Hora de se atualizar! Saiba quais foram os melhores lançamentos musicais do último bimestre (pt 2)

Acharam que tinha acabado? Nada disso, senhoritas e senhoritos. A nossa lista com os melhores lançamentos do último bimestre não estaria completa se não nos lembrássemos também dos seis trabalhos a seguir relacionados e pautados cuidadosamente (saiba quais foram os outros sete acessando a nossa primeira parte). Sem maiores rodeios, chegou o momento de conhecermos alguns novos artistas e matar a saudade de outros que estiveram há um bom tempo sem nos beneficiar com algo novo e empolgante. E para começar, gostaria de lhes dizer que…


…Lana Del Rey continua vintage e misteriosa no clipe de “Music to Watch Boys To”, o segundo single do disco “Honeymoon”:

Depois de mostrar para o pessoal quem é que manda no pedaço com toda sua beleza fatal em “High By the Beach” (relembre), chegou o momento de Lana Del Rey colocar o disco na vitrola e nos ensinar algumas lições preliminares de como “observar os garotos”. “Music to Watch Boys To”, o segundo single do álbum “Honeymoon”, chegou assim, sem mais nem menos, já conquistando o ouvinte desde a sua primeira “ouvida”. Intercalando cenas em preto e branco com outras coloridas que dão enfoque ora à cantora, ora à moças nadando e ora a caras jogando basquete, Del Rey exibe seus atributos físicos durante todo o vídeo de forma bem atraente sem perder um pingo de classe ou respeito (pra que recorrer à nudez quando não se precisa?). Utilizando-se do já conhecido baroque pop originário dos anos 60 que pudemos conferir em singles como “Video Games”, “Music to Watch Boys To” foi anunciada pela primeira vez em janeiro deste ano e chegou a ser cogitada para ser o carro-chefe do “Honeymoon”. É Lana, ainda estamos na dúvida se deveríamos observar os garotos ou só você, garota!

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “MUSIC TO WATCH BOYS TO”, A NOVA MÚSICA DA LANA DEL REY.


Parceria de Janet Jackson com Missy Elliott te levará de volta ao tempo em uma viagem para a house music dos anos 90! Ouça “BURNITUP!”:

Semana que vem Janet Jackson completa quatro meses desde que resolveu oficializar o seu retorno à carreira musical e nos surpreendeu com a gostosíssima “No Sleeep”, a qual, no final, ganhou uma versão em dueto com J. Cole quando do lançamento do videoclipe (relembre o quanto ficamos empolgados naquela época). Agora com seu 11º álbum de inéditas já disponível nas lojas desde o dia 02/10, Jackson sabe que precisa pegar pesado na divulgação do trabalho e carregou em seu canal de vídeos do YouTube o featuring que fez com a consagrada rapper Missy Elliott. E eu devo dizer a vocês: “BURNIPUP!” não decepciona! Se a cantora souber lançá-la como single assim que tiver a melhor oportunidade, a uptempo com alguns elementos da house music poderá ser a responsável não apenas por destacar ainda mais o retorno e permanência da irmã de Michael Jackson nas paradas de sucesso, mas também da própria Elliott, que é outra veterana da black music. O álbum “Unbreakable”, que estreou em #1 na “Billboard 200” com vendas de 116 mil unidades somente na primeira semana, é o 7º material de Janet a atingir o topo dos charts norte-americanos e colocou a diva para junto de Barbra Streisand e Bruce Springsteen como os únicos cantores a conquistarem o #1 em cada uma das últimas quatro décadas.

ASSISTA AO LYRIC VIDEO DE “BURNITUP!”, A NOVA MÚSICA DA JANET JACKSON COM A MISSY ELLIOTT.


