Hora de se atualizar! Saiba quais foram os melhores lançamentos musicais do último bimestre (pt 2)

Acharam que tinha acabado? Nada disso, senhoritas e senhoritos. A nossa lista com os melhores lançamentos do último bimestre não estaria completa se não nos lembrássemos também dos seis trabalhos a seguir relacionados e pautados cuidadosamente (saiba quais foram os outros sete acessando a nossa primeira parte). Sem maiores rodeios, chegou o momento de conhecermos alguns novos artistas e matar a saudade de outros que estiveram há um bom tempo sem nos beneficiar com algo novo e empolgante. E para começar, gostaria de lhes dizer que…


…Lana Del Rey continua vintage e misteriosa no clipe de “Music to Watch Boys To”, o segundo single do disco “Honeymoon”:

Depois de mostrar para o pessoal quem é que manda no pedaço com toda sua beleza fatal em “High By the Beach” (relembre), chegou o momento de Lana Del Rey colocar o disco na vitrola e nos ensinar algumas lições preliminares de como “observar os garotos”. “Music to Watch Boys To”, o segundo single do álbum “Honeymoon”, chegou assim, sem mais nem menos, já conquistando o ouvinte desde a sua primeira “ouvida”. Intercalando cenas em preto e branco com outras coloridas que dão enfoque ora à cantora, ora à moças nadando e ora a caras jogando basquete, Del Rey exibe seus atributos físicos durante todo o vídeo de forma bem atraente sem perder um pingo de classe ou respeito (pra que recorrer à nudez quando não se precisa?). Utilizando-se do já conhecido baroque pop originário dos anos 60 que pudemos conferir em singles como “Video Games”, “Music to Watch Boys To” foi anunciada pela primeira vez em janeiro deste ano e chegou a ser cogitada para ser o carro-chefe do “Honeymoon”. É Lana, ainda estamos na dúvida se deveríamos observar os garotos ou só você, garota!

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “MUSIC TO WATCH BOYS TO”, A NOVA MÚSICA DA LANA DEL REY.


Parceria de Janet Jackson com Missy Elliott te levará de volta ao tempo em uma viagem para a house music dos anos 90! Ouça “BURNITUP!”:

Semana que vem Janet Jackson completa quatro meses desde que resolveu oficializar o seu retorno à carreira musical e nos surpreendeu com a gostosíssima “No Sleeep”, a qual, no final, ganhou uma versão em dueto com J. Cole quando do lançamento do videoclipe (relembre o quanto ficamos empolgados naquela época). Agora com seu 11º álbum de inéditas já disponível nas lojas desde o dia 02/10, Jackson sabe que precisa pegar pesado na divulgação do trabalho e carregou em seu canal de vídeos do YouTube o featuring que fez com a consagrada rapper Missy Elliott. E eu devo dizer a vocês: “BURNIPUP!” não decepciona! Se a cantora souber lançá-la como single assim que tiver a melhor oportunidade, a uptempo com alguns elementos da house music poderá ser a responsável não apenas por destacar ainda mais o retorno e permanência da irmã de Michael Jackson nas paradas de sucesso, mas também da própria Elliott, que é outra veterana da black music. O álbum “Unbreakable”, que estreou em #1 na “Billboard 200” com vendas de 116 mil unidades somente na primeira semana, é o 7º material de Janet a atingir o topo dos charts norte-americanos e colocou a diva para junto de Barbra Streisand e Bruce Springsteen como os únicos cantores a conquistarem o #1 em cada uma das últimas quatro décadas.

ASSISTA AO LYRIC VIDEO DE “BURNITUP!”, A NOVA MÚSICA DA JANET JACKSON COM A MISSY ELLIOTT.


