“Slayers”: vale a pena assistir?

Meu querido leitor, se você já é adulto, e adicionalmente passou da casa dos 20, então é bem provável que tenha crescido na companhia dos saudosos programas infantis da TV aberta que exibiam as sempre populares animações japonesas. Em tempos em que a internet discada mais falhava do que funcionava, a criança que existe aí dentro certamente voltava correndo do colégio só para não perder os episódios que faziam a infância ou adolescência de qualquer um muito mais gostosas.

E é através desse clima de pura nostalgia que selecionamos, após uma extensa maratona, o não tão conhecido anime que dá título ao primeiro “Vale a pena assistir?” deste mês (sim, já estamos planejando um segundo artigo ainda para setembro). Sem maiores delongas, vamos ao que realmente nos interessa: descobrir se você perderá tempo ou não dando uma conferida em Slayers.

Texto livre de spoilers (claro que algum ou outro necessário para o bom entendimento deste artigo será mencionado mais cedo ou mais tarde, mas de forma sucinta e segura). Boa leitura!

Precedentes:

Algumas das light novels de “Slayers” (fonte da imagem)

Tendo sua origem há exatos 28 anos, quando ganhou um singelo destaque na revista “Dragon Magazine”, em uma curta narrativa, “Slayers” não demorou muito para se consolidar numa sólida franquia que se estendeu rapidamente para as páginas dos mangás e para a telinha das animações e dos jogos de videogames. Contando, inicialmente, as histórias de Hajime Kanzaka que ganharam vida graças aos traços de Rui Araizumi, a marca não fez feio após sua tímida estreia e conquistou o Japão em 15 volumes veiculados pela renomada publicação da editora Fujimi Shobo, entre os anos de 1990 a 2000, no formato light novel.

Seguida pela duradoura “Slayers Special” (1991-2008), as aventuras de Lina Inverse e seus amigos caíram tanto no gosto popular que levou apenas seis anos para sair da indústria literária e chegar até a televisiva no primeiro e grandioso anime exibido pela TV Tokyo, em 1995. Produzido pelos estúdios E.G. Films e J.C.Staff ao longo de 26 episódios, a direção do homônimo “Slayers” ficou a encargo de Takashi Watanabe (“Lost Universe”), enquanto Takao Koyama foi o responsável por adaptar para a TV os 3 primeiros volumes da precursora light novel. E esta era apenas a ponta do iceberg!

Lina Inverse, o cordeiro em pele de lobo:

Lina Inverse, a protagonista de toda a franquia

Na história que nos é apresentada pelo pioneiro “Slayers” (1995), Lina Inverse é uma jovem feiticeira de apenas 15 anos popularmente conhecida como a maior assassina de bandidos e dragões de que se tem notícia. Temida por todos aqueles que mais cedo ou mais tarde acabam entrando em seu caminho, ela logo faz amizade com o habilidoso Gourry Gabriev, um charmoso e avoado espadachim que acompanha nossa jovem protagonista ao longo de todas as 5 temporadas do anime. É durante essa jornada de muitos perigos e desafios que se juntam definitivamente ao seu grupo expedicionário a princesa justiceira Amelia Wil Tesla Saillune, herdeira do trono de Seyruun, e o anterior guerreiro agora transformado em quimera Zelgadis Greywords.

O que muitos não sabem, porém, é que Lina Inverse, ao contrário do que alertam todos os rumores ao seu respeito, é na verdade uma garota muito sensata que não desperdiça uma oportunidade de ajudar o próximo (contanto, é claro, que seja generosamente recompensada por altas quantias de ouro ou por fartas refeições). Orientada por um senso de justiça bastante forte que carrega para onde quer que vá, não é mistério para ninguém que será justamente em suas costas que recairá toda a responsabilidade de salvar não apenas seus queridos amigos, mas também todo o restante da humanidade – principalmente da ameaça infligida pelo maior demônio de todos os tempos, o destruidor Shabranigdo.

A primeira das muitas aberturas fantásticas do anime

Auxiliada por seus companheiros de viagem e por todos aqueles que se prontificam a ajudá-la em sua árdua tarefa (dentre os quais destacamos aqui o sempre misterioso Xellos, o fofíssimo Pokota, a também feiticeira Sylphiel e a bondosa Filia), Lina Inverse aproveita toda essa trajetória de dificuldades e aprendizado para se aprimorar naquilo que melhor sabe fazer: magia. Para os amantes dessa arte oculta que instiga a nossa imaginação há tantos séculos, “Slayers” é uma produção de mão cheia que surpreende a cada novo episódio e não desaponta até mesmo o mais exigente dos telespectadores.

