O que podemos esperar de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”

Em meio a tantas críticas à “Warner Bros.” por ter publicado uma prévia tão sucinta e pouco reveladora em dezembro do ano passado (o chamado “trailer de apresentação”), diversas foram as queixas redirecionadas a “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, o novo spin-off de Harry Potter que será recontado 70 anos antes da história principal (você pode ler mais sobre o assunto por meio desta matéria especial que escrevemos para o Co-op Geeks). Porém, quatro meses depois, a distribuidora estadunidense decidiu deixar o mistério de lado e nos entregou, de bandeja, o primeiro teaser completo do que encontraremos em sua mais recente grande aposta para os cinemas de todo o planeta.

Com estreia programada para o dia 18 de novembro nos EUA e no Reino Unido, respectivamente (em território nacional o longa deverá chegar um dia antes), na publicação de hoje decidimos analisar os dois primeiros trailers do filme estrelado por Eddie Redmayne e relacionar mais abaixo muito do que temos especulado sobre esta nova era mágica. Assim, selecionamos a seguir seis motivos que certamente ajudarão na nossa preparação para o que vem pela frente – e, quem sabe, clarear as ideias de todos aqueles que ainda não sabem o que pensar da trilogia inédita que teremos o prazer de conhecer em pouco mais de seis meses. Vem com a gente:

1. Roteiro original de J.K. Rowling:

J.K. Rowling, a escritora de “Harry Potter”

Se estivéssemos nos preparando para assistir a um filme inspirado no universo Harry Potter que contasse com qualquer outro roteirista do mundo, por mais aclamado que fosse, provavelmente muitas dessas críticas e medos seriam no mínimo razoáveis. Mas, felizmente, este não é o nosso caso. Isso porque a própria criadora de toda essa franquia esmagadora é a responsável pelo roteiro de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” – o que deveria, por si só, trazer uma segurança maior a qualquer fã ou admirador do bruxinho mais amado de todos os tempos. Quem melhor senão a mãe de Harry e seus amigos para decidir quais serão os próximos passos da série criada por ela mesma?

É claro que, se observarmos o passado por um ângulo mais crítico, não podemos nos esquecer que foi a própria J.K. quem decidiu tomar diversos caminhos cruéis durante o desenrolar de sua trama literária original (especialmente no que se refere a aniquilar alguns de nossos personagens preferidos). Todavia, no geral, Rowling não é de desapontar – e nós temos certeza que esta não será a primeira vez que a britânica pisará na bola.

2. Direção de David Yates:

Cena final de “Relíquias da Morte: Parte 2”, filme dirigido por David Yates

De fato, o senhor Yates (o cara responsável pelos quatro últimos Harry Potter) pode não ter sido a primeira opção para dirigir “Animais Fantásticos”, mas, o que muita gente não sabe é que, antes dele, outra figurinha carimbada chegou a ser cogitada para dar vida ao novo longa-metragem: Alfonso Cuarón. Após desmentir os rumores que rondavam os preparativos do spin-off em maio de 2014, a recusa do grande nome por trás de “O Prisioneiro de Azkaban”, inegavelmente, levou J.K. e os produtores do novo projeto a ninguém menos que o diretor de “A Ordem da Fênix”, “O Enigma do Príncipe” e “As Relíquias da Morte Partes 1 e 2”.

Alguém mais consegue notar esta estranha coincidência? Ao nosso ver, a busca por um profissional que já tenha dirigido outros títulos da série, definitivamente, mostra a grande preocupação que a equipe de produção está tendo de, ao menos, manter um mínimo de fidelidade aos antecedentes que vem construindo desde 2001. Em poucas palavras: se você quer ter uma ideia da direção que “Animais Fantásticos” irá tomar, basta checar o caminho feito pelos quatro últimos filmes da franquia. Por mais que tenha uma história completamente independente e diferente das aventuras do “Menino que Sobreviveu”, toda a parte visual deverá estar lá, mais uma vez transbordando criatividade e nos fazendo mergulhar de cabeça por esta eletrizante viagem pela magia dos cinemas.

3. Eddie Redmayne como ator principal:

Eddie Redmayne em ensaio promocional para o filme “A Garota Dinamarquesa”

Se você ainda não assistiu a qualquer filme que traga Eddie Redmayne em seu elenco (seja principal, seja de apoio), então já passou da hora de fazer uma rápida busca pelo Google e se ligar aos resultados que encontrará à sua disposição. Aclamadíssimo não apenas pela crítica, mas também pelo público e pelas incontáveis premiações de prestígio, vale dizer que, só para você ter uma ideia, Eddie chegou a estrear dois dos maiores lançamentos destes últimos dois anos: “A Garota Dinamarquesa” e “A Teoria de Tudo” – aliás, não foi em vão que este rendeu a Redmayne o “Oscar” de “Melhor Ator” na edição de 2015 do evento.

