#CoopGeeks: 5 filmes de terror que quase chegaram lá

O que vem à sua cabeça quando você ouve ou lê a expressão “um bom filme de terror”? Se seu cérebro ficou dividido entre os memoráveis slasher dos anos 70 e 80 (“O Massacre da Serra Elétrica”, “Halloween”, “Sexta-feira 13”) ou entre as lendas do horror psicológico de décadas e décadas atrás (“Psicose”, “O Exorcista”, “O Iluminado”), saiba que é porque você já foi apresentado a algumas obras-primas que, felizmente, eternizaram-se no cenário do cinema internacional e foram condecoradas com muito prestígio ao decorrer dos últimos 50 anos.

Porém, vez ou outra nos deparamos com alguns títulos que, por mais que não tenham um grande reconhecimento de público ou de crítica, não fizeram tão feio e nos passaram aquela sensação de quase terem chegado lá. Seja por seus enredos instigantes, seja pela sua pesada ambientação, muitas dessas produções podem até deixar a desejar em algum requisito ou outro – o que, de qualquer maneira, não diminui o mérito por terem se tornado quase-clássicos de um gênero tão oscilante como o terror. Filmes que, por alguma razão, não receberam (mas mereciam) um pouquinho mais da nossa atenção.

Assim, fizemos algumas buscas pela internet e reunimos, a seguir, 5 longas-metragens injustiçados que você provavelmente não conhece (e pode até já ter ouvido falar), mas que, definitivamente, valem a pena ser conferidos um a um:

5 FILMES DE TERROR QUE QUASE CHEGARAM LÁ

Anúncios

“Especial Halloween”: comemore o “Dia das Bruxas” com as nossas dicas de filmes, games e muito mais

Hoje, 31 de outubro, no último dia do mês, é comemorado nos países anglo-saxões um dos eventos mais tradicionais e populares de todo o globo terrestre: o Halloween (ou, para nós, o “Dia das Bruxas”). Originado da cultura celta (povo que habitou grande parte da Europa durante o segundo milênio a.C.), o fenômeno cultural que antecede o “Dia de Todos os Santos” nasceu como uma “preocupação” que este antigo povo detinha ao ansiar que o mundo viesse a ser atentado por fantasmas e demônios às vésperas do 1º de novembro, uma data representada pelo sagrado e pela positividade.

Atualmente difundido por crianças e adolescentes que se fantasiam e batem às portas das casas para pedir doces em troca de bom comportamento (ou seja, para não pregarem uma peça no morador), a celebração nos remete aos tempos em que as pessoas se utilizavam de máscaras e disfarces para passarem despercebidas pelos espíritos que vagariam pela Terra na ocasião. Marcado pela presença do horror e do sobrenatural, muitas são as lendas e histórias que acompanham esse período comemorativo, muitas das quais podem ser acompanhadas por meio deste link.

A seguir, relacionei algumas dicas de músicas, games, filmes e livros que você não poderá deixar de conferir nesse dia tão especial para fazer do seu “Dia das Bruxas” um momento muito mais inesquecível, aterrorizante e divertido.

ALA MUSICAL

MENÇÕES HONROSAS: “Thriller”, do Michael Jackson // “Fine Again”, do Seether // “Call Me When You’re Sober”, do Evanescence.

“Just Tonight”, com o The Pretty Reckless:

A banda formada por Taylor Momsen e companhia ainda estava no seu disco debut de inéditas quando “Just Tonight” foi escolhida como 3º single do “Light Me Up” e ganhou um clipe bem característico dessa época do ano dirigido por Meiert Avis (o mesmo de “Make Me Wanna Die” e “Miss Nothing”). Com um visual bem gótico que nos remete à toda obscuridade do rock alternativo produzido pelos caras, a vocalista do grupo pode ser vista queimando flores e doando de seu sangue para uma tinta especial enquanto os outros integrantes tocam seus instrumentos em um cenário digno de um filme de terror clichê dos anos 90. Composta por Taylor Momsen, Ben Phillips e Kato Khandwala (e ganhando a produção deste último), a poderosa música foi bem aceita pelos críticos musicais que elogiaram bastante os vocais da cantora.

ASSISTA AO CLIPE DE “JUST TONIGHT”, DO THE PRETTY RECKLESS.


“If It’s Alright”, com a Lindsay Lohan:

Intercalando várias cenas de “Eu Sei Quem Me Matou?”, filme de suspense estrelado por Lindsay Lohan em 2007, a 7ª faixa do disco “A Little More Personal (Raw)”, de Lilo, é o tema deste vídeo elaborado por um fã que une a carreira cinematográfica da moça à musical. Apesar de a sua letra não condizer em nada com o que é mostrado em vídeo, o fan made surge como uma espécie de justiça à excelente balada gravada por Lohan em 2005 e que não ganhou nenhum destaque quando da divulgação do seu 2º disco de inéditas. Composta por Lindsay ao lado de Kara Dioguardi e Butch Walker (e produzida pelos dois últimos), “If It’s Alright” nos mostra que, apesar de ter obtido pouco êxito em sua discografia, se mostra um dos trabalhos mais honestos e profundos da bad girl mais querida e idolatrada de Hollywood.

ASSISTA AO FAN VIDEO DE “IF IT’S ALRIGHT”, DA LINDSAY LOHAN.


“Electric Chapel”, com a Lady Gaga:

Quando se trata de Lady Gaga e do seu 2º álbum, o “Born This Way”, é fato que muitas de suas faixas poderiam ocupar um espacinho nesse especial de Halloween, mas essa apresentação de “Electric Chapel” realizada em Manila, capital das Filipinas, ganha destaque por sua maestria. Influenciando-se pelas batidas do heavy metal e pelos elementos da eurodance, a 12ª canção do material (14ª da edição especial com conteúdo bônus) merece a nossa atenção por trazer os marcantes vocais da cantora unidos à toda obscuridade trabalhada por Gaga na criação e divulgação do “Born This Way”. Composta por sua intérprete conjuntamente ao DJ White Shadow (e produzida por ambos), em “Electric Chapel” a loira canta sobre a enigmática capela elétrica: “um lugar seguro aonde você pode encontrá-la para lhe entregar algo especial”.

ASSISTA A APRESENTAÇÃO AO VIVO DE “ELECTRIC CHAPEL”, DA LADY GAGA.

ALA ELETRÔNICA

MENÇÕES HONROSAS: “Parasite Eve” // “Silent Hill 2” // o recente “Until Dawn” (leia o nosso artigo).

Silent Hill:

Não sou eu que digo que “Silent Hill”, o clássico do PSOne, é um dos jogos de horror mais consagrados de todos os tempos pelos fãs do terror e do suspense, mas sim o próprio público amado. E, apesar de já ter rendido mais de 10 títulos bem populares entre os fiéis seguidores da franquia, o primeiro deles, lançado lá em 99, continua sendo definitivamente o mais respeitado e indicado para quem curte ambientes claustrofóbicos somados à muita pressão psicológica. Apesar de ter os piores gráficos e a jogabilidade mais limitada de qualquer outro lançamento da obra, “Silent Hill” prende o jogador por conta de sua criatividade absurda e enredo diabólico. Sob o comando de Harry Mason, você terá de enfrentar muitos desafios para encontrar sua filha desaparecida enquanto foge da sombria névoa de Silent Hill que engole tudo o que vê pela frente como um buraco negro de ódio, sangue e muita carnificina. “Terror em Silent Hill” e “Silent Hill: Revelação” são as duas adaptações cinematográficas inspiradas no 1º e 3º games da série.

ASSISTA A UM TRECHO DE “SILENT HILL”.