Um só anime, diversas ramificações:

Somente a 1ª temporada chegou dublada ao Brasil, quando foi exibida pela TV Bandeirantes

Encerrados os acontecimentos que desencadeiam “Slayers” (1995), somos então levamos para “Slayers Next” (1996) e “Slayers Try” (1997), o 2º e 3º arcos da franquia que receberam a mesma direção, produção e roteirização da primogênita temporada. Uma curiosidade bastante peculiar sobre estes dois segmentos é que, enquanto “Next” manteve-se fiel ao enredo narrado pela light novel e adaptou para a TV os eventos ocorridos entre os volumes 4 a 8, “Try” nos apresentou uma história totalmente original, ambas com 26 episódios cada. Uma 4ª temporada, denominada “Slayers Again”, até chegou a ser cogitada seguindo o sucesso de “Try”, mas os rumores da época apontam que o projeto foi rapidamente engavetado, sendo que só tivemos notícias de um novo lançamento mais de uma década mais tarde.

Assim, ainda sob a produção do estúdio J.C.Staff, sob a transmissão da TV Tokyo e a direção de Takashi Watanabe – mas desta vez com os roteiros de Jiro Takayama –, os sempre fiéis seguidores de “Slayers” tiveram a honra de ser apresentados, muitos anos depois, a “Slayers Revolution” (2008) e “Slayers Evolution-R” (2009), as duas últimas temporadas responsáveis por colocar um ponto final na série televisiva. Cada uma exibindo 13 novos episódios de uma narrativa inédita inspirada em subplots pertencentes às light novels, ambas as novidades foram liberadas em continuação com uma arte muito mais moderna que, em momento algum, chegou a desrespeitar todo o legado construído pela marca em plenos anos 90. É o novo dando as boas-vindas ao velho da melhor maneira que se pode imaginar!

O outro universo de “Slayers”:

Naga e Lina em poster promocional de “Slayers Perfect” (1995), o primeiro longa-metragem

Paralelamente, o que a maior parte de quem assistiu ao anime (e não deu a mínima atenção para os demais formatos) desconhece é que, diferente do que pôde ser visto na telinha da televisão japonesa, o desfecho do que acontece nos filmes e nos episódios em OVA é inteiramente à parte da série principal, quase funcionando como prequelas. Isso porque não apenas todos os 4 longas-metragens, mas também os 6 episódios extras liberados diretamente em vídeo, nos redirecionam aos primórdios da saga de Lina Inverse, quando a feiticeira sequer conhecia Gourry Gabriev ou sua tão desejada Espada da Luz.

Desta maneira, tanto em “Slayers Perfect” (1995) [também conhecido como “Slayers The Motion Picture” e “Slayers The Movie: Perfect Edition”]; como em “Slayers Return” (1996) [também conhecido como “Slayers Movie 2: The Return”]; “Slayers Great” (1997); e “Slayers Gorgeous” (1998), Lina desbrava o mundo ao lado de ninguém menos que Naga, a Serpente, uma atrapalhada feiticeira que se autointitula a maior inimiga da protagonista – apesar de, na verdade, nutrir uma grande amizade por ela.

O mesmo, é claro, se repete nos lançamentos em OVA, os quais podem ser encontrados por aí sob os nomes “Slayers Special” (1996) [também chamado de “Slayers: Dragon Slave”, “Slayers: Explosion Array” e “Slayers: The Book of Spells”]; e “Slayers Excellent” (1998), tendo, cada, 3 episódios, totalizando 6. A grande exceção, talvez, fique com o 5º filme da franquia, “Slayers Premium” (2001), um curta-metragem de 30 minutos; e a participação de Nama em “Slayers Evolution-R”, que foram o mais próximo tivemos de uma colisão entre o passado e o presente da vida de Lina.

“Slayers” nos videogames:

Tela de entrada de “Slayers” (1994), o primeiro jogo da franquia liberado para o SNES

Se você se interessou para reviver a fascinante jornada de Lina Inverse e seus amigos nos videogames, então precisa saber que a franquia “Slayers” se expandiu para os títulos: “Slayers” (1994), para o SNES; “Slayers Royal” (1997) e “Slayers Royal 2” (1998), para Sega Saturn e PlayStation; e “Slayers Wonderful” (1998), para PlayStation. Vale dizer, também, que diversos de seus personagens, como Lina, Gourry e Naga, cresceram tanto na indústria eletrônica que ganharam destaque em crossovers como “Magical Battle Arena” (2008), para PC; “Heroes Phantasia” (2012), para PSP; e “Granblue Fantasy” (2014), para Android e iOS.