Halsey luta contra a opressão estatal no vídeo de “New Americana”, o segundo single do “Badlands”, seu álbum de estreia:

Parece que 2015 foi um grande ano para os novatos colocarem a boca no trombone e se destacarem depois de discorrer sobre alguns assuntos tidos como tabus pela sociedade tradicional heteronormativa. Um deles sem sombra de dúvidas foi a norte-americana Halsey, que, acompanhada da sua “New Americana”, abordou um pouquinho as diferenças sociais e culturais na composição e clipe da música. Lançada como o segundo single do “Badlands” (acessível para compra desde 28/08), o clipe dirigido por Jonathan Desbiens nos faz lembrar um pouquinho de toda aquela coragem que Madonna e Rihanna tiveram ao criticar a opressão do Estado em trabalhos como “American Life” e “American Oxygen” (respectivamente). Halsey (nascida Ashley Nicolette Frangipane), que é a líder de um grupo de rebeldes no vídeo, é capturada pelas tropas do Exército e levada até uma fogueira para ser queimada viva por “atentar contra a ordem social”. Cabe então aos seus parceiros de guerra, enquadrados no clipe como as minorias sociais da nossa realidade, decidirem se vão salvá-la do sistema de censura estatal ou libertá-la de uma vez por todas. “New Americana” traz um pop alternativo pendendo para o indie e foi composta pela sua intérprete ao lado de James Mtume, Kalkutta e Larzz Principato.

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “NEW AMERICANA”, A NOVA MÚSICA DA HALSEY.


“Fools” segue “Wild” e esquenta mais as coisas no projeto “Blue Neighbourhood”, a brilhante trilogia de clipes do Troye Sivan:

Em “Wild” pudemos ter uma pequena noção de como a pura amizade entre dois garotos pode se desenvolver em “algo a mais” após um período de descobertas conjuntas (assista). Contudo, nem todos os contos de fadas têm um final feliz e “Fools” chegou no dia 25/09 para quebrar alguns corações despreparados. Se você tem acompanhado a trilogia de clipes do Troye Sivan já poderia esperar pelo pior, mas, pelo menos, a segunda parte do “Blue Neighbourhood” chegou para acender algumas chamas ainda apagadas na primeira parte. Trocando muitas carícias e beijos apaixonados, Sivan sofre as consequências do preconceito do pai de seu melhor amigo (e namorado) e dessa forma precisa lidar com o término de seu relacionamento enquanto é substituído por uma garota. Vendo o amor de sua vida se afastando e rendendo à pressão da sociedade ao “tentar ser alguém normal”, “Fools” nos traz ainda uma pequena prévia do que acontecerá na parte final do projeto, o qual será encerrado com uma canção inédita (“Talk Me Down”) no dia 20 de outubro. O álbum de estreia do cantor, “Blue Neighbourhood”, será lançado oficialmente no dia 4 de dezembro.

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “FOOLS”, A NOVA MÚSICA DO TROYE SIVAN.


Adam Lambert e a sua noite nada solitária dão vida ao vídeo de “Another Lonely Night”, a atual música de trabalho do “The Original High”:

Depois de liberar três álbuns de estúdio e suar para ganhar o mínimo de atenção do público, o finalista da oitava edição do “American Idol” parece estar finalmente recebendo os méritos após o extraordinário trabalho que tem feito desde 2009 com o seu disco de estreia, o “For Your Entertainment”. Lançando o single “Ghost Town” como o primeiro do “The Original High” e conquistando a aprovação dos críticos e ouvintes da música pop, “Another Lonely Night” segue na promoção e divulgação do terceiro material do cantor trazendo um clipe lindo que conta com a participação especial de ninguém menos que Gigi Gorgeous, conhecida personalidade da internet. Ilustrando a “noite solitária” de três pessoas bem diferentes entre si, acompanhamos pelo vídeo a rotina noturna de um carismático stripper, uma talentosa dançarina e uma carente casamenteira que repartem o foco das câmeras com Adam fazendo shows noite afora. Dividindo seu tempo entre a carreira solo e como vocalista convidado do Queen, Lambert está desde o ano passado em turnê com a banda cantando ao redor do mundo os maiores sucessos imortalizados na voz do grande Freddie Mercury.