Agora sob a pele de Newt Scamander, a pressão para repetir os saudosos feitos do passado é grande, mas, definitivamente, não impossível. Interessante notar também que, pela primeira vez na História, as adaptações de Harry Potter para os cinemas decidiram apostar em um jovem talento que, diferente dos principais astros da trama de oito filmes, não fosse um estranho completamente alheio do público (como Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint, que puderam ver suas carreiras decolar em razão da própria franquia). Estaria a equipe por trás do spin-off interessada em aliar o impressionante histórico de Eddie a toda grandiosidade deste novo projeto e fazer desta a maior estreia cinematográfica de um filme Harry Potter?

4. Referências a outros filmes da série Harry Potter:

Captura do segundo trailer de “Animais Fantásticos” mostra os pertences pessoais de Newt Scamander (detalhe para o cachecol da Lufa-Lufa, casa a qual o bruxo pertenceu quando estudou na Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts)

Apesar de não ter nem dois minutos de duração, o pouco tempo de “Animais Fantásticos” que pudemos conferir no primeiro trailer do longa (assista) já foi o suficiente para fazer três referências ao antigo universo Harry Potter – e convenhamos que, naquela época, o filme ainda estava em produção (ou seja, o estúdio tinha pouco material para exibir).

A começar pelo marcante “Lumos Maxima” (o mesmo da abertura de “O Prisioneiro de Azkaban”), o trailer de apresentação nos levou a duas outras cenas marcantes que nos remetem ao universo do bruxinho nas telonas dos cinemas: os efeitos especiais usados em menos de 20 segundos de vídeo (que nos fazem lembrar das demais introduções elaboradas pela “Warner” de quando a magia do cenário se mexia para formar o logo da produtora) e a trilha sonora de John Williams (sim, a faixa utilizada a partir de 1min20s é uma versão editada de “Hedwig’s Theme”, a mesma de “A Pedra Filosofal”).

Os quatro protagonistas do longa-metragem

Partindo para o segundo trailer do longa-metragem (assista), é dito que Newt foi expulso de Hogwarts por ter “colocado em risco a vida humana com um animal”, apesar de “um dos professores ter contestado firmemente a sua expulsão”. E quem seria melhor para fazer isso senão o super idolatrado Alvo Dumbledore? Pronunciando claramente o nome do diretor mais amado que o mundo bruxo já teve, é especulado, inclusive, que o querido personagem poderá fazer uma aparição em algum título da futura trilogia (não necessariamente no primeiro) – e como o spin-off se passa 70 anos antes do original, não espere por Michael Gambon no papel.

5. Novas criaturas criadas especialmente para o filme:

Pelúcio em captura do segundo trailer de “Animais Fantásticos”

Ainda no segundo trailer do filme, “Animais Fantásticos” nos apresenta ao tão falado pelúcio (niffler, no original) e ao que foi chamado de swooping evil (investida maligna, em tradução livre). Todavia, apesar de o primeiro ser um animal já mencionado não apenas no livro didático escrito por Rowling (em 2001) como também em “O Cálice de Fogo”, o segundo é uma fera inteiramente nova criada especialmente para os cinemas. Se seguirmos esta lógica, não deverá demorar muito para que novos trailers sejam liberados no decorrer dos próximos meses e peguem para si a missão de nos trazer muitas outras novidades sobre o que nos aguarda lá em novembro.

Você pode ler mais sobre o pelúcio e o swooping evil através desta matéria publicada pelo site Potterish.

O segundo trailer de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”

6. Um spin-off literário pode acontecer:

A capa britânica de “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, o livro didático escrito por Rowling em 2001

Talvez estejamos sonhando alto demais ao cogitar esta possibilidade, mas, confesso que estaríamos sendo completamente insensatos se não levantássemos esta teoria e pensássemos um pouquinho não apenas nos milhares de fãs que a franquia tem espalhados por todo o globo, mas também no gigantesco lucro que poderia ser gerado de seus bolsos.

Ok, leitores, pensem com a gente: como já foi dito mais acima e repetido diversas vezes, o roteiro de “Animais Fantásticos e Onde Habitam” está sendo desenvolvido pela própria J.K. Rowling, não apenas a criadora do universo Harry Potter, mas também uma respeitada escritora de longa data. Se o roteiro do filme que veremos em novembro de 2016 está sendo projetado por uma autêntica escritora (e não uma mera roteirista), seria mesmo viável para a dona Jo desperdiçar o trabalho depositado em uma grande produção cinematográfica sem ao menos lançar algo oficial do conteúdo para as páginas dos livros? Afinal, o roteiro está ali, 100% à sua disposição, e convenhamos que liberá-lo em um formato alternativo, como no dos demais livros da série, não seria nenhum esforço incabível (sem falar que aumentaria descomunalmente a promoção e divulgação em cima desta nova trilogia).