Five Nights at Freddy’s 4:

Liberado neste ano para PC, Android e iOS, o 4º lançamento da série “Five Nights at Freddy’s”, criada por Scott Cawthon, é de longe o mais assustador de todos os títulos que precederam o 1º game, lançado em agosto do ano passado. Seguindo a mesma modalidade dos jogos anteriores, o jogo em 1ª pessoa é dessa vez controlado por um garotinho que está trancado em seu quarto tentando escapar dos já conhecidos animatronics da “Freddy Fazbear’s Pizza”. Baseando-se no mesmo esquema de sustos inesperados, a diferença deste games dos demais está na ausência das já conhecidas câmeras de vigilância (que te avisavam quando os inimigos se aproximavam) e na aparência dos robôs, que agora estão muito mais horripilantes.

ASSISTA A UM TRECHO DE “FIVE NIGHTS AT FREDDY’S 4”.

ALA FILMOGRÁFICA

MENÇÕES HONROSAS: “Eu Sei [e Eu Ainda Sei] o que Vocês Fizeram no Verão Passado” // “O Chamado 1 e 2” // a franquia “Pânico” // a comédia “Todo Mundo em Pânico 1, 2 e 3”.

Abracadabra:

A comédia da “Disney” estrelada por Bette Midler, Sarah Jessica Parker e Kathy Najimy é a dica perfeita para quem curte o Halloween mas não gosta de acompanhar os clássicos do terror regados a inúmeros banhos de sangue e vísceras. “Hocus Pocus”, no original, foi lançado em 1993, e, apesar de não ter conquistado as graças da crítica especializada na época de sua estreia, construiu no decorrer dos anos uma imensa legião de fãs, sendo hoje considerado um clássico cult. Dirigido por Kenny Ortega (o mesmo da trilogia “High School Musical”), o longa conta a história das irmãs Sanderson, sacrificadas há 300 anos pela prática de bruxaria e que retornam do além após serem invocadas por um pequeno grupo de crianças. Tendo apenas algumas horas para roubar a energia vital de toda a criançada da cidade, Winnie, Sarah e Mary terão de se adaptar ao mundo moderno enquanto colocam em prática o seu maquiavélico plano para permanecerem vivas definitivamente. Uma sequência do filme foi cogitada no ano passado, mas logo depois foi revelado que, na verdade, o novo projeto desenvolvido por Tina Fey (a professora Sharon Norbury de “Meninas Malvadas”) trata-se de uma spin-off.

ASSISTA A UM TRECHO DE “ABRACADABRA”.


Elvira, a Rainha das Trevas:

Outra comédia super recomendada para este “Dia das Bruxas” (e liberada para o público em 1988) é “Elvira, a Rainha das Trevas”, o primeiro longa-metragem estrelado por Cassandra Peterson sob o seu alter ego popularmente conhecido no mundo todo. Saindo do mundo da televisão para ganhar o seu próprio filme, “Elvira, a Rainha das Trevas” narra a história de Elvira, uma apresentadora de TV que vivia pacatamente como anfitriã de um programa decadente e que recebe a notícia do falecimento de uma tia, até então desconhecida pela moça. Indo para Fallwell, interior de Massachusetts, no local ela não demorará para descobrir que os bens herdados de sua tia, Morgana, são muito mais especiais do que aparentam ser (e que muita gente está de olho na sua herança, e não apenas em seu corpo escultural). Antes de estrelar o projeto, Peterson já trabalhava como apresentadora do canal “KHJ” (assim como é representado no começo do filme), dando vida ao “Movie Macabre”: uma apresentação semanal com as obras do terror.

ASSISTA A UM TRECHO DE “ELVIRA, A RAINHA DAS TREVAS”.


As Bruxas de Eastwick:

Lançado em 1987 e baseado na novela de John Updike de mesmo nome, o longa-metragem estrelado pela nata hollywoodiana Jack Nicholson, Cher, Susan Sarandon e Michelle Pfeiffer não poderia ter rendido um resultado mais empolgante e atrativo que o retratado em “As Bruxas de Eastwick”. Bem aceito pelas críticas, a saga de três bruxas que se apaixonam pelo mesmo homem foi nomeada à 2 categorias do “Oscar” de 88 e venceu diversas outras em premiações como o “BAFTA” e o “Saturn Awards”. Alexandra, Jane e Sukie sempre sonharam em encontrar sua alma gêmea, até que, de repente, o desejo inesperado se torna realidade quando Daryl Van Horne aparece em suas vidas como uma prece atendida. O que elas não sabem é que o cara boa pinta vivido por Nicholson lhes causará muitos mais problemas do que meros contratempos com poções mal preparadas ou simpatias que não funcionam. Destaque para a atuação fascinante da cantora (e esporadicamente atriz) Cher.

ASSISTA A UM TRECHO DE “AS BRUXAS DE EASTWICK”.


A Hora do Pesadelo:

Por mais que “Sexta-feira 13”, “O Iluminado”, “Poltergeist” e “O Exorcista” sejam obras muito procuradas nessa época do ano por todos que curtem os clássicos dos anos 70 e 80, o Halloween aqui do Caí da Mudança não seria o mesmo se deixássemos de lado o aterrorizante “A Hora do Pesadelo”. Ganhando 7 títulos principais memoráveis, um crossover bem mediano e um remake que jamais deveria ter saído do papel, a história de Freddy Krueger, o assassino de crianças da Elm Street, continua sendo mesmo nesta década um clássico do terror que precisa ser visto e revisto por todos os amantes do “Dia das Bruxas”. Eu estaria mentindo se dissesse que todos os lançamentos da série principal são tão bons quanto o 1º (que ganhou os cinemas de todo o mundo em 1984), mas vale mencionar que “A Hora do Pesadelo 2, 3 e 7” são filmes imprescindíveis para todos que gostariam de conhecer um pouco mais sobre uma das franquias mais queridas do “terror B”. O que dizer do encantador Robert Englund, ator responsável por imortalizar um dos vilões mais temidos da história da humanidade criado pelo gênio dos cinemas Wes Craven?

ASSISTA A UM TRECHO ICÔNICO DE “A HORA DO PESADELO”.


Olhos Famintos:

Escrito e dirigido por Victor Salva, o lançamento de 2001 que teve seu título original inspirado na música de jazz “Jeepers Creepers”, de 1938, é outro trabalho da última década que merece um pouco da nossa atenção nesta publicação. Diz uma lenda local que a cada 23 primaveras, durante 23 dias, uma criatura conhecida como The Creeper (algo como O Rastejador) sai de um profundo estágio de hibernação para se alimentar de seres humanos. Movido por um incontrolável faro que pode detectar suas vítimas há distâncias inexplicáveis, os irmãos Trish e Darry (interpretados por Gina Philips e Justin Long) se metem em apuros ao tentar investigar os hábitos do misterioso ser após um encontro nada amigável nas estradas do Nebraska. Uma sequência passando-se 3 dias após os eventos do 1º filme foi liberada em 2003, tornando-se tão querida pelos fãs da trama quanto o original (além de ter introduzido Jonathan Breck mais uma vez como o nojento The Creeper).

ASSISTA A UM TRECHO DE “OLHOS FAMINTOS”.


Invocação do Mal:

Invalidando completamente aquela conversa de que “não se faz mais filmes de terror como antigamente”, a produção dirigida por James Wan e com roteiros de Chad Hayes e Carey W. Hayes surgiu em 2013 para dar um tapa na cara de todos que duvidavam do potencial das atuais obras do horror. Baseado em fatos reais, “Invocação do Mal” traz a história de Ed e Lorraine Warren, o casal de paranormais mais famoso dos EUA vivido nas telonas dos cinemas pelos talentosos Patrick Wilson (“Sobrenatural” e “Sobrenatural: Capítulo 2”) e Vera Farmiga (“Bates Motel”). Passando-se em 1971 e investigando um recente caso que lhes foi proposto, os Warren encontram diversos eventos sobrenaturais que colocarão em risco a vida de todos que adentrarem a sinistra propriedade rural recém adquirida pela família Perron. Mesmo rejeitado por grande parte do público que aprovou “Invocação do Mal”, um spin-off nomeado “Annabelle” foi lançado um ano após o 1º longa trazendo a história da boneca que faz figuração na obra de James Wan. “Invocação do Mal 2” já foi confirmado e tem data de lançamento agendada para junho de 2016.

