Dos livros para nossos smartphones: afinal, os novos jogos para celular de “Harry Potter” valem a pena?

Ainda estimulados pelos nossos dois últimos “vale a pena ler?”, quando destrinchamos a série literária Harry Potter (relembre) e os roteiros originais de “Criança Amaldiçoada” e “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (relembre), desta vez decidimos mudar um pouco o curso e, saindo das páginas dos livros, voltamos toda nossa atenção para as telas de nossos smartphones. Ansiosos pela oportunidade interagir com o universo mágico de J.K. Rowling em um outro nível, foi com muita euforia que presenciamos, de 2016 para cá, o lançamento de dois novos games liberados exclusivamente para Android e iOS.

Seja estudando em Hogwarts ou investigando criaturas para o Ministério da Magia, Harry Potter: Hogwarts Mystery e Animais Fantásticos: Mistérios chegaram com tudo nas lojas virtuais e, sem qualquer custo (ou quase isso), nos deixaram ainda mais entusiasmados com o tão amado mundo dos bruxos. Mas, em meio a tantas dúvidas, a pergunta que não quer calar não poderia ser outra: com a possibilidade de lucro nas alturas, será que estes jogos cumprem o seu propósito ou são apenas uma tentativa ardilosa de tirar dinheiro dos fãs? Façam suas apostas e acompanhem, a seguir, nossos principais apontamentos.

Precedentes em outros consoles:

“Lego Harry Potter: Years 1-4” (2010), game disponível para iOS, Android, PC, Nintendo DS, Wii, PS3, PS4, PSP e Xbox 360

Não é de hoje que a trajetória do “Menino que Sobreviveu” é recontada em títulos que ganharam os consoles das mais variadas gerações. Isso porque, já no começo dos anos 2000, “A Pedra Filosofal” (2001) e “A Câmara Secreta” (2002) tentaram, mesmo que nos simplórios gráficos do primeiro PlayStation, reproduzir a experiência única de comandar um jovem Harry por entre os corredores de Hogwarts (relembre nossos jogos favoritos para PS1 clicando aqui e aqui). Os anos se passaram e, com eles, fomos contemplados com gráficos cada vez melhores combinados à jogabilidades muito mais elaboradas.

Ganhando seu espaço em lançamentos redirecionados para PC, PS2, PS3, PS4PS Vita, PSP, GameCube, Xbox, Xbox 360, Wii, Nintendo DS, GBC e GBA, o legado de Potter surge agora apostando todas suas fichas em games destinados para a maior classe consumidora de jogos eletrônicos da atualidade. Fazendo uso do nome comercial que somente esta marca possui, os novos títulos exploram uma jogabilidade simples que não deverá ser um desafio para jovens e adultos de qualquer idade. Porém, todo cuidado é pouco, e antes que suas expectativas aumentem demais, algumas ponderações precisam ser feitas.

A sua carta de Hogwarts finalmente chegou:

Aula de voo em “Harry Potter: Hogwarts Mystery”

É com esta chamada super convidativa que a Jam City e a Portkey Games anunciaram, no começo do ano, o que muita gente esperava desde a popularização dos jogos gratuitos para smartphones. Se comprometendo a nos entregar a tão sonhada vida de um aluno de Hogwarts, a produtora de “Panda Pop” já havia antecipado que o jogador encontraria diversas novidades em Harry Potter: Hogwarts Mystery, incluindo: assistir aulas com os professores Snape, McGonagall, Hooch e Flitwickescolher sua própria casarealizar feitiçosparticipar de duelosexplorar o castelo e se aventurar numa nova história escrita especialmente para o game. Passando-se alguns anos antes do primeiro ano de Harry na escola, logo após a queda de Lorde Voldemort, o jogo se vende como um RPG, ofertando-nos diversas respostas para os questionamentos que são feitos em seu decorrer. Bem, pelo menos é o que dizem, pois só quem já jogou RPGs deste tipo sabe que nem sempre isso funciona de verdade.