Swooping evil em cena do segundo trailer do filme

Foi isso que aconteceu com “Cursed Child”, a peça teatral que teve seu script transformado no 8º livro da série e deverá ganhar as prateleiras das lojas ainda este ano. Sejamos francos: é claro que não apenas a “Warner” como a própria J.K. ou sua editora já deve ter pensado em fazer o mesmo com a história de Newt Scamander há muito, muito tempo! Sonhar nunca é demais, mas, infelizmente, enquanto nada é confirmado, tudo que nos resta é esperar sentados.

ATUALIZAÇÃO (27/04): O Pottermore confirmou, em 26/04, que o roteiro do filme será lançado como livro um dia depois da estreia internacional, ou seja, 19 de novembro. A estreia no Brasil, traduzida, ainda é desconhecida.


Estes foram os nossos primeiros palpites para “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, a nova produção da “Warner Bros.” que se passará no mesmo universo Harry Potter, mas 70 anos antes. E os seus? Conte-nos no espaço para comentários a seguir tudo o que você tem esperado para o novo filme e quais são as suas expectativas para esta nova era que está prestes a se iniciar.

Quer saber mais sobre o filme? Então não deixe de conferir nossa primeira publicação com diversos detalhes técnicos sobre o longa-metragem. Para mais conteúdo como este, não deixe de curtir a nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter e no Instagram para não perder qualquer novidade.

Anúncios

“Animais Fantásticos e Onde Habitam”: vale a pena ler?

Se você conhece o universo Harry Potter com certeza já deve ter ouvido falar em “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (“Fantastic Beasts and Where to Find Them”, em inglês), apenas um dos três spin-offs da saga escrita pela britânica J.K. Rowling. Lançado originalmente em março de 2001, pela “Bloomsbury”, a versão brasileira deste clássico nos foi adaptada no mesmo ano pela “Rocco”, a mesma editora responsável pela publicações nacionais de o primeiro “A Pedra Filosofal” até o derradeiro “As Relíquias da Morte”.

Por mais improvável que pareça, em “Animais Fantásticos…” encontramos uma verdadeira enciclopédia que correlaciona as 75 criaturas mágicas que fazem parte do mundo de Harry e seus amigos – muitas das quais podem ser vistas não apenas nas páginas da saga principal como também nos filmes levados para o cinema. Utilizando-se do pseudônimo Newt Scamander, o autor por trás da obra (no lançamento bruxo, é claro), J.K. não poupou criatividade ao trazer para os fãs um pouquinho de toda a magia que acompanhou cada um dos feiticeiros ocupantes das prestigiadas cadeiras da fabulosa Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts.

Além do glossário, que é a parte mais legal da obra, “Animais Fantásticos…” traz uma nota sobre o autor, um prefácio escrito pelo próprio Alvo Dumbledore, uma aprofundada introdução sobre o estudo da magizoologia e a classificação elaborada pelo Ministério da Magia com a periculosidade de cada criatura. Indo de X a XXXXX, o “Departamento para Regulamentação e Controle das Criaturas Mágicas” classificou os animais em: X. tedioso; XX. inofensivo/pode ser domesticado; XXX. bruxo competente pode enfrentar; XXXX. perigoso/exige conhecimento especializado/bruxo perito pode enfrentar; e XXXXX. mata bruxos/impossível treinar ou domesticar (ou como acertadamente diz uma anotação rabiscada na página: “ou qualquer coisa que Hagrid goste”, hahahahha).

Livro essencial para qualquer estudante do colégio mágico, a versão que podemos comprar em qualquer livraria ou loja virtual do país é uma cópia autêntica da usada por Harry nos seus dias de aprendiz em Hogwarts. Compilando até mesmo algumas das anotações manuscritas por ele, Rony e Hermione (com muita relutância, conforme frisou o diretor em seu prefácio), logo na primeira página já encontramos uma divertida discussão entre o casal de bruxos mais querido da literatura falando sobre a prioridade na compra de algumas bombas de bosta. Duas páginas depois, não muito diferente, Rony provoca seu melhor amigo com um hilário “Harry gosta da Murta que Geme” logo depois de brincarem de jogo da velha e forca (hahahhaha, mais alguma dúvida de que J.K. é um gênio no que faz?). Saca só a imagem a seguir:

Clique para ampliar

Com apenas 63 páginas (bem diferente de “A Ordem da Fênix”, o maior volume da série, com suas modestas 702), o livro pode ser adquirido atualmente por menos de R$20,00 e foi lançado conjuntamente com “Quadribol Através dos Séculos”, de autoria do Kennilworthy Whisp (J.K. nunca negou sua paixão por nomes “estranhos”, não é mesmo?).