ASSISTA A UM TRECHO DE “INVOCAÇÃO DO MAL”.

ALA LITERÁRIA

MENÇÕES HONROSAS: apesar de não tê-los lido (ainda), “A Coisa” // “O Iluminado” // “O Cemitério”, todos do Stephen King, foram muitas vezes recomendado a mim por diversas pessoas (destaque às suas respectivas adaptações cinematográficas, consagradas por quem curte o gênero como clássicos inestimáveis do terror).

A Máscara Monstruosa (Goosebumps):

Para encerrar o nosso especial de Halloween aqui do Caí da Mudança, trago a vocês um livro que li há muitos e muitos anos, mas que jamais saiu da minha memória de pequeno fã adorador do lado sobrenatural da vida. “A Máscara Monstruosa” é a 11ª novela escrita por R. L. Stine para a série “Goosebumps”, uma coletânea que inclui 62 obras de terror destinadas ao público infantojuvenil. Publicada pela 1ª vez em 1993 pela “Scholastic Corporation” (e por aqui pelas editoras “Fundamento” e “Abril”), o livro narra a história de Carly Beth, uma garota que resolve se vingar de alguns amigos que a vivem zoando e pregando peças de mal gosto. Visitando uma loja de máscaras de Halloween, Carly “invade” uma sala proibida do estabelecimento e decide levar para casa uma máscara um tanto quanto assustadora demais. Mesmo sendo alertada pelo dona da loja a desistir do negócio, a garota persiste e, sem querer, descobre que algumas coisas não deveriam jamais ser experimentadas. Inspirando outras três sequências (“O Grito da Máscara Assombrada”, “A Máscara Monstruosa II” e “Wanted: The Haunted Mask”, estes 2 últimos sem publicação no Brasil), “A Máscara Monstruosa” é uma ótima indicação para quem gosta de uma leitura leve e agradável, mas muito instigante. OBS.: já está disponível nos cinemas brasileiros “Goosebumps: Monstros e Arrepios”, filme inspirado na franquia de R. L. Stine (saiba mais).

ASSISTA A UMA ADAPTAÇÃO DO LIVRO PARA VHS.

Outras dicas de livros para o Halloween podem ser conferidas neste vídeo do canal “Perdido nos Livros”, do Eduardo Cilto.

E aí, curtiu as nossas indicações para curtir o “Dia das Bruxas”? E você, quais são as suas obras favoritas para essa data comemorativa tão pouco divulgada aqui no nosso país? Deixe as suas dicas aí nos comentários.

Talvez você se interesse também por: 13 grandes clássicos do terror // O pesadelo chega ao fim! Nós sentiremos a sua falta, Wes Craven // 13 grandes filmes de comédia que marcaram a infância // os meus 13 jogos favoritos para PSOne (parte 2).

13 grandes clássicos do terror

Intro

A sexta-feira 13 já passou, mas, ainda dá tempo de comemorar uma das datas mais supersticiosas da História. Nada mais é que uma sexta-feira comum que acaba caiando no 13º dia de qualquer mês, tido como muitos como um dia de azar.

Para o Cristianismo, o bendito (ou maldito) 13 traz má sorte devido a duas situações bíblicas marcantes: Jesus foi crucificado numa sexta-feira e, na última ceia, 13 pessoas sentaram-se à mesa sagrada. Para a Numerologia, o 13 é considerado um número irregular, que causa desordem e infortúnio, indo em direção oposta ao número 12: este completo (12 meses do ano, 12 apóstolos de Jesus, 12 constelações do zodíaco etc). No tarô, 13 é o número que simboliza a morte. Agatha Christie, famosa escritora britânica, nomeou uma de suas obras como “Treze à Mesa” (“Lord Edgware Dies”, no original). O livro, publicado em 1933, disserta sobre um romance policial e brinca com a situação supersticiosa de que 13 pessoas sentadas a uma mesa causa azar.

Após essa pequena introdução simplória, acho que já dá pra termos uma ideia do porque de muita gente temer essa data (e claro, não é pra menos). Abaixo, tentei relacionar 13 grandes filmes que, após tantas décadas, deixaram sua marca na história cinematográfica e se tornaram clássicos do terror. Alguns mais impactantes do que outros, vale a pena conferir um por um e, quem sabe, correr pra locadora mais próxima em busca dos títulos a seguir listados:

#13. PÂNICO (Scream)

Pânico

Okay, muitos podem olhar para “Pânico” e não associá-lo a uma lista com os 13 clássicos do terror, mas, é inegável a influência que esse longa gerou em qualquer filme de terror ou suspense que seja posterior ao seu lançamento. Imagine a seguinte situação: você está em casa, numa sexta-feira à noite, sozinho, quando o telefone toca e algum desconhecido começa a lhe fazer perguntas relacionadas a filmes de terror. É como um jogo, se você acerta, vive; se erra, morre. E o pior: esse desconhecido já está dentro da sua casa, escondido em algum cômodo. A partir desta deixa, entra cena o tão temido Ghostface, assassino mascarado que portando uma afiada faca parte pra cima de suas vítimas com a intenção de estripá-las. Caberá a jovem Sidney Prescott, interpretada pela talentosíssima Neve Campbell, desvendar o mistério e encontrar o assassino que tem ido atrás de todos os seus amigos e comandado uma sanguinária matança em sua cidade. Destaque para a participação especial de Drew Barrymore e a presença de Courtney Cox, que na época estava no auge de sua carreira por conta do seriado “Friends”.

VEJA O TRAILER DE “PÂNICO”

Ano: 1996

Diretor: Wes Craven (o criador de Freddy Krueger)

Elenco: David Arquette, Neve Campbell, Courteney Cox, Drew Barrymore, Matthew Lillard, Rose McGowan e Skeet Ulrich

Distribuição: “Dimension Films”

Rotten Tomatoes: 80/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 14 milhões | Receita: US$ 173 milhões

#12. IT – UMA OBRA PRIMA DO MEDO (It)

It

Baseado na obra de Stephen King de mesmo nome, os eventos se iniciam após, na cidade fictícia de Derry, no Maine, uma criatura conhecida como “A Coisa” atacar suas vítimas trajada, na maior parte das vezes, como o palhaço dançarino Pennywise. O antagonista, como não poderia deixar de ser, se alimenta dos medos e inseguranças das crianças após ler suas mentes e descobrir quais são suas maiores fobias. Foi filmado em dois capítulos para a televisão norte-americana, indo ao ar pela “ABC”, em novembro de 90. Com quase 3 horas de duração, o ator Tim Curry (o gerente do hotel de “Esqueceram de Mim 2”) foi o responsável por dar vida ao tão temido vilão.

Apesar de não estar associado, o enredo lembra muito o caso real do serial killer John Wayne Gacy que atacava suas vítimas (garotos com idade entre 15 a 21 anos) durante o dia. Em seu Oldsmobile preto, o cara oferecia emprego em sua construtora e, ao dar carona ao rapaz escolhido, o dopava com clorofórmio, levava para sua casa e o molestava sexualmente. Detalhe: vestido de palhaço. Você pode conferir aqui mais sobre o caso real do Palhaço Assassino.