Halsey luta contra a opressão estatal no vídeo de “New Americana”, o segundo single do “Badlands”, seu álbum de estreia:

Parece que 2015 foi um grande ano para os novatos colocarem a boca no trombone e se destacarem depois de discorrer sobre alguns assuntos tidos como tabus pela sociedade tradicional heteronormativa. Um deles sem sombra de dúvidas foi a norte-americana Halsey, que, acompanhada da sua “New Americana”, abordou um pouquinho as diferenças sociais e culturais na composição e clipe da música. Lançada como o segundo single do “Badlands” (acessível para compra desde 28/08), o clipe dirigido por Jonathan Desbiens nos faz lembrar um pouquinho de toda aquela coragem que Madonna e Rihanna tiveram ao criticar a opressão do Estado em trabalhos como “American Life” e “American Oxygen” (respectivamente). Halsey (nascida Ashley Nicolette Frangipane), que é a líder de um grupo de rebeldes no vídeo, é capturada pelas tropas do Exército e levada até uma fogueira para ser queimada viva por “atentar contra a ordem social”. Cabe então aos seus parceiros de guerra, enquadrados no clipe como as minorias sociais da nossa realidade, decidirem se vão salvá-la do sistema de censura estatal ou libertá-la de uma vez por todas. “New Americana” traz um pop alternativo pendendo para o indie e foi composta pela sua intérprete ao lado de James Mtume, Kalkutta e Larzz Principato.

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “NEW AMERICANA”, A NOVA MÚSICA DA HALSEY.


“Fools” segue “Wild” e esquenta mais as coisas no projeto “Blue Neighbourhood”, a brilhante trilogia de clipes do Troye Sivan:

Em “Wild” pudemos ter uma pequena noção de como a pura amizade entre dois garotos pode se desenvolver em “algo a mais” após um período de descobertas conjuntas (assista). Contudo, nem todos os contos de fadas têm um final feliz e “Fools” chegou no dia 25/09 para quebrar alguns corações despreparados. Se você tem acompanhado a trilogia de clipes do Troye Sivan já poderia esperar pelo pior, mas, pelo menos, a segunda parte do “Blue Neighbourhood” chegou para acender algumas chamas ainda apagadas na primeira parte. Trocando muitas carícias e beijos apaixonados, Sivan sofre as consequências do preconceito do pai de seu melhor amigo (e namorado) e dessa forma precisa lidar com o término de seu relacionamento enquanto é substituído por uma garota. Vendo o amor de sua vida se afastando e rendendo à pressão da sociedade ao “tentar ser alguém normal”, “Fools” nos traz ainda uma pequena prévia do que acontecerá na parte final do projeto, o qual será encerrado com uma canção inédita (“Talk Me Down”) no dia 20 de outubro. O álbum de estreia do cantor, “Blue Neighbourhood”, será lançado oficialmente no dia 4 de dezembro.

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “FOOLS”, A NOVA MÚSICA DO TROYE SIVAN.


Adam Lambert e a sua noite nada solitária dão vida ao vídeo de “Another Lonely Night”, a atual música de trabalho do “The Original High”:

Depois de liberar três álbuns de estúdio e suar para ganhar o mínimo de atenção do público, o finalista da oitava edição do “American Idol” parece estar finalmente recebendo os méritos após o extraordinário trabalho que tem feito desde 2009 com o seu disco de estreia, o “For Your Entertainment”. Lançando o single “Ghost Town” como o primeiro do “The Original High” e conquistando a aprovação dos críticos e ouvintes da música pop, “Another Lonely Night” segue na promoção e divulgação do terceiro material do cantor trazendo um clipe lindo que conta com a participação especial de ninguém menos que Gigi Gorgeous, conhecida personalidade da internet. Ilustrando a “noite solitária” de três pessoas bem diferentes entre si, acompanhamos pelo vídeo a rotina noturna de um carismático stripper, uma talentosa dançarina e uma carente casamenteira que repartem o foco das câmeras com Adam fazendo shows noite afora. Dividindo seu tempo entre a carreira solo e como vocalista convidado do Queen, Lambert está desde o ano passado em turnê com a banda cantando ao redor do mundo os maiores sucessos imortalizados na voz do grande Freddie Mercury.

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “ANOTHER LONELY NIGHT”, A NOVA MÚSICA DO ADAM LAMBERT.


JoJo está poderosíssima no clipe da dançante “When Love Hurts”, faixa que promove o EP “III (Tringle)”.

