Escapando da abstinência, Christina Aguilera atinge a excelência com o hip-hop e R&B do novo “Liberation”

Há quase três anos disponibilizamos aqui no blog o que pretendia ser o desabafo de um fã insatisfeito com os rumos tomados na trajetória de sua cantora favorita (relembre). Após tanto tempo sem novidades anestesiados pelo lançamento de uma canção aqui e outra ali, finalmente fomos contemplados, na penúltima sexta, com o aguardadíssimo novo álbum da Christina Aguilera. Superando alguns deslizes do passado e caprichando no que de melhor sabe fazer, a veterana não economizou na lista de colaboradores e, ao lado de nomes como Kanye West, pôs um fim aos comentários que acusavam sua falta de relevância em pleno 2018.

Especial não apenas por quebrar um interminável hiato de 6 anos, mas também por chegar a nós no mês em que sua intérprete completa 2 décadas de carreira“Liberation” segue o antigo histórico de Xtina e ousa em todos os aspectos possíveis. Reafirmando sua fama de revolucionária, a obra é um presente e tanto para todos aqueles que sentiram falta de uma Christina cheia de desenvoltura e acostumada a fugir do óbvio. Detalhes à parte, você encontra, a seguir, nossas principais reflexões sobre o esperado sucessor de “Lotus” (2012). Demorou, mas sobrevivemos para finalmente ver o novo projeto da loira ganhar a luz do dia!

Precedentes:

Sem maquiagem, Christina em ensaio fotográfico para seu 8º álbum de estúdio

Quem acompanha os passos de Christina Aguilera já deve ter notado que, desde o “Stripped” (2002), não houve um disco sequer (à exceção de “Lotus”) que tenha sido liberado num período de tempo inferior a 4 anos. Perfeccionista como ninguém, Aguilera é conhecida por mergulhar de cabeça na imagem criativa de cada nova era que encabeça, sempre com um olhar detalhista e à frente de seu tempo. Flertando com o jazz e as músicas eletrônica e urbana, a musicista sempre demonstrou uma versatilidade digna de rainhas do pop como Cher e Madonna. Seja pelas minúcias de seus ensaios fotográficos ou pelo alter ego escolhido para sustentar sua voz, Christina é, sem sombra de dúvidas, uma das poucas artistas de sua geração realmente engajada a transmitir uma mensagem de empoderamento despretensioso. Consagrada pelos méritos de “Back to Basics” (2006) e perseguida pelos fracassos de “Bionic” (2010), ela é o exemplo perfeito de pessoa pública que já viveu todos os altos e baixos que somente uma celebridade do alto escalão poderia ter vivido.

Após atuar no The Voice durante anos e passar por uma segunda gravidez que a manteve afastada dos holofotes, foi com muito custo que os fãs puderam segurar as pontas com faixas gravadas para a trilha-sonora de musicais como “Finding Neverland” e séries de TV como “Nashville”. Pegando-nos de surpresa no mês passado com a tão sonhada data de lançamento do seu 8º material de inéditas (6º se desconsiderarmos o “Mi Reflejo” e o “My Kind of Christmas”), a cantora animou ainda mais os ânimos do público quando anunciou em conjunto a futura “Liberation Tour”, sua primeira turnê em mais de uma década. Com previsão de estreia para setembro deste ano, Christina deve percorrer cidades da América do Norte até novembro, quando provavelmente estenderá seus shows para outras regiões do mundo. Vale lembrar que sua última visita ao Brasil se deu em 2011, quando desembarcou em terras tupiniquins tão somente para promover sua linha de roupas para a “C&A”. Bem que uma apresentação musical não cairia mal!

Livrando-se das correntes:

Autodescoberta, feminismo e amor são alguns dos temas abordados em “Liberation”

Ganhando as redes sociais em publicações que prometiam um trabalho mais intimista, o conceito do novo CD teria surgido pela recusa da própria Christina para com sua gravadora de gravar músicas voltadas para o mercado mainstream. Contando à rádio “Beats1” que se sentiu mais uma vez presa à era “Genie in a Bottle”, a cantora não pensou duas vezes e se entregou de corpo e alma às batidas do hip-hop, do R&B, do reggae e do rock. Consequentemente, muitos foram os boatos de que a divulgação do “Liberation” estaria sendo custeada inteiramente pela equipe da moça, sem o apoio da RCA Records (ou seja, de forma independente), mas no fim das contas nada foi realmente confirmado. Oficialmente liberado no dia 15 de junho, o popularmente denominado X6 vem sendo gravado desde 2014. À época, produtores como Pharrell Williams, Mark Ronson e até Linda Perry chegaram a visitar os estúdios de gravação com Aguilera, apesar de suas colaborações não entrarem para a edição final do novo álbum.