VEJA O TRAILER DE “IT – UMA OBRA PRIMA DO MEDO”

Ano: 1990

Diretor: Tommy Lee Wallace (o diretor de “Halloween III”)

Elenco: Harry Anderson, Dennis Christopher, Richard Masur, Annette O’Toole, Tim Reid, John Ritter, Richard Thomas, Jonathan Brandis, Marlon Taylor, Seth Green, Adam Faraizl, Emily Perkins, Brandon Crane, Ben Heller e Tim Curry

Distribuição: “Warner Bros. Television”

Rotten Tomatoes: 67/100

Orçamento: desconhecido | Receita: desconhecido

#11. A PROFECIA (The Omen)

Profecia

Baseado na obra de David Seltzer de mesmo nome, o filme narra a história do menino Damien, de 5 anos, filho de Satanás nascido de um chacal na 6ª hora do 6º dia do 6º mês, destinado a ser o Anticristo. Inserido na família de um importante diplomata, acontecimentos sinistros parecem acontecer sempre que o garoto está por perto, desde acidentes inesperados a mortes de pessoas que, de alguma forma, estão envolvidas a Damien. Marcado com o número da besta (666), o primeiro Damien foi interpretado por Harvey Spencer Stephens. Um remake foi lançado em 2006, além, é claro, das outras 2 sequências do primeiro longa, de 1976.

O mais interessante, porém, foram as coincidências que circundam o filme nos seus bastidores. Entre os mais bizarros (vôos atingidos por raios, cachorros treinados que atacavam seus adestradores) destacamos um bem peculiar: pouco depois de o ator Gregory Peck aceitar o papel do pai do Anticristo, seu filho na vida real cometeu suicídio.

Foi nomeado a duas categorias do Oscar, vencendo uma delas por sua trilha sonora. Confira aqui outras situações no mínimo estranhas que rodearam “A Profecia”.

VEJA O TRAILER DE “A PROFECIA”

Ano: 1976

Diretor: Richard Donner (diretor de “Os Goonies”)

Elenco: Gregory Peck, Lee Remick, David Warner, Billie Whitelaw e Harvey Spencer Stephens

Distribuição: “20th Century Fox”

Rotten Tomatoes: 85/100

Box Office Mojo: Orçamento: estima-se US$ 2,8 milhões | Receita: US$ 60,9 milhões

#10. HALLOWEEN – A NOITE DO TERROR (Halloween)

Halloween

“Haloween” conta a trajetória de Michael Myers, serial killer desde a infância que assassinou a irmã numa noite de Halloween, aos 6 anos de idade. Internado durante 15 longas primaveras num sanatório, o moço foge de local e retorna a sua cidade natal, aonde irá cometer uma das maiores chacinas dos cinemas. Criado por John Carpenter, o personagem foi inspirado em um menino real que o diretor conheceu num hospital psiquiátrico. Na ocasião, o garoto estava olhando para uma janela (cena que recriou no filme) e John viu nele olhos tão cheios de ira que ficou impressionado, decidindo levar para o longa.

O filme traz ainda a estreia de Jamie Lee Curtis (conhecida também por sua atuação em “Sexta-Feira Muito Louca”, ao lado de Lindsay Lohan) nas telonas, atuando posteriormente em cinco das sequências. Apenas para título de curiosidade, Curtis é filha de Janet Leigh, famosa por fazer parte do elenco de “Psicose”. Aqui dá pra ler muitas curiosidades interessantes sobre o filme.

VEJA O TRAILER DE “HALLOWEEN – A NOITE DO TERROR”

Ano: 1978

Diretor: John Carpenter

Elenco: Donald Pleasence, Jamie Lee Curtis, P. J. Soles e Nancy Loomis

Distribuição: “Warner Bros. Pictures”

Rotten Tomatoes: 94/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 325 mil | Receita: US$ 47 milhões

#9. POLTERGEIST – O FENÔMENO (Poltergeist)

Poltergeist

Uma típica família norte-americana dos anos 80 vive feliz no subúrbio da Califórnia, no belo condomínio “Cuesta Verde”. Tudo está em seu devido lugar até que a filha mais jovem do casal, Carol Anne, interpretada por Heather O’Rourke, aparentemente em uma de suas brincadeiras de criança, começa a conversar com o televisor. É a partir daí que uma série de fatos sobrenaturais toma conta de tudo que se encontra dentro da casa. O ápice de tudo se concretiza quando a menina, sem qualquer explicação coerente, desaparece e desencadeia o desespero de sua família. Com a ajuda de paranormais e médiuns, Steve Freeling e sua esposa tentarão encontrar a filha e solucionar a grande desordem que está deixando todos apavorados.

Assim como “A Profecia”, “Poltergeist” também possui mortes inexplicáveis após o lançamento de seu debut e sequências. O’Rourke, que estrelou os três filmes da série, sofreu uma parada cardíaca, e, após ser reanimada, foi levada a um hospital infantil, aonde morreu por complicações intestinais, aos 12 anos de idade.

O longa foi nomeado a três categorias do Oscar por seus efeitos especiais e trilha sonora. Você pode conferir outras histórias trágicas sobre a “Maldição de Poltergeist” neste link.

VEJA O TRAILER DE “POLTERGEIST – O FENÔMENO”

Ano: 1982

Diretor: Tobe Hooper (co-escrito e co-produzido por Steven Spielberg)

Elenco: Craig T. Nelson, JoBeth Williams, Beatrice Straight e Heather O’Rourke

Distribuição: “Metro-Goldwyn-Mayer”

Rotten Tomatoes: 87/100

Box Office Mojo: Orçamento: estima-se US$ 10,7 milhões | Receita: US$ 76,6 milhões

#8. PSICOSE (Psycho)

Psicose

Baseado na obra de Robert Bloch de mesmo nome, que por sua vez foi inspirado nos crimes de Ed Gein, um serial killer de Wisconsin, Estados Unidos, “Psicose” traz Janet Leigh no papel da secretária Marion Crane e Anthony Perkins como Norman, o dono do “Motel Bates”. O desfecho tem início quando Marion, após ver a oportunidade de mudar sua vida da água para o vinho, foge sem rumo com US$ 40 mil dólares da imobiliária de onde trabalha. Perdida, a moça se vê segura no “Motel Bates”, um estabelecimento decadente abandonado no tempo. Foi no quarto em que estava hospedada que Alfred Hitchcock gravou a cena mais icônica dos cinemas: o esfaqueamento debaixo do chuveiro.

É considerado o clássico dos clássicos da história cinematográfica, sendo classificado como um filme “culturalmente, historicamente e esteticamente significante” para a preservação do “National Film Registry” ao lado de “Alien”, “O Exorcista”, “Halloween”, “It” e tantos outros.

Foi indicado ao Oscar nas categorias de “Melhor Atriz Coadjuvante” (Janet Leigh), “Melhor Fotografia”, “Melhor Direção de Arte” e “Melhor Direção” (Alfred Hitchcock). Você confere aqui curiosidades sobre a produção de “Psicose”.

VEJA O TRAILER DE “PSICOSE”

Ano: 1960

Diretor: Alfred Hitchcock (diretor de “Os Pássaros”)

Elenco: Anthony Perkins, Vera Miles, John Gavin e Janet Leigh

Distribuição: “Paramount Pictures” (originalmente) e “Universal Pictures” (posteriormente)

Rotten Tomatoes: 96/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 806 mil | Receita: US$ 50 milhões

#7. O SILÊNCIO DOS INOCENTES (The Silence of the Lambs)

Silencio dos Inocentes

Baseado na obra de Thomas Harris de mesmo nome, publicado em 1988, é o segundo livro a trazer o psiquiatra-canibal e desequilibrado Hannibal Lecter como queridinho dos amantes de romances policiais. Clarice Starling (Jodie Foster) é uma novata do FBI que está à procura de Buffalo Bill, serial killer à solta que tem causado o caos por onde passa. Servindo-se da ajuda do Dr. Lecter (Anthony Hopkins), a agente policial vai aos poucos formando o perfil psicológico do assassino e ligando os pontos que unem os crimes cometidos. Sempre à procura de vítimas femininas, a marca deixada pelo homicida é constantemente a mesma: casulos de mariposa introduzidos no interior dos cadáveres.