Comédia, romance e uma leve pitada de erotismo:

Imagem promocional de “Slayers Evolution-R” (2009), a última temporada do programa

Quebrando o padrão dos animes de ação e aventura da década de 90 que traziam, quase que em sua maioria, protagonistas masculinos, “Slayers” esteve tão à frente de seu tempo que foi, provavelmente, um dos pioneiros a explorar o girl power entre seus jovens telespectadores. E fique sabendo que esta não foi uma decisão exclusiva dos estúdios E.G. Films e J.C.Staff, pois, desde a época das light novels e mangás a franquia já possuía como público alvo os jovens leitores japoneses do sexo masculino (tanto que os primeiros mangás foram publicados como seinen e os mais recentes como shōnen). Seguindo por esta linha de raciocínio, não seria de todo absurdo se os traços da animação seguissem fiéis ao material impresso e sexualizassem o corpo feminino ao extremo, como de fato aconteceu, sendo Naga, a Serpente o maior exemplo disso.

Em contrapartida, grande parte da comédia proveniente de “Slayers” parte exatamente dessa premissa, uma vez que Lina Inverse é uma garota baixinha e desprovida de um corpo violão, recebendo, para sua infelicidade, os comentários mais asquerosos possíveis. Como boa feiticeira que é, ela não deixa barato e está sempre enfeitiçando aqueles que ousam criticar sua aparência, não pensando duas vezes antes de mirar um “Fireball” ou “Dragon Slave” nos tarados de plantão que têm a audácia de chamá-la de “sem peito”. Transbordando impaciência e impulsividade, é graças ao cuidado redobrado de Amelia, Gourry e Zelgadis que Lina não perde a cabeça a todo momento e consegue manter o foco em si mesma, seja para desempenhar as tarefas que lhe são passadas pelos homens de poder de cada cidade que visita, seja para frequentar um restaurante e deixá-lo à beira da falência.

Uma última vertente do programa que não poderia deixar de ser mencionada, é claro, é o romance, já que a nossa protagonista e Gourry chegam a viver alguns raríssimos momentos bem calientes – o que não é lá muito fácil para Lina, pois o cara é bastante tapado e estraga qualquer chance de conquistar a sua amada. O espadachim é tão disputado pelo elenco feminino que somos agraciados, em “Slayers Next”, com um dos mais divertidos episódios de toda a animação: “You Can’t Escape! The Return of the Obsessive Martina!”, o 6º dessa temporada. Apesar de nunca explorado com maiores detalhes, fortes indícios nos fazem crer que também existiu no anime um outro romance platônico envolvendo Amelia e Zelgadis, mas essa é uma teoria que jamais pôde ser comprovada na TV, pois o grupo sempre esteve tão ocupado combatendo o mal que jamais conseguiu tirar um segundo para refletir sobre suas vidas amorosas. Se não está fácil nem para Lina e Gourry, quem dirá para Amelia e Zel!

Um clássico que poucos conhecem:

Amelia, Gourry, Lina, Xellos (fundo) e Zelgadis, o grupo completo

Como não é muito difícil de se imaginar após uma resenha tão positiva como esta, “Slayers” é a nossa primeira indicação de anime do mês para todos aqueles que não dispensam uma produção de qualidade que sabe dosar comédia com fantasia na medida certa – e o mais importante: com aquela pitada de nostalgia que somente os animes clássicos são capazes de nos proporcionar. Nem um pouco arrastado, cada arco desenvolve-se brilhantemente ao passo que até mesmo os fillers não devem ser evitados. Assista-os: você não pode perder a oportunidade única de ver Lina e Amelia cantando e dançando em “The Forbidden Dance? Where is the Strongest Spell?” (S02E14) com roupas bem ao estilo Sailor Moon (veja aqui um trechinho).

Trazendo, inclusive, alguns efeitos sonoros bem similares aos de cults como “Dragon Ball Z”, você não demorará para notar que, assim como outros grandes clássicos noventistas, “Slayers” segue uma linha de produção infalível que há anos se perdeu por entre os últimos lançamentos japoneses. Com jogadas inteligentes de roteiro e uma caracterização das personagens tão específica que entrará na sua cabeça para certamente jamais sair (existe risada mais irritante, adorável e maravilhosa que a de Naga, a Serpente?), o show extravasa criatividade ao mesmo tempo que controla uma simplicidade sem tamanhos. Se é tempero que você quer, então pode se recostar na cadeira e relaxar, pois este aqui tem de sobra.

Este artigo é dedicado ao amigo Kelvin

Para mais conteúdo como este, não deixe de curtir a nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter e no Instagram para não perder qualquer novidade.

Anúncios