Recebendo as composições de Tayla Parx (“Love Lies”), Teddy Geiger (“In My Blood”), Julia Michaels (“Sorry”), Justin Tranter (“Bad Liar”), Nicholas Britell (trilha sonora de “Moonlight”) e da própria Christina (que assina 10 das 15 faixas), “Liberation” foi produzido por Kanye West, Che Pope, Anderson Paak, Ricky Reed, MNEK entre outros, todos envolvidos com a black music. Contando com as parcerias vocais de Demi Lovato, Keida, Shenseea, GoldLink, Ty Dolla Sign, 2 Chainz e XNDA, a obra aborda temas como autodescoberta, liberdade de expressão e de padrões, feminismo e amor. Responsável por inaugurar a nova era, o lead-single “Accelerate” chegou com uma vibe pesadíssima exalando uma sensualidade que não víamos há muito tempo (ouça). Duas semanas mais tarde, foi a vez de “Fall in Line” dar continuidade ao legado feminista iniciado por “Can’t Hold Us Down” 15 anos antes se estabelecendo como 2º single oficial, enquanto “Twice” e “Like I Do” seguem como singles promocionais.

O clipe de “Fall in Line”, parceria com a Demi Lovato e dirigido por Luke Gilford

Conquistando as boas graças da crítica especializada, “Liberation” acumulou merecidos 71/100 no Metacritic (incluindo a aprovação instantânea do “The New York Times” e da “Rolling Stone”), se tornando, até agora, o álbum de Christina melhor avaliado no site – seguido de “Back to Basics”, com 69/100. Já na Billboard 200, a principal parada de discos nos EUA, a previsão é de que venda de 70 a 75 mil cópias na primeira semana, número este bem similar ao de “Lotus”, que debutou com 73 mil em sua first week. Apesar de esta não ser sua melhor semana nos charts norte-americanos, Aguilera já deixou claro, antes mesmo de lançar o CD, que não liga para o desempenho ou os números a serem obtidos. Bem, se depender da aprovação do público, realmente não há com o que se preocupar!

Em busca de Maria:

Para promover o novo álbum, foi lançado no YouTube o mini documentário “Where’s Maria”, que você pode assistir aqui (sem legendas)

Abrindo a tracklist daquela maneira já conhecida pelos fãs, a primeira faixa a dar as caras por aqui é a que também dá nome ao disco. Tal como as introduções dos álbuns anteriores, “Liberation” tenta não apenas nos adiantar o que vem pela frente, mas também representar a essência da obra em sua totalidade. Eficiente ao capturar a alma do novo projeto com um instrumental suave que beira a perfeição, a canção consegue, em menos de 2 minutos, despertar a curiosidade e acalmar os ânimos de todos que esperaram euforicamente pelo lançamento do material. Falando consigo mesma e pedindo para se lembrar de suas essências, Christina logo dá voz para “Searching for Maria”, um breve interlúdio à capella que faz referência ao clássico “Uma Noviça Rebelde” (1965) – e é claro, ao seu nome do meio. Assim, chegamos a “Maria”, tida por muitos como a melhor gravação desta nova era. Utilizando-se de samples de “Maria (You Were the Only One)”, do Michael Jackson, a faixa de nº 3 foi composta e produzida por ninguém menos que Kanye West, o polêmico rapper que também esteve por trás do carro-chefe “Accelerate”. Não mais reconhecendo seu reflexo no espelho, a cantora relata na letra de “Maria” toda a solidão que sentiu durante os anos em que não esteve na ativa, confinada em si mesma num lugar obscuro e sem saída.

E já que estamos falando do tempo em que Aguilera se ausentou dos holofotes, “Sick of Sittin’” é a pedida perfeita para todos que já se sentiram estagnados pelo menos uma vez na vida. Revelado no Instagram que a produção critica a “previsível e clichê máquina de fazer dinheiro”, há quem diga que se trata, na verdade, de uma indireta ao The Voice, programa que Christina recentemente alfinetou em uma entrevista para a Billboard. Protagonizado por um grupo de jovens garotas inspiradas por seus maiores sonhos, “Dreamers” prepara o caminho para “Fall in Line” nos emocionando com trechos que variam de “eu quero ser presidente” a “eu sou a dona do meu próprio mundo”. Incluindo a participação especial de Demi Lovato, finalmente chegamos ao maior hino feminista dos últimos anos. Soltando o verbo, a dupla enaltece toda a força feminina enquanto luta contra o machismo que se encontra enraizado na sociedade desde os seus primórdios (e o melhor de tudo: com vocais impressionantes).

Esteticamente semelhante ao “Stripped”, muito de “Liberation” nos faz lembrar daquela ousadia que transformou Aguilera na artista visionária de hoje em dia

Após brincar com o rock à lá Janis Joplin em “Sick of Sittin’”, eis que é chegado o momento de Xtina experimentar o reggae em “Right Moves” com as rappers Keida e Shenseea. Já na metade da tracklist, é imprescindível para Aguilera manter o interesse do público depois de três performances vocais de tirar o fôlego – e é aqui que as batidas da Jamaica entram para relaxar o ouvinte. Voltando para o hip-hop predominante do disco, “Like I Do” se impõe no que podemos chamar de a melhor disputa de egos de todos os tempos. Produzida por Anderson Paak e cantada ao lado de GoldLink, o possível próximo single de “Liberation” cresce de forma inteligente enquanto mescla referências ao sitcom “Um Maluco no Pedaço” (1990-1996) e aos hits “Genie in a Bottle” e “Ain’t no Other Man”. Tal como diversas faixas do “Back to Basics” dedicadas ao ex-marido Jordan Bratman, “Deserve” surge como um desabafo dos bons e maus momentos vividos ao lado do atual noivo, Matthew Rutler. Emendando “Twice”, composta por MNEK e Julia Michaels, a musicista canta sobre não se arrepender de suas escolhas em uma das baladas mais poderosas (vocal e instrumental) de sua discografia.