Indicado a 7 categorias do Oscar, venceu 5 delas: “Melhor Ator” (Hopkins), “Melhor Atriz” (Foster), “Melhor Direção”, “Melhor Filme” e “Melhor Roteiro Adaptado”.

VEJA O TRAILER DE “O SILÊNCIO DOS INOCENTES”

Ano: 1991

Diretor: Jonathan Demme (diretor de “Sob o Domínio do Mal”)

Elenco: Jodie Foster, Anthony Hopkins, Scott Glenn e Ted Levine

Distribuição: “Orion Pictures”

Rotten Tomatoes: 94/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 19 milhões | Receita: US$ 272,7 milhões

#6. BRINQUEDO ASSASSINO (Child’s Play)

Brinquedo Assassino

Não é de hoje que brinquedos possuem a capacidade de assustar os mais grandinhos, e isso definitivamente foi aflorado em “Brinquedo Assassino”, clássico cult dos fim dos anos 80. Charles Lee Ray, apelidado carinhosamente de Chucky, é um serial killer foragido que, após ser baleado, transfere sua alma por meio de magia negra para o corpo de um boneco da linha “Bonzinho” (Good Guy) para escapar da morte. Indo parar na casa de Andy Barclay, um garotinho que há muito sonhava com um exemplar do brinquedo, Chucky se vê preso e sem muitas opções de fuga. O que ele não sabe, porém, é que deverá transferir novamente sua alma para o corpo de quem primeiramente revelou sua verdadeira identidade, sob o risco de viver eternamente num corpo de plástico e espuma. Correndo contra o relógio, o assassino começa sua luta por uma nova vida; e Andy, pela sua sobrevivência.

VEJA O TRAILER DE “BRINQUEDO ASSASSINO”

Ano: 1988

Diretor: Tom Holland (escritor do “Psicose II”)

Elenco: Catherine Hicks, Chris Sarandon, Alex Vincent e Brad Dourif

Distribuição: “United Artists”

Rotten Tomatoes: 69/100

Box Office Mojo: Orçamento: estima-se US$ 9 milhões | Receita: US$ 44,1 milhões

#5. SEXTA-FEIRA 13 (Friday the 13th)

Sexta-Feira 13

Saga que deu início aos inúmeros longas antagonizados por Jason Voorhees, o primeiro deles foi lançado em 1980, estrelado por Adrienne King, no papel da mocinha Alice Hardy, e Betsy Palmer, como a protetora Pamela Voorhees, mãe de Jason. Jason é um garoto com problemas mentais e deformidades físicas que morre afogado no acampamento de Crystal Lake, Illinois, por descuido dos monitores do local. Sua morte, é claro, será vingada (motivo este que iniciará a matança presente nos 12 filmes da série). O que muitos não sabem, porém, é que a característica máscara de hóquei usada pelo grandalhão somente é vista a partir de “Friday the 13th Part III”.

Inspirado em “Halloween”, de John Carpenter, o longa teve um orçamento baixíssimo, avaliado em US$ 550 mil dólares. O baixo investimento, porém, não foi um obstáculo para que o filme se tornasse um dos mais memoráveis do horror mundial. Ao lado de Freddy Krueger, Jason – que foi criado por Victor Miller (roteirista), Ron Kurz, Sean S. Cunningham (o diretor do primeiro filme) e Tom Savini – se tornou num dos vilões mais temidos de todos os tempos, sendo comumente reconhecido por sua extrema frieza e virilidade. Foi um dos primeiros filmes a ter Kevin Bacon no elenco. Clique aqui para conferir curiosidades sobre as filmagens e pós-produção do longa.

VEJA O TRAILER DE “SEXTA-FEIRA 13”

Ano: 1980

Diretor: Sean S. Cunningham

Elenco: Betsy Palmer, Adrienne King, Harry Crosby, Laurie Bartram, Jeannine Taylor, Kevin Bacon, Mark Nelson, Robbi Morgan e Ari Lehman

Distribuição: “Paramount Pictures” (EUA) “Warner Bros.” (internacionalmente)

Rotten Tomatoes: 59/100

Box Office Mojo: Orçamento: estima-se US$ 550 mil | Receita: US$ 39,7 milhões

#4. ALIEN, O 8º PASSAGEIRO (Alien)

Alien

O vencedor do Oscar de “Melhores Efeitos Especiais” não está em nossa lista por um mero acaso. “Alien”, de 1979, influenciou uma centena de filmes inspirados em ficção científica combinados com terror que posteriormente conquistaram o gosto popular – e claro, somente comprovaram a magnitude de nosso longa estrelado por Sigourney Weaver. Uma tripulação de uma nave espacial recebe um sinal estranho vindo de um planeta próximo a sua localização. Aterrissando no local, logo eles perceberão que jamais deveriam ter atendido ao chamado que colocará em risco a vida de todos da espaçonave. De volta ao espaço, eles levam consigo o tão temido oitavo passageiro, um alienígena que se desenvolve usando seres humanos como hospedeiros.

Muitos críticos têm visto uma forte conotação sexual referente ao modo como o parasita se desenvolve dentro de seus hospedeiros. A “invasão bucal” que o “facehugger” (2ª fase vital do alienígena) acomete em suas vítimas foi comparada a um “estupro oral”, sendo direcionado tanto a homens como a mulheres desavisados.

“Alien” gerou 4 filmes principais estrelados por Weaver: “Alien” (1979), “Aliens” (1986), “Alien 3” (1992) e “Alien Resurrection” (1997); dois crossovers (“Alien vs. Predator”, de 2004 e “Aliens vs. Predator: Requiem”, de 2007); e um spin-off (“Prometheus”, de 2012), sendo que os mais bem aceitos pela crítica foram os dois primeiros.

VEJA O TRAILER DE “ALIEN, O 8º PASSAGEIRO”

Ano: 1979

Diretor: Ridley Scott (diretor de “Robin Hood”, de 2010)

Elenco: Tom Skerritt, Sigourney Weaver, Veronica Cartwright, Harry Dean Stanton, John Hurt, Ian Holm e Yaphet Kotto

Distribuição: “20th Century Fox”

Rotten Tomatoes: 97/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 11 milhões | Receita: US$ 104,9 milhões

#3. A HORA DO PESADELO (A Nightmare on Elm Street)

Hora do Pesadelo

A mente humana, definitivamente, ao mesmo momento que é capaz de libertar, também pode prender e causar inseguranças a qualquer pessoa com sua sanidade controlada. Essa é uma das questões que “A Hora do Pesadelo” aborda em todos os seus sete filmes, o que consequentemente fez dela uma das séries mais autênticas já elaboradas para os cinemas. Pior que um vilão de carne e osso, definitivamente, é um vilão fantasioso que ataca suas vítimas em outro espaço e tempo. Este é Freddy Krueger, o “Mestre dos Sonhos”, que pratica suas atrocidades no fabuloso mundo dos sonhos. O esquema é simples: você cai no sono e, enquanto está dormindo e sonhando com o Sr. Krueger, dificilmente terá a oportunidade de acordar novamente no mundo em que vivemos.

Usando uma luva com navalhas nos dedos, um surrado suéter listrado de vermelho e verde e um simpático chapéu marrom, o corpo todo queimado de Freddy dificilmente sairá de sua mente. Serial killer nato, o desfigurado homem foi queimado ainda vivo pela população da fictícia Springwood, Ohio, após assassinar diversas crianças da cidade. Sobrevivendo no subconsciente de pessoas que, de alguma forma, possuem contato com o cara, ele tenta a todo custo voltar para o nosso mundo para reviver seu império de horror. Interpretado pelo brilhante Robert Englund, Heather Langenkamp foi quem deu vida a Nancy, a jovem garota que terá de enfrentar o homicida. Freddy Krueger é uma criação do diretor Wes Craven, o mesmo de “Pânico”. Venha você também morar na Rua Elm!

