelas sem poderes mágicos), encontre em Hogwarts o conforto de um lar. Contudo, se a rotina dos estudantes já é por si só desafiadora, para Potter o cotidiano se revela um pouquinho mais complicado, já que a maior parte de seus colegas o venera como um verdadeiro herói de batalha. Lidando com a fama por ter derrotado o maior bruxo das trevas de todos os tempos – e a glória por um feito que sequer se recorda –, é com muita modéstia e coragem que o garoto progride como personagem e ensina ao leitor as vantagens de ser uma boa pessoa.

Não tão inteligente quanto Hermione, mas sem sombra de dúvidas mais perspicaz do que Rony, Harry jamais se mostrou, em sua vida acadêmica, um aluno exemplar. Por vezes preguiçoso e até mesmo irresponsável, é uma surpresa que tenha obtido notas satisfatórias em seus NOM’s (Níveis Ordinários em Magia, exames prestados pelos alunos do 5º ano) em “O Enigma do Príncipe” (2005). Entretanto, quem consegue ler as entrelinhas não demora a perceber que o diferencial de Potter não está precisamente em sua habilidade em magia – que é, conforme comprovado em “O Cálice de Fogo” (2000), muito aquém da de outros estudantes de Hogwarts, Durmstrang e Beauxbatons (duas outras escolas europeias). Destemido do início ao fim e ousado como ninguém, é a sua evidente inexperiência para com os problemas que aparecem em sua trajetória que faz Harry conquistar a confiança do leitor quase que instantaneamente – afinal, é essa trivialidade que o faz tão acessível a todos nós, meros mortais.

O Messias x o descendente do Führer:

Harry e seu arqui-inimigo, Lorde Voldemort – arte por Jonny Duddle, o responsável pela capa britânica de “As Relíquias da Morte” (2014)

Criado à base da indiferença, Harry enfrenta uma jornada desgastante na qual precisa provar para todos, inclusive para si mesmo, que caráter e fibra moral devem falar mais alto que popularidade e reconhecimento. A busca por poder jamais se revelou uma meta para ele, então talvez, por conta disso, o Menino que Sobreviveu tenha se mostrado um líder tão eficiente. Como cresceu de forma marginalizada, é natural para Potter respeitar as individualidades alheias, por mais “vergonhoso” que seja ter como amigo alguém que usa brincos de nabo ou colares de rolha. Curiosamente, o passado do protagonista não se diferencia muito da vida pregressa do próprio antagonista, que em contrapartida, devido à sua falta de empatia e ao excesso de preconceitos, desponta como um dos vilões mais amargos e impiedosos da cultura popular.

Conhecido por sua frieza descomunal que nos lembra a de outros ditadores do mundo trouxa, o nascido Tom Riddle é o exemplo perfeito de indivíduo ardiloso que sabe como construir um império fundado no terror e na mentira. Assim como Hitler e os ideais do nazismo, Voldemort é adepto da teoria que defende a supremacia da raça ariana (ou do sangue puro, como é retratado pelos livros de J.K.). Reunindo seguidores por toda a Grã-Bretanha durante sua ascensão ao poder, ele e seus Comensais da Morte são conhecidos por prender, torturar e assassinar qualquer um que se oponha a lhes prestar obediência. Não é à toa que suas artimanhas para controlar a comunidade bruxa o leve a se infiltrar na política, a censurar à imprensa e a modificar a grade escolar no intuito de “reeducar” as próximas gerações. Bem, um pouco parecido com o que temos vivido por aqui!

Harry Potter e o Enigma do Sucesso:

O icônico Ford Anglia voador – arte por Kazu Kibuishi, o responsável pela capa norte-americana de “A Câmara Secreta” (2013)

Voltando duas décadas no tempo, desde a primeira leitura de “A Pedra Filosofal” (1997) já nos era evidente que Rowling não veio para brincar! Desenvolvendo com maestria a narrativa de sua obra, a britânica não poupa em plot twists que realmente funcionam e deixam qualquer um de queixo caído. Amarrando as contradições entre o passado e o presente com uma linha tênue que somente é revelada ao final de “As Relíquias da Morte” (2007), a escritora nos instiga a criar teorias que, certamente, jamais chegarão aos pés da real solução apresentada. Transbordando criatividade e exercitando sua imaginação de maneira ímpar, a ex-professora de língua inglesa não para por aí e também acerta na construção dos personagens e de seus cenários encantados. Repletos com uma humanidade excepcional que nos impossibilita de não criar vínculos afetivos, suas criações possuem profundidade e precisão, sempre descritos por detalhes intimistas que fazem toda a diferença durante a leitura. Quem não gostaria de estudar em Hogwarts e ser amigo de Luna Lovegood, Hagrid ou Dobby?