Se aproximando da reta final, o interlúdio “I Don’t Need It Anymore” deixa claro que a antiga Christina desacreditada do mundo finalmente abriu seus olhos. Novinha em folha, ela une suas forças aos rappers Ty Dolla Sign e 2 Chainz para transmitir o recado de “Accelerate”. Apesar de não ter sido bem aceito por uma parcela significativa dos fãs (vale lembrar que até mesmo “Dirrty” sofreu duras críticas lá em 2002), o lead-single do X6 demonstra total coesão com o restante da tracklist; revelando-se talvez não o carro-chefe perfeito, mas sem sombra de dúvidas uma parceria a ser lembrada. Ainda inspirada pelo R&B de Che Pope (o produtor de “Maria”), Aguilera e o misterioso XNDA (que ninguém sabe quem é, mas especulam ser Lewis Hamilton) nos entregam a 5ª e última parceria do disco, “Pipe”. Flertando com as diferentes texturas e tons de sua voz, Xtina faz aqui algo bastante similar ao experimentado em “Bionic”, quando preferiu deixar o vozeirão em segundo plano para criar uma sonoridade diferente. Com uma vibe mais puxada para o “Lotus”, chegamos à romântica “Masochist”, que já havia vazado meses antes em um trecho de poucos segundos. Confessando suas inseguranças sobre se casar novamente – e seguindo o caminho de “Deserve” –, “Unless It’s with You” encerra a obra nos deixando com um gostinho de quero mais com o que pode ser chamado de uma prima distante de “The Right Man”.

Enfim livre… e mais relevante do que nunca:

Cada interlúdio e faixa principal parecem posicionados de modo estratégico na tracklist, complementando-se e dando um propósito para uma das obras mais coesas já lançadas pela cantora

Desde que Madonna e Michael Jackson se estabeleceram como os dois maiores ícones da música pop, o público sempre questionou quem seria o candidato perfeito para dar continuidade ao legado de reinvenções iniciado por ambos. Cogitada, ao lado de Britney Spears, como o futuro da indústria fonográfica desde que iniciou sua carreira no final da década de 90, Christina cresceu diante de nossos olhos sob a pressão esmagadora de nos entregar nada menos do que o melhor. Vinte anos mais tarde, essa pressão continua a mesma! Seguindo seus passos sempre fiel à sua forma única de se expressar, Aguilera jamais teve medo de falar sobre temas importantes e necessários – seja denunciando o abuso infantil ou o machismo propagado por aqueles que se veem numa posição de falsa superioridade. Batendo de frente contra todos que já tentaram silenciar sua voz, a musicista é constantemente associada a grupos que lutam pelos direitos das minorias e se esforçam para fazer do mundo um lugar melhor (vide seu trabalho humanitário em combate à fome).

Após lançar um álbum morno e desaparecer por 6 anos, grande era a expectativa do público de como seria o retorno de Xtina à ativa. Dando um chega-pra-lá na ociosidade, a vocalista demonstra ter encontrado a inspiração que lhe faltava para recuperar uma chama que desde o fim precoce da era “Bionic” parecia ter se apagado. Pondo um fim também ao discurso decorado e vazio da “flor-de-lótus que sobrevive aos ambientes mais desfavoráveis” (e que no fim também morreu prematuramente), a moça revela por seus atos que esteve realmente engajada a fazer de “Liberation” um trabalho a não ser esquecido. Seja em composições, produções ou sonoridade, cada colaborador do X6 parece ter sido escolhido a dedo para contribuir de maneira ímpar, dando seu sangue e suor para um material genuinamente digno do catálogo de Christina. Caindo como uma luva, o hip-hop e R&B que permeiam o CD revelam-se totalmente coesos com o histórico da cantora, não soando, a qualquer momento, forçados ou desesperados. Seja encorajando seus fãs na luta por libertação, seja brincando (e o mais importante, se divertindo) ao experimentar gêneros alheios ao pop, não há dúvidas de que Christina Aguilera voltou a ser aquela força motriz capaz de mover mares e montanhas que todos sentimos tanta falta.

Para mais conteúdo como este, não deixe de curtir a nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter e no Instagram para não perder qualquer novidade.

Um comentário sobre “Escapando da abstinência, Christina Aguilera atinge a excelência com o hip-hop e R&B do novo “Liberation”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.