VEJA O TRAILER DE “A HORA DO PESADELO”

Ano: 1984

Diretor: Wes Craven

Elenco: Heather Langenkamp, Robert Englund, Johnny Depp, John Saxon, Nick Corri, Amanda Wyss e Ronee Blakley

Distribuição: “New Line Cinema”

Rotten Tomatoes: 96/100

Box Office Mojo: Orçamento: estima-se US$ 1,8 milhão | Receita: US$ 25,5 milhões

#2. O ILUMINADO (The Shining)

Iluminado

Baseado na obra de Stephen King de mesmo nome, é um dos livros mais populares do escritor, juntamente com “Carrie, A Estranha”, “O Cemitério” e mais recentemente a saga “A Torre Negra”. Jack Torrance é um pai de família que recebe a proposta de trabalhar como zelador de um gigantesco hotel que é desativado esporadicamente por conta do intenso inverno que acomete a região. Levando consigo sua esposa e filho, Jack aproveita a solidão do lugar pra escrever seu próximo livro. Porém, é a mesma solidão que confrontará toda a família e fará de Torrance a próxima vítima da síndrome da cabana. Uma vez isolado com Danny e Wendy longe da grande civilização, este se rebelará e mostrará um instinto caçador jamais visto antes. Isso sem contar, obviamente, com a ajuda de fantasmas e outros mistérios que vão se revelando com o desenrolar do enredo.

Assuntos polêmicos como predestinação, reencarnação e iluminação para se prever o futuro também estão inseridos no contexto do filme. Com cenas marcantes, as irmãs Grady (interpretadas pelas irmãs Lisa e Louise Burns) obtiveram êxito e assinalaram a história cinematográfica em uma das imagens mais perturbadoras já gravadas. Protagonizado por Jack Nicholson e Shelley Duvall, Stephen King é uma das pessoas que não curtiu a versão para as telonas de sua obra, como já dito anteriormente em entrevistas. Algumas curiosidades podem ser lidas neste link.

VEJA O TRAILER DE “O ILUMINADO”

Ano: 1980

Diretor: Stanley Kubrick

Elenco: Jack Nicholson, Shelley Duvall, Danny Lloyd e Scatman Crothers

Distribuição: “Warner Bros.”

Rotten Tomatoes: 92/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 19 milhões | Receita: US$ 44,3 milhões

#1. O EXORCISTA (The Exorcist)

Exorcista

Baseado na obra de William Peter Blatty de mesmo nome, que por sua vez teve inspiração num exorcismo real de um garoto de 14 anos documentado na década de 40, é ululante o “Exoscista” estar em #1 nesta lista de clássicos do terror. Lançado em 1973, ouso dizer que de lá pra cá nenhum filme do gênero conseguiu superar ou atingir o patamar em que este se encontra. Estrelado pela magnífica Linda Blair, que na época do lançamento contava com apenas 14 anos, chegou a receber 10 indicações ao Oscar, vencendo em 2 categorias: “Melhor Roteiro Adaptado” e “Melhor Mixagem de Som”.

Regan, uma menina de 12 anos, demonstra o início de sintomas de uma doença até então desconhecida que deixa sua mãe desesperada. Tendo convulsões e até mesmo manifestando poderes sobrenaturais, é submetida a diversos tratamentos médicos, nenhum apontando qualquer irregularidade em seu estado de saúde. Com o esgotamento dos recursos da Medicina, é sugerido a Chris MacNeil (Ellen Burstyn) que procure um exorcista e tente curar sua filha por meio de um ritual religioso. Possuída pelo demônio Pazuzu, Regan fará da vida de sua mãe e dos padres Merrin e Damien Karras um verdadeiro inferno na Terra, com direito a vômito verde, masturbação com crucifixos e efeitos especiais capazes de fazer qualquer um urinar nas calças.

Seguindo a linha de “Poltergeist” e “A Profecia”, “Exorcista” também possui algumas peculiaridades mortais, que podem ser vistas por meio das 13 maldições do filme.

VEJA O TRAILER DE “O EXORCISTA”

Ano: 1973

Diretor: William Friedkin

Elenco: Linda Blair, Ellen Burstyn, Max von Sydow, Lee J. Cobb, Kitty Winn, Jack MacGowran, Jason Miller e Mercedes McCambridge

Distribuição: “Warner Bros.”

Rotten Tomatoes: 88/100

Box Office Mojo: Orçamento: estima-se US$ 12 milhões | Receita: US$ 441,3 milhões

BÔNUS

O SEXTO SENTIDO (The Sixth Sense)

Sexto Sentido

“Eu vejo gente morta”. Com esta frase, Haley Joel Osment adquiriu reconhecimento mundial e Bruce Willis consolidou ainda mais sua brilhante carreira no cinema. A história do menino perturbado que via espíritos e é ajudado por um psicólogo que está passando por problemas em seu casamento foi indicada nada menos que seis vezes ao Oscar por “Melhor Ator Coadjuvante” (Osment), “Melhor Atriz Coadjuvante” (Toni Collette), “Melhor Direção”, “Melhor Edição”, “Melhor Filme” e “Melhor Roteiro Original”.

VEJA O TRAILER DE “O SEXTO SENTIDO”

Ano: 1999

Diretor: M. Night Shyamalan

Elenco: Bruce Willis, Haley Joel Osment e Toni Collette

Distribuição: “Buena Vista Pictures”

Rotten Tomatoes: 85/100

Box Office Mojo: Orçamento: US$ 40 milhões | Receita: US$ 672,8 milhões

13 grandes filmes de comédia que marcaram a infância

Intro

Uma semana se passou e, assim que terminei minha última publicação sobre o filme “Meninas Malvadas”, achei que seria legal dar continuidade às 10 músicas mais atemporais já lançadas, mas agora com foco no cinema. Pensando nisso, puxei um pouco a memória e tentei me relembrar de alguns longa-metragens que marcaram minha infância. Alguns títulos surgiram de imediato enquanto outros necessitaram de uma breve pesquisa no Google, mas todos foram detalhadamente selecionados.

Assim (e sem dar muitos rodeios pra não tornar essa postagem mais extensa do que eu pretendia), cheguei aos 13 filmes que mais marcaram a minha infância:

#13. O MÁSKARA (The Mask)

Confesso que sempre vivi uma relação de amor e ódio com “O Máskara”! Desde criança, sempre o achei um dos personagens mais “sem noção” criados para os quadrinhos – e posteriormente desenhos animados. Tudo bem, a história do bancário fracassado (Stanley Ipkiss) que encontra uma máscara misteriosa que atribui poderes mágicos a quem a usa é incrível, mas, o alter-ego em si era arrogante em demasiado – ora atuando como mocinho, ora atuando como vilão. Tanto que “Big Head” – como é chamada a pessoa que está sob o domínio da máscara – chegou a assassinar algumas pessoas nas HQs, mostrando um lado mais sombrio do personagem. Nos cinemas, ao contrário, tentou-se levar aos telespectadores uma versão mais limpa do sujeito da cara verde, ainda fanfarrão e vingativo, porém divertido. Estrelado pelo grande Jim Carrey, o longa de 1994 foi gravado pela “Dark Horse Entertainment” e distribuído pela “New Line Cinema”, contando ainda com direção de Chuck Russell (“A Hora do Pesadelo – Os Guerreiros dos Sonhos”) e com a estréia de Cameron Diaz nas telonas. Sua receita ultrapassa os US$ 350 milhões.  “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 77% de aprovação (Alguém me segure!). | VEJA O TRAILER.