Detalhes à parte, “Hogwarts Mystery” utiliza um sistema de energia bem semelhante ao “Britney Spears: American Dream” (relembre nossa resenha para o Co-op Geeks) na qual o jogador precisa clicar quantas vezes forem necessárias em uma ação determinada para cumprir seus objetivos (assim como exemplificado na imagem que introduz este tópico). Logo, você não precisará de muitos minutos para notar que não dá para passar horas jogando, a não ser, é claro, que resolva reabastecer suas energias com diamantes comprados com dinheiro de verdade (ou adquiridos gratuitamente enquanto joga). Caso não queira mexer na carteira, o jeito mesmo é esperar 1h40min para ver seu reservatório mais uma vez completo – ou sair clicando em pontos específicos do cenário para recolher frações de energia distribuídas periodicamente. Assim como os demais free to play, a maior parte dos itens realmente legais só podem ser desbloqueados com dinheiro de verdade; por isso, paciência ao acumular suas moedas e diamantes.

Disponível para download desde abril de 2018 para Android e iOS, “Harry Potter: Hogwarts Mystery” permite que você viva os sete anos de Hogwarts em uma nova aventura inspirada pelo universo mágico de J.K. Rowling. Desenvolvido pela Jam City, Inc. sob a licença da Portkey Games, é indicado para usuários maiores de 10 anos e deve ser jogado conectado à internet. Veja o trailer

Quebrando um pouco a fórmula escarrada dos click and point, a surpresa de “Hogwarts Mystery” fica mesmo no momento em que sua personagem deverá lançar feitiços, voar de vassoura e preparar poções. Isso porque, para usar Lumos, Incendio ou Flipendo, basta que você repita os desenhos que aparecerão na tela do seu celular para ver a magia finalizada (como na imagem acima). Outro ponto positivo, e certamente o mais inovador, é a possibilidade de montar seu próprio avatar da maneira que bem entender. Com diversas opções de formato de rosto, nariz, olhos, cor de pele e penteados, o jogador finalmente tem a chance de se ver “andando” pelos terrenos de Hogwarts e dividindo aulas com seus colegas de classe (as aspas se deve ao fato de que, tecnicamente, você não anda, pois a tela só se movimenta horizontalmente enquanto seu avatar fica paradinho no canto esquerdo). Por fim, também devemos destacar os duelos, que apesar de simples, são bem divertidos. Numa simples releitura do clássico jokenpô, os comandos agressivo, defensivo e sorrateiro substituem a pedra, o papel e a tesoura da brincadeira original.

Na história do game, você é o irmão mais novo de Jacob, um ex-estudante expulso de Hogwarts por investigar as Criptas Malditas: câmaras amaldiçoadas que, supostamente, estão escondidas no castelo. Só que, para complicar ainda mais sua vida, Jacob está desaparecido, e assim que você dá início ao seu primeiro ano na escola, os boatos sobre ele perseguem sua personagem para onde quer que ela vá. Dividido entre a vontade de aprender magia e a busca pela verdade, o jogador moldará sua personalidade de acordo com as escolhas que toma. Muitas destas escolhas dependerão, é claro, dos níveis de coragem, empatia e sabedoria a serem preenchidos durante a jogatina. Inevitavelmente, logo você se verá investigando as tais Criptas Malditas, e é graças à ajuda de seus amigos (à contragosto de Mérula Snyder, uma aluna mesquinha da Sonserina) que o desfecho da trama vai aos poucos se revelando. Gradativamente, novos feitiços, personagens e lugares se tornam acessíveis conforme você avança no jogo.