Demonstrando que tem um grande coração e que se preocupa com as causas sociais, Rowling reverteu as vendas de “Animais Fantásticos…” para a “Comic Relief”, uma organização “fundada em 1985 por um grupo de comediantes britânicos” que tiveram o objetivo de “angariar fundos para projetos que promovam a justiça social e ajudem a conter a pobreza”. Segundo a instituição: “cada centavo doado a Comic Relief é encaminhado para onde é mais necessário, por intermédio de organizações internacionalmente reconhecidas como a Save the Children e a Oxfam”. O trabalho beneficente realizado pela instituição é tão importante que até mesmo o Professor Dumbledore, ocupadíssimo diretor de Hogwarts, cedeu um pouco do seu tempo para falar um pouquinho sobre isso na contra-capa do livro: “a renda apurada com a venda deste livro reverterá para a Comic Relief, o que significa que os reais e galeões que você paga por ele realizarão mágicas que ultrapassam os poderes de qualquer bruxo. Se você achar que essa razão não é o suficiente para separar-se do seu dinheiro, só me resta desejar que se um dia uma manticora atacá-lo, os bruxos que passarem e virem sejam mais caridosos e queiram ajudá-lo”.

Contudo, as curiosidades por trás deste livro não terminam por aqui! Você sabia que um filme adaptado em “Animais Fantásticos…” tem sido gravado neste exato momento nos estúdios da “Warner”, não é? Apesar de não sabermos muito sobre o seu enredo, já foi revelado que “a história se passará 70 anos antes das aventuras de Harry Potter começar” e “narrará as aventuras de Newt Scamander”. Sob a direção de David Yates (o mesmo que dirigiu os quatro últimos filmes da série) e com roteiro da J.K., a sua previsão é que chegue para os cinemas no dia 19 de novembro de 2016. Para você ter uma ideia, o ator ganhador do “Oscar” Eddie Redmayne (“A Teoria de Tudo”) é quem dará vida a personagem principal da trilogia (sim, já foi confirmado que três novos filmes serão liberados para esta nova franquia). Você confere muitas outras informações técnicas sobre o longa-metragem acessando este link.

Apesar de muitos criticarem o seu trabalho, o livro recebeu a tradução da já experiente Lia Wyler (a mesma dos “Harry Potters” principais), e assim como já é de se imaginar, todos os nomes originais das criaturas mágicas ganharam a sua própria versão aportuguesada, facilitando em muito o nosso entendimento – convenhamos que arpéu (graphorn) e furanzão (jarvey) foram boas escolhas, vai!?

Num primeiro momento, “Animais Fantásticos e Onde Habitam” pode parecer uma escolha um tanto quanto incoerente para um leitor que desconhece as histórias do bruxinho mais popular de todos os tempos, mas acredite: não o é. É claro que, para compreender alguns dos comentários rabiscados por Harry, Rony e Hermione você deve, no mínimo, assistir aos primeiros filmes e captar alguns detalhes importantes, como a fobia de Rony por aranhas ou a dedicação de Hagrid por animais demasiadamente perigosos. Assim como os seus equivalentes, “Quadribol Através dos Séculos” e “Os Contos de Beedle, o Bardo” (sim, não demorará muito para eu escrever sobre eles por aqui), “Animais Fantásticos…” se mostra um item indispensável para um verdadeiro admirador da maior obra já criada pela mestra J.K. Rowling.

E, o melhor de tudo nem é o fato de todos esses livros terem um custo baixo, já que podem ser facilmente adquiridos pela internet por menos de R$30,00 em alguns sites (isso mesmo, os três), mas para onde esse dinheiro será destinado. Quantas pessoas gostariam de estender uma mão aos menos favorecidos mas não sabem como fazê-lo. Você já pensou em comprar um grande presente para um amigo e, mesmo involuntariamente, ajudar crianças do mundo todo que se sujeitam a condições precárias e desumanas de vida?

Apesar de serem livros curtos que podem ser facilmente lidos em um único dia, os três spin-offs trazem a já mundialmente conhecida magia da britânica de capturar a atenção do leitor e fazer com que ele tenha vontade de devorar capítulo atrás de capítulo incessantemente. Como sempre muito inteligente, cada detalhe inserido nestas obras vêm apenas para reforçar em nosso íntimo que, mesmo após o término de sua maior série, o mundo de Harry Potter consegue superar qualquer barreira imposta pelas páginas dos livros ou os telões dos cinemas. Demonstrando que este é um trabalho completamente atemporal, sempre que quisermos poderemos pegar uma dessas obras para reviver sua fascinante história ou colocar aquele DVD maroto e matarmos as saudades dos brilhantes atores que cresceram conosco. Afinal, como já dizia o sábio professor Alvo Percival Wulfrico Brian Dumbledore: “Hogwarts sempre ajudará aqueles que a ela recorrerem”.