#12. CONVENÇÃO DAS BRUXAS (The Witches)

Vocês perceberão, no decorrer deste especial, que os filmes com bruxas estiveram muito presentes na minha infância. E, para abrir esta temática, trago a vocês “Convenção das Bruxas”. O filme, inspirado no livro de mesmo nome do escritor Roald Dahl, foi dirigido por Nicolas Roeg (“O Homem que Caiu na Terra”). Narra a história de Luke, um menino que está hospedado com sua avó num sofisticado hotel. Lá, ele percebe que uma convenção de bruxas está sendo organizada por Eva Ernst com o objetivo de transformar todas as crianças do mundo em ratos. Estrelado por Jasen Fisher, o longa conta com a participação da grandiosa Anjelica Huston no papel da antagonista. Foi nomeado em diversas categorias do “Academy of Science Fiction, Fantasy & Horror Films”, “BAFTA Awards” entre outros, faturando mais de US$ 10 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 100% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#11. QUERIDA, ENCOLHI AS CRIANÇAS (Honey, I Shrunk the Kids)

Toda a confusão começa quando o cientista Wayne Szalinski cria uma máquina capaz de mudar o tamanho das coisas e, acidentalmente, encolhe os seus filhos e os do vizinho. Perdidos no jardim de casa, tudo o que seria absolutamente comum antes passa a ser uma luta pela sobrevivência. Insetos gigantes, de tempo em tempo, aparecem para tirar o sossego dos meninos que tentam, a todo custo, chamar a atenção dos pais para reverter a situação. Gotas de água e folhas de capim se tornam uma selva de tamanho inimaginável. Com um elenco não muito popular, o longa é estrelado por Rick Moranis (Wayne Szalinski), Marcia Strassman (Diane Szalinski), entre outros. Dirigido por Joe Johnston (“Capitão América: O Primeiro Vingador”), o filme foi produzido pela “Walt Disney Pictures” e fez grande sucesso, tendo uma receita de mais de US$ 222 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme  75% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#10. E.T. – O EXTRATERRESTRE (E.T. The Extra-Terrestrial)

Este é, sem sombra de dúvidas, um dos maiores filmes de todos os tempos, dispensando muitos comentários de minha parte (o que falar da clássica cena da bicicleta voando?)! De Steven Spielberg, um dos diretores mais conceituados que já existiu (se não o mais), o longa de 1982 é, incluindo dias atuais, uma das obras mais contemporâneas já elaboradas pelo grande mestre. O ator Henry Thomas foi o grande destaque do filme, dando vida ao menino Elliott, o amigo do ET, enquanto Drew Barrymore se estabeleceu como uma das atrizes-mirins mais conhecidas de Hollywood no papel da doce Gertie, solidificando posteriormente uma carreira de sucesso. Distribuído pela “Universal Pictures”, venceu diversas categorias no “Oscar”, “Globo de Ouro” e “Grammy”, arrecadando mais de US$ 790 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 98% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#9. DENNIS, O PIMENTINHA (Dennis The Menace)

Baseado na tirinha de jornal criada por Hank Ketcham (publicada pela primeira vez em 1950), as histórias do menino travesso geraram, posteriormente, não só um longa-metragem produzido pela “Warner Bros. Family Entertainment”, mas também uma série de televisão, desenho animado, jogos eletrônicos e outras sequências para os cinemas. Nick Castle (conhecido por ter dado vida a Michael Myers em “Haloween”, de 1978) ficou com a direção, enquanto que o enredo ficou por conta de John Hughes (que também escreveu “Beethoven, O Magnífico”). Dennis Mitchell, o garoto, foi interpretado por Mason Gamble e o Senhor Wilson, por sua vez, foi representado por Walter Matthau. No papel do ladrão Switchblade Sam, Christopher Lloyd conseguiu trazer às crianças da época um dos vilões mais temidos e cruéis – o que de fato, talvez, tenha sido um pouco demais para um filme infantil. Apesar da crítica especializada não ter gostado muito do longa de 1993, “Dennis, O Pimentinha” teve uma receita de mais de US$ 117 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 23% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#8. ESQUECERAM DE MIM (Home Alone)

“Esqueceram de Mim” é, provavelmente, um dos poucos filmes que possuem uma sequência tão boa quanto a original. Kevin McCalister, um jovem garoto de apenas 8 anos, é deixado para trás em casa enquanto a família faz uma viagem de fim de ano para a França. Sozinho, o menino vê uma oportunidade para brincar de gente grande e chega a fazer compras, cozinhar, lavar roupa e claro, se livrar de dois ladrões que estão tentando assaltar a residência na qual Kevin mora. Dirigido por Chris Columbus (“Harry Potter e a Pedra Filosofal”, “Harry Potter e a Câmara Secreta”) e também escrito por John Hughes, o longa foi distribuído pela “20th Century Fox”, em 1990. Macaulay Culkin ganhou massivo reconhecimento após estrelar o trabalho na pele do menino McCalister. Os “Bandidos Molhados” foram interpretados por Joe Pesci e Daniel Stern. – a propósito, vale a pena conferir esse post: e se os “Bandidos Molhados” não fossem imortais?. “Home Alone” arrecadou mais de US$ 470 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 54% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#7. OS FANTASMAS SE DIVERTEM (Beetlejuice)

“Besouro Suco, Besouro Suco, Besouro Suco”! Diz a lenda que, se você repetir 3 vezes o nome desta assombração, ela imediatamente aparecerá aonde você estiver (Maria Sangrenta, é você?). Tudo tem início quando Adam Maitland (Alec Baldwin) e Barbara Maitland (Geena Davis) morrem num acidente de carro e, ao retornar para sua casa, descobrem que viraram fantasmas – e detalhe, outra família está morando no local. Para reaver o que lhe é de direito, o casal resolve recorrer à experiência de Beetlejuice, especialista em “exorcizar vivos”. Vencedor do “Oscar”, o longa foi dirigido por Tim Burton (“Edward Mãos-de-Tesoura”, “Alice no País das Maravilhas”, “A Fantástica Fábrica de Chocolate”) e conta ainda com a presença de Michael Keaton, como Besouro Suco, Winona Ryder, como Lydia Deetz e Catherine O’Hara como Delia Deetz, no elenco. Lançado em 1988, foi distribuído pela “Warner Bros.” e rendeu posteriormente uma série animada, tendo o próprio Burton como diretor-executivo. O longa obteve um faturamento de US$ 73 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 81% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#6. GASPARZINHO, O FANTASMINHA CAMARADA (Casper)

Inspirado no personagem dos desenhos animados da “Famous Studios” e HQs da “Harvey Comics”, o filme nos relata a história do Dr. James Harvey, um terapeuta de fantasmas que é contratado por uma ricaça que está à procura de um tesouro escondido numa mansão mal-assombrada. Levando sua filha Kathleen “Kat” Harvey consigo, lá eles conhecem Gasparzinho, um bom fantasma que só quer fazer amigos. Mas, eles precisarão lidar ainda com a presença inoportuna de Espicha, Gordo e Catinga (Stretch, Fatso e Stinkie, no original norte-americano), tios do jovem fantasma mais conhecidos como “Trio Assombro”. Trazendo aos telespectadores grandes lições de vida, “Casper” toca em assuntos importantes, como a vida após a morte, o amor e aceitação. Distribuído pela “Universal Pictures”, em 1995, o longa contou com Christina Ricci e Bill Pullman no elenco, direção de Brad Silberling (“Cidade Dos Anjos”) e arrecadou mais de US$ 287 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 44% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#5. JUMANJI (Jumanji)

Toda criança que já assistiu “Jumanji” com certeza teve vontade de colocar as mãos no jogo de tabuleiro mais inusitado de todos. Baseado no livro infantil de mesmo nome escrito e ilustrado pelo estadunidense Chris Van Allsburg, o filme de 1995 se desenrola quando o menino Alan Parrish descobre um jogo de tabuleiro e começa a jogar com a amiga Sarah Whittle. Porém, logo nas primeiras rodadas, eles percebem que não se trata de um simples jogo. Assim que os dados são lançados, animais reais e outros elementos selvagens aparecem magicamente e destroem tudo por onde passam. A única solução para por fim ao caos criado é terminando a partida – claro, antes que ela termine com os jogadores. Foi gravado nos estúdios da “Interscope Communications” e “Teitler Film”, tendo sido distribuído pela “TriStar Pictures”. Estrelado por Robin Williams, Bonnie Hunt e Kirsten Dunst, foi dirigido por Joe Johnston (“Jurassic Park 3”) e lucrou ao redor do mundo mais de US$ 262 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 50% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#4. OS GOONIES (The Goonies)