Aguce estes olhos de águia:

Investigando a mansão dos Cloke no mistério nº 9 de “Animais Fantásticos: Mistérios”

Mudando de pato para ganso, Animais Fantásticos: Mistérios (“Fantastic Beasts: Cases from the Wizarding World”) não apenas nos traz uma trama diferente, mas também arrisca em uma jogabilidade mais retrô. Recentemente alistado pelo Ministério da Magia para trabalhar como investigador pelo Departamento de Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas, aqui o jogador precisará aguçar sua habilidade visual para desvendar os casos pendentes de solução submetidos ao seu setor. Acompanhado da divertida Mathilda Grimblehawk, é seu dever por um fim aos muitos problemas causados por bruxos e trouxas que ameaçam a segurança das mais fascinantes criaturas mágicas. Como seu trabalho não é moleza, também entram em cena outros funcionários do Ministério e do Hospital St. Mungus para ajudar, como o charmoso Cerberus, do Departamento de Execução das Leis da Magia, e o sempre apático curandeiro Omar. Outras personagens de destaque incluem Myra, do Controle do Mau Uso dos Artefatos dos Trouxas, o historiador Sage e a herbologista e mestra em poções Gethsemane.

Sem muitos rodeios, podemos dizer que “Cases from the Wizarding World” se resume, sem tirar nem por, na imagem que encabeça este tópico. Em um cenário visualmente poluído, o jogador deverá indicar cada uma das quinquilharias destacadas da sua lista de itens, assim como nos clássicos jogos de encontrar objetos escondidos popularizados nos primórdios da internet. Apesar da premissa simples (já que é isto que você faz em 95% do game), a jogabilidade não se resume a “clicar e apontar”, pois, conforme informado pelo próprio jogo, o jogador deverá ainda entrevistar testemunhas, analisar provas, lançar feitiços, fazer poções e decifrar pistas escondidas para investigar e resolver os mistérios. Os outros 5% consistem em reunir pedaços de artefatos quebrados, friccionar a tela para limpar a sujeira de determinados objetos, traçar um desenho que simula o movimento da varinha (assim como em “Hogwarts Mystery”) e repetir padrões para resolver quebra-cabeças.

Disponível para download desde novembro de 2016 para Android e iOS, “Animais Fantásticos: Mistérios” apresenta 14 mistérios diferentes inspirados pelo universo mágico de J.K. Rowling. Desenvolvido pela Mediatonic Games em parceria com WB Games, é indicado para todos os públicos e deve ser jogado conectado à internet. Veja o trailer

Cada mistério possui 3 cenários diferentes compostos de 9 cenas (das quais 3 são bônus), sendo que cada cena comporta 5 estrelas. São essas estrelas, conquistadas após explorar as cenas diversas vezes (até você atingir a pontuação necessária), que lhe permitirão executar as tarefas dadas pelo jogo, como lançar feitiçosconversar com as demais personagens e decifrar as pistas encontradas. Correndo contra o relógio (bem, não que você tenha um tempo determinado para completar sua lista de objetos, mas é claro que quanto maior a demora, menor a pontuação), o jogador encontra ao seu dispor o auxílio daquelas personagens que mencionamos logo acima, cada uma com um número diferente de dicas para dar (variando de 1 a 5), já que muitas das bugigangas são praticamente invisíveis aos olhos mais esguios. Entre os bônus de cada cenário você encontra: uma cena espelhada, uma contagem regressiva e um jogo dos sete erros.

Apesar de as poções disponíveis congelarem o tempo por alguns segundos e aumentarem o número de dicas e o multiplicador de pontos, no fim se mostram pouco eficazes, já que só podem ser obtidas com diamantes (comprados com dinheiro de verdade) ou com ingredientes localizados aleatoriamente. É claro que estes diamantes também podem ser adquiridos gratuitamente, mas de forma muito mais escassa (como nas missões extras e com o bônus diário). Além disso, por mais que a interação com a sua lista de contatos seja mínima (seus amigos são utilizados exclusivamente para dar dicas), a maior falha de “Mistérios” está mesmo no sistema de reposição de energia, que assim como o de “Hogwarts Mystery” é recarregado com o passar do tempo. Isso porque, para investigar cada cena, são necessárias 20 esferas de energia, e seu contador possui um limite máximo de 120; logo, só dá para investigar uma cena 6 vezes até chegar a zero. Seguindo a mesma lógica das poções, também dá para comprar energia adicional, mas esteja desde já preparado para mexer no seu bolso.