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “ANOTHER LONELY NIGHT”, A NOVA MÚSICA DO ADAM LAMBERT.


JoJo está poderosíssima no clipe da dançante “When Love Hurts”, faixa que promove o EP “III (Tringle)”.

Encerrando os melhores lançamentos musicais ocorridos no último bimestre, é com a JoJo de “Too Little Too Late” que fechamos esta publicação mais do que especial. Após passar anos em uma batalha judicial travada contra a sua antiga gravadora, finalmente a norte-americana conseguiu se livrar da enrolação de não poder lançar um novo material e chegou chegando com o EP “III” (leia-se “Tringle”), um lançamento de três singles simultâneos. Aliada as inéditas “Save My Soul” e “Say Love”, “When Love Hurts” foi a escolhida para ganhar um videoclipe oficial que conta com a cantora em sua melhor fase. Agora uma mulher crescida, a ex-loira (que já foi morena e agora voltou a ser loira) não tem medo de demonstrar que ainda possui aquele vozeirão que a fez famosa antes dos 18 anos e que sabe como usá-lo não apenas no pop e R&B, mas também na música eletrônica. Composta por Ammar Malik, Benny Blanco, Daniel Omelio, Jason Evigan e Ryn Weaver, o single foi produzido por meio da combinação de piano com o uso de sintetizadores e deverá muito provavelmente integrar o terceiro álbum de JoJo. Alguém mais notou o tamanho da felicidade que a moça demonstrou durante 101% do clipe (pacto renovado com sucesso, hahahha!)?

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “WHEN LOVE HURTS”, A NOVA MÚSICA DA JOJO.


E você? Ficou sabendo de outro lançamento não mencionado por aqui mas que te chamou bastante a atenção? Conta pra gente nos comentários. 😉

Anúncios

Janet Jackson quer salvar a indústria musical com sua nova música! Já ouviu “No Sleeep”?

Olá, meus caros, tudo bem com vocês? O assunto de hoje, assim como o dos dois últimos posts, surgiu inesperadamente bem na minha frente, berrando por atenção. Mesmo que não conheça absolutamente nada sobre essa cantora tão popular dos anos 80, 90 e 00, resolvi fazer umas pesquisas aqui e ali para falar um pouco sobre o novo single da Janet Jackson, “No Sleeep”.

Apesar de já ter recebido diversas indicações de artistas por alguns amigos que possuem um gosto musical parecido com o meu, devo lhes confessar que nunca dei muito ouvidos para a Janet Jackson, alguém que sempre recebi com certa desconfiança (assim como tantos outros cantores que hoje venero mais que tudo, #beijosXtina). Eu  não sei ao certo o porquê disso, mas, acho que, assim como na vida real, às vezes você vai com a cara de alguns e não vai com a de outros. Uma certa vez, até cheguei a baixar uma coletânea de singles da Janet (que já nem lembro mais o nome), e depois de ouvir umas 3 músicas aleatórias, levei a pasta até a lixeira.

Muito tempo depois, estou eu mais uma vez matando o tempo pela internet quando me deparo com a notícia de que um novo álbum da irmã mais nova de Michael Jackson seria lançado em breve. Confesso que, mesmo não tendo o menor interesse nela ou em suas músicas, aquilo me despertou a atenção de uma maneira completamente misteriosa. O tempo passou, o novo single foi lançado (no dia 22/06) e mais uma vez resolvi deixar aquela informação de lado. Bom, a curiosidade falou mais alto e depois de 2 dias corri atrás de “No Sleeep”, o carro-chefe do novo álbum de Jackson, só pra ver a “cara da música”.