Este é outro clássico dos cinemas! Pra se ter uma idéia, o longa é tão foda que foi dirigido por Richard Donner (“A Profecia”, “Máquina Mortífera”), teve produção executiva de Steven Spielberg e roteiro de Chris Columbus. Após encontrar um antigo mapa revirando coisas velhas no sótão de sua casa, Mikey e seus amigos vão à busca do tesouro deixado pelo pirata Willy Caolho. Adentrando cavernas e escapando de perigosas armadilhas, os jovens precisarão ainda se desvencilhar das investidas da família Fratelli, uma gangue italiana de foras da lei. O filme foi tão aclamado que até mesmo a cantora Cyndi Lauper participou da trilha-sonora, apresentando a música-tema “The Goonies ‘R’ Good Enough”. Foi gravado nos estúdios da “Amblin Entertainment” e distribuído pela “Warner Bros.”. No elenco, destacamos Sean Astin (Mikey), Josh Brolin (Brand Walsh), Jeff Cohen (Gordo), Corey Feldman (Bocão), Kerri Green (Andy Carmichael), Martha Plimpton (Stef Steinbrenner), Ke Huy Quan (Dado) e John Matuszak (Sloth). Obteve uma receita de mais de US$ 61 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 67% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#3. ABRACADABRA (Hocus Pocus)

Tudo tem início quando o adolescente Max, recém-chegado à cidade de Salém, Massachusetts, juntamente com sua irmã Dani e uma moradora da cidade, Alisson, resolvem invadir a casa abandonada das irmãs Sanderson, exatamente no “Dia das Bruxas”. Sacrificadas há 300 anos pela prática de bruxaria, elas retornam do mundo dos mortos e tentam, a todo custo, sugar a força vital de todas as crianças da cidade. Mas, para que isso possa acontecer, elas têm até o nascer do sol, sob o risco de voltarem de onde vieram. Para fugir das feiticeiras, os jovens receberão a ajuda de Binx, um garoto que perdeu sua irmã para o trio de bruxas e foi amaldiçoado a ficar eternamente preso no corpo de um gato preto. Gravado dentro dos estúdios da “Walt Disney Pictures” e distribuído sob o selo da “Buena Vista Pictures”, o longa conta com nomes de peso no elenco, tais como Bette Midler interpretando Winifred “Winnie” Sanderson, Kathy Najimy (Mary Sanderson), Sarah Jessica Parker (Sarah Sanderson) e Thora Birch (Dani Dennison). Dirigido por Kenny Ortega (“Hannah Montana & Miley Cyrus: Best Of Both Worlds Concert”), teve um faturamento de mais de US$ 39 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 33% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#2. MATILDA (Matilda)

Baseado no livro de mesmo nome do escritor britânico Roald Dahl (o mesmo de “Convenção das Bruxas”), lançado em 1988, Matilda conta a história da garota superdotada e detentora de fome de conhecimento. Crescendo numa família desajeitada que rejeita qualquer talento vindo da menina, Matilda se vê num inferno particular e desprotegida do mundo cruel. É quando, com o passar do tempo, percebe que possui poderes de telecinésia e vai, aos poucos, aprimorando seus dons. Enviada para uma escola aonde a diretora mais parece uma personificação de Lúcifer a uma mera docente, com a ajuda da professora Srtª Jennifer Honey, ela precisa desde cedo enfrentar seus problemas com coragem e ousadia. Trazendo assuntos polêmicos, é um filme que nos faz refletir sobre nossos próprios atos e as conseqüências que podem ser geradas deles. “Matilda”, estrelado por Mara Wilson – que realizou um excepcional trabalho – conta com participação de Danny DeVito (o pai Harry Wormwood), Embeth Davidtz (a professora Jennifer Honey) e Pam Ferris (a diretora Agatha Trunchbull). O longa de 1996 foi dirigido pelo próprio Danny DeVito, tendo sido distribuído também pela “TriStar Pictures”. Com um faturamento aquém do esperado – lucrou US$ 33 milhões e teve um orçamento de US$ 36 milhões, se estabeleceu como um dos filmes mais aclamados da época, vencendo (“YoungStar Award”, “Cinekid Lion Audience Award”, “Oulu International Children’s Film Festival Starboy Award”) e tendo sido nomeado (“Satellite Awards”) em diversas categorias de prêmios importantes do cinema. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 90% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

#1. ELVIRA, A RAINHA DAS TREVAS (Elvira, Mistress of the Dark)

Meu filme de comédia favorito de todos os tempos definitivamente merece ser citado nesse especial. “Elvira, A Rainha das Trevas” traz a história de Elvira, uma ousada apresentadora de um programa barato que transmite filmes de terror. Seu maior sonho é ir para Las Vegas e ganhar muito dinheiro apresentando seu próprio especial, deixando para trás a vida parada que leva até então. Porém, seus planos dão uma guinada quando ela recebe a comunicação de que sua tia-avó, Morgana Talbot, faleceu e deixou bens para a sobrinha. Indo para a pacata cidade de Fallwell, Massachusetts, onde sua tia vivia, ela é informada que herdou uma velha mansão caindo aos pedaços, um cachorro poodle invocado e um livro de receitas no mínimo estranho. Lá, Elvira precisará enfrentar dois grandes problemas que a impedem de ir para Vegas: seu mal-encarado tio-avô Vincent (que nada herdou da irmã) e a população conservadora da cidade que implica com o estilo de vida escolhido pela atraente mulher.

Criada por Cassandra Peterson, Elvira se tornou um dos personagens mais populares da década de 90, fazendo vários trabalhos fora do cinema, tais como álbuns de coletâneas com músicas inspiradas no rock, jazz e afins, entre aparições em diversos programas de TV. Tudo começou quando, após ganhar fama em Los Angeles por seu estilo único e fora do comum, Peterson começou a trabalhar como anfitriã do canal de TV “KHJ”, apresentando o “Movie Macabre”, uma apresentação semanal sobre filme de terror. Dirigido por James Signorelli (conhecido por seu trabalho no “Saturday Night Live”), “Elvira, A Rainha das Trevas”, de 1988, rendeu indicações ao “Fantasport” e “Saturn Awards”.

Muitos podem não entender o porquê de Elvira estar em #1 na frente de muitos filmes bem mais conhecidos, mas, a desenvoltura que Cassandra traz é surpreendente. Em anos, ou melhor, décadas, jamais um personagem marcou tanto pelo seu bom senso de humor e honestidade. Como diria a própria Elvira: “Se perguntarem de mim, digam que fui muito mais que um belo par de seios, pois eu também tive um belo par de pernas. E digam que eu nunca deixaria um amigo na mão. Na verdade eu nunca deixei nenhum estranho na mão. E digam, digam a eles depois de tudo estar acabado que eu só peço que as pessoas se lembrem de mim por duas palavras simples: quaisquer, contanto que sejam simples”.

Curiosidade: muitos não sabem, mas uma sequência foi gravada em 2001 sob o título de “As Loucas Aventuras de Elvira” (“Elvira’s Haunted Hills”). O longa teve uma baixíssima receita de mais de US$ 5 milhões. “Rotten Tomatoes” atribuiu ao filme 47% de aprovação. | VEJA O TRAILER.

Gosta da Elvira? Não perca essa oportunidade! Cassandra Peterson já confirmou presença na “Brasil Comic Com” deste ano, que acontecerá nos dias 15 e 16 de novembro. Saiba mais.