Controvérsias, expectativas e acessibilidade:

Além de trazer gráficos bem feitos e o mais detalhistas possíveis, diversas personagens clássicas, como Hagrid, dão as caras em “Hogwarts Mystery”

Por muito e muito tempo, diversos admiradores da obra de J.K. Rowling sonharam com o dia em que se veriam caminhando livremente entre os fabulosos cenários que compõem o universo mágico de Harry Potter. Seja pessoalmente, visitando os parques temáticos de Orlando e Londres, ou virtualmente, por meio de jogos de videogame, é unânime dizer que este sonho já se agarrou, nem que seja uma única vez, a todos aqueles que já leram ou assistiram as aventuras do bruxinho mais famoso de todos os tempos. Surgindo como uma luz no fim do túnel, foi em uma torrente chuva de expectativas que os games que dão título a esta resenha, principalmente “Hogwarts Mystery”, reacenderam uma chama antiga que jamais deixou o peito de um verdadeiro potterhead. Ansiosos pela chance de viver sua própria história e de moldar sua personagem no melhor estilo “The Sims”, fãs do mundo inteiro interromperam seus afazeres para conferir a novidade com os seus próprios olhos.

Entretanto, não precisamos ir muito longe para encontrar (e é claro, compreender) o descontentamento que a maioria esmagadora dos jogadores apontou enquanto dava uma chance para os lançamentos em questão. Isso porque, como mencionado anteriormente, o sistema de energia que ambos os jogos utilizam é o pior possível, obrigando-nos a aguardar por horas para finalizar tarefas já iniciadas (a menos que você queira gastar seu dinheiro de verdade). Logo, este é um impasse que certamente estimulou muita gente a desinstalar os aplicativos de seus celulares, o que não censuramos. Outros pontos bastante criticados entre os usuários incluem bugs que fecham o aplicativo sem mais nem menos e barras de loading que jamais se completam – o que, honestamente, é compreensível para “Hogwarts Mystery”, mas não para “Animais Fantásticos” (afinal, o primeiro foi lançado há pouco mais de um mês e sem sombra de dúvidas passará por inúmeras atualizações até se estabilizar).

Apesar do grande número de downloads na Apple Store e na Google Play, significativa é a parcela de gamers que se recusam a levar a sério qualquer jogo lançado diretamente para smartphone, seja do universo Harry Potter ou de outro qualquer. Por mais que muitas desenvolvedoras realmente se valham do nome de marcas famosas para chamar a atenção e lucrar em cima disso, algumas raras exceções deveriam ser retiradas desta grande generalização preconceituosa feita por crianças de 12 a 30 anos insatisfeitas com o sucesso alheio. É verdade que a liberdade de escolhas e o envolvimento com a história de “Mistérios” são praticamente nulos se comparados aos de “Hogwarts Mystery” (e os deste, simultaneamente, se comparados aos de jogos lançados para PS4 e Xbox One), mas o que precisamos sempre ter em mente é que estamos falando de títulos disponibilizados gratuitamente em plataformas que não possuem os recursos necessários para rodar a tecnologia de ponta dos consoles da última geração.

Tecnicamente falando, os novos jogos de Harry Potter para celular pecam em inúmeros aspectos que deixam o jogador na mão quando não deveriam. Todavia, o que muita gente se esquece é que não dá para fazer milagre sem obter o mínimo feedback possível (sim, estamos falando de retorno financeiro). Ganhando-nos pela benevolência de atingir as grandes massas com um trabalho bonito que adapta, com fidelidade, toda a magia que já havia nos conquistado com o primeiro livro em 1997, “Animais Fantásticos: Mistérios” e “Harry Potter: Hogwarts Mystery” são um presente e tanto para quem sempre quis jogar um jogo da franquia, mas nunca teve um console em casa.

Para mais conteúdo como este, não deixe de curtir a nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter e no Instagram para não perder qualquer novidade.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.