Abordando temáticas importantíssimas que vão além do conflito entre o bem e o mal, os livros de J.K. derrubam barreiras ao levar para o mundo bruxo os problemas corriqueiros de qualquer sociedade trouxa como a nossa. Seja pela escravidão dos elfos domésticos, os maus tratos infantis sofridos pelo protagonista ou o preconceito propagado aos “sangues ruins” (que se assemelha em muito ao racismo, ao sexismo e à homofobia), muitas são as metáforas utilizadas pela escritora para quebrar o silêncio e desarmar os bichos-papões do nosso dia a dia. Depressão, perda de entes queridos e bullying na escola também não foram esquecidos! As próprias virtudes de cada uma das casas de Hogwarts (coragem, astúcia, inteligência e lealdade) são um reiterado lembrete de que, como pessoas, não somos iguais, melhores ou piores que os outros – oras, cada um possui as suas próprias qualidades e afinidades. A graça está na diversidade!

Incumbido de despertar o que de melhor habita em nosso íntimo, o enredo de “Harry Potter” está constantemente reforçando a ideia de que devemos apreciar as coisas mais simples da vida, como o amor, a amizade, o respeito e a empatia ao próximo. Exatamente por ter seu coração no lugar e por saber diferenciar o certo do errado, Potter jamais teve medo de aceitar os riscos de cada batalha e sempre priorizou o bem daqueles que ama em detrimento de seus próprios interesses. Digno do respeito de seus semelhantes e da incompreensão daqueles que só pensam em si mesmos, Harry é, assim como nós, levado a encarar seus maiores medos a fim de lidar com cada dificuldade que aparece em seu caminho – seja como salvador da bruxandade, seja como adolescente descobrindo seu lugar no mundo (afinal, ele não é tão diferente de qualquer outro garoto de sua idade, seja bruxo ou trouxa). Apesar de muitas vezes ficarmos apavorados pelas incertezas que o futuro nos reserva (já que não possuímos profecias ou vira-tempos capazes de predizer ou mudar o tempo), o que seria da vida sem alguns dragões, não é mesmo?!

Se você gostou deste artigo então não pode deixar de conferir os nossos “Vale a pena ler?” com “Quadribol Através dos Séculos” (aqui) e “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (aqui). Para entender melhor nossas perspectivas pessoais sobre a obra como um todo, recomendamos a leitura de “Os decisivos reflexos de Harry Potter na minha vida e para onde tudo isso me levou” (aqui). Um obrigado à Isabel Barbosa pela consulta à sua monografia que discorre sobre a influência do nazismo nas obras de J.K. Rowling.

Para mais conteúdo como este, não deixe de curtir a nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter e no Instagram para não perder qualquer novidade.

Anúncios

4 comentários sobre ““Harry Potter”: vale a pena ler?

  1. Lari Reis 3 de abril de 2018 / 10:40 AM

    Eu me acho a fã de HP mais desnaturada que tem porque nunca li os livros. Comecei o primeiro, aaaanos atrás, mas era emprestado e não lembro o motivo, mas tive que devolver e acabei não terminando. Dai fiquei só com os filmes e, ao longo do tempo, fui desistindo de ler. Às vezes penso nisso ainda, porém…

    • Marcelo 4 de abril de 2018 / 9:28 PM

      Por favor, leia, se puder – e se tiver o interesse. Por mais que os filmes tenham adaptado para o cinema a história dos 7 livros, muitos detalhes importantes (ou não tão importantes, mas engraçados e interessantes) foram deixados de lado (principalmente nos filmes 4, 6 e 8). É uma experiência única que te fará querer estar em Hogwarts mais do que em qualquer outro lugar. Apesar de cada capítulo ser um pouquinho extenso (por volta de 7 folhas cada), você lê rapidinho e nem percebe, de tão gostosa que é a leitura. Super indico.

      • Lari Reis 5 de abril de 2018 / 3:20 PM

        Eu até já li muito a respeito das coisas que ficaram de fora dos filmes, mas não há dúvidas de que ler os livros propriamente vai me dar uma noção muito melhor da história toda. Vou ver se em alguma promoção pego eles pro kindle!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.