Sim, meus queridos, eu me arrependo amargamente de não ter dado a devida atenção para a Janet quando ouvi aquela coletânea pela primeira vez. “No Sleeep”, diferente de praticamente todos os lançamentos musicais do ano, é o clássico que ou nasce para ser um hit destruidor ou acaba por ser rejeitado pela massa popular. Com uma vibe deliciosa que nos remete ao tão gostoso R&B dos anos 90, Miss Jackson sussurra lentamente em nossos ouvidos os versos que compõem a faixa de 3min26s.

Já iniciando com um barulhinho de chuva maravilhoso, o instrumental dela me lembrou, um pouco, a batida de “The Roof”, lançada por Mariah lá em 1997 dentro do álbum “Butterfly”. Assim como o single de Carey, a música de Janet se desenrola sem prometer vocais  muito arriscados – o que eu achei uma ótima escolha, pois não combinaria nadinha com o foco da produção.

Lutando bravamente contra o mainstream e não se utilizando de qualquer elemento que tem dominado 10 de cada 10 músicas lançadas desde o começo do ano, o single surge entre nós, meros mortais, como se uma fissura se abrisse no espaço nos presenteando com o que de melhor rolou nas paradas de sucesso de 20 anos atrás, quando muitos de nós mal sabiam andar ou falar – tive vertigens aqui, gente.

Com um instrumental envolvente, completamente sensual e cheio de energia, “No Sleeep” é mais do que “a nova música da Janet Jackson”: é a prova de que nem tudo está tão perdido assim. Todos os artistas de que gosto, de alguma maneira ou outra, acabaram por levar até suas obras um pouco de tudo o que tem tocado nas rádios de hoje em dia (para meu descontentamento). Até porque, se não o fizessem, provavelmente não venderiam nenhuma cópia de seus álbuns (assim como a gente precisa ganhar o nosso pão de cada dia, eles também precisam, obviamente). Entretanto, eu fiquei surpreendidamente feliz por ver alguém ligando o botão do “foda-se” e lançando o que bem queria da maneira como bem entendesse. Vocês conseguem me entender? O que eu estou tentando dizer é que, pelo menos ao que me parece, a Janet poderia ter lançado qualquer música genérica e pegar um #1 no iTunes fácil, fácil. Porém, a mulher decidiu fazer o caminho completamente inverso e ser o diferencial.

Confiando em seus instintos de diva do R&B, a cantora foi para os estúdios e não deve ter pensado duas vezes quando começou a compor e gravar o seu inesperado retorno para o cenário musical. “No Sleeep” surge como uma brava manifestante que, incontente com o rumo da música atual, resolve levantar a bunda da cadeira e fazer algo, gritando um pedido de mudança. Eu não sei vocês, mas, eu já tô cansado de enjoar de uma música depois de ouvi-la 5 vezes e ganhar uma aversão insuportável. É como se cada lançamento musical fosse exatamente igual ao anterior, mudando, é claro, o nome da música, do artista e da gravadora. É tempo de inovação, tempo de arriscarmos, e Janet mexeu com todas as minhas estruturas ao liberar esse fantástico novo single. Vamos ser francos: 2015 tem superado as atrocidades musicais que conhecemos em 2013 e 2014, mas, será que não dá pra melhorar mais?

Parada há quase uma década, o último álbum de inéditas liberado por Janet foi o “Discipline”, de 2008. Em 2010 os fãs tiveram a graça de ouvir “Nothing”, música liberada para divulgar o filme “Why Did I Get Married Too?”, estrelado por ela mesma – mas é claro que o assunto muda quando o single é liberado para divulgar um novo álbum (e não um longa-metragem). Composta pela própria Janet ao lado de James Harris III e Terry Lewis, “No Sleeep” foi divulgada sob o selo da “Rhythm Nation Records”, gravadora da própria cantora, em parceria com a “BMG Rights Management”. Isso que é mulher de negócios, não?

You’re missing me, I’m missing you. Wherever we meet, we ain’t gonna get no sleep ♪