Encerrando os melhores lançamentos musicais ocorridos no último bimestre, é com a JoJo de “Too Little Too Late” que fechamos esta publicação mais do que especial. Após passar anos em uma batalha judicial travada contra a sua antiga gravadora, finalmente a norte-americana conseguiu se livrar da enrolação de não poder lançar um novo material e chegou chegando com o EP “III” (leia-se “Tringle”), um lançamento de três singles simultâneos. Aliada as inéditas “Save My Soul” e “Say Love”, “When Love Hurts” foi a escolhida para ganhar um videoclipe oficial que conta com a cantora em sua melhor fase. Agora uma mulher crescida, a ex-loira (que já foi morena e agora voltou a ser loira) não tem medo de demonstrar que ainda possui aquele vozeirão que a fez famosa antes dos 18 anos e que sabe como usá-lo não apenas no pop e R&B, mas também na música eletrônica. Composta por Ammar Malik, Benny Blanco, Daniel Omelio, Jason Evigan e Ryn Weaver, o single foi produzido por meio da combinação de piano com o uso de sintetizadores e deverá muito provavelmente integrar o terceiro álbum de JoJo. Alguém mais notou o tamanho da felicidade que a moça demonstrou durante 101% do clipe (pacto renovado com sucesso, hahahha!)?

ASSISTA AQUI AO VIDEOCLIPE DE “WHEN LOVE HURTS”, A NOVA MÚSICA DA JOJO.


E você? Ficou sabendo de outro lançamento não mencionado por aqui mas que te chamou bastante a atenção? Conta pra gente nos comentários. 😉

Anúncios

Aah, os anos 2000! As melhores músicas internacionais lançadas na última década que continuam tão nostálgicas quanto antes (Parte 1)

Olá, tudo bem com vocês, meus caros? Depois de passarmos alguns dias sem grandes atualizações é finalmente chegado o momento de trazer aqui para o blog mais uma das nossas listinhas tão especiais montadas com todo o carinho do mundo. E, desta vez, dando sequência à nossa viagem intergalática pelo universo musical, resolvi mergulhar de cabeça num buraco negro que estava ali dando sopa e acabei batendo de frente com algo que fez meus olhos brilharem mais que os alinhados dentes do Professor Lockhart.

Sendo transportado para um túnel do tempo e arremessado há centenas de anos-luz do nosso atual 2015, fui parar na fantástica Terra 00s e encontrei um pouco do passado de cada um de vocês que estão lendo esta publicação. Resgatando algumas das melhores músicas que nos acompanharam pela última década, decidi selecioná-las e cheguei a um total de 15 faixas que continuam tão nostálgicas quanto antes, quando foram gravadas e liberadas há milhões de anos atrás.

Inaugurando a nossa primeira parte deste especial, eu lhes deixo a seguir com 8 destas 15 preciosidades que definitivamente merecem a atenção de seus ouvidos e que com certeza farão muitos se descabelarem de tanta emoção. Ah, e é claro, não deixe de conferir a nossa playlist no final deste post pois isso será essencial, okay?


1. Pieces Of Me – Ashlee Simpson

Álbum / ano de lançamento: “Autobiography”, 2004;

Gravadora: “Geffen Records”;

Composição: Ashlee Simpson, Kara DioGuardi e John Shanks;

Gênero musical: pop-rock;

Posição nas paradas de sucesso: #4 no Reino Unido, #5 nos EUA, #7 na Austrália.

Eu duvido que você encontre uma música com mais cara de verão que não seja “Pieces Of Me”, o single que marcou a estreia da até então novata Ashlee Simpson junto ao meio musical. Seguindo os passos de sua irmã mais velha, a popstar Jessica Simpson, foi com esta música que a caçula da família de artistas passou um dos momentos mais vergonhosos de todo o cenário pop: o tão comentado playback do “Saturday Night Live”, de 2004. Após uma apresentação bem feita de seu grande sucesso, Ashlee daria uma palinha da música “Autobiography” para o pessoal; isso se os vocais de “Pieces Of Me” não surgissem sem qualquer aviso prévio e denunciassem o seu microfone desligado. Claro que, mais tarde, acabou por ser atestado que Ashlee encontrava-se com problemas em suas cordas vocais no dia da apresentação (o que justificaria facilmente o lip sync mal executado), mas o incidente por si só já foi o suficiente para o pessoal cair matando em cima da morena. O resultado foi que Ashlee teve de ralar muito para provar que realmente tinha talento e fixar seu nome entre uma das melhores musicistas de sua geração.


2. Too Little Too Late – JoJo

Álbum / ano de lançamento: “The High Road”, 2006;

Gravadora: “Da Family”, “Blackground Records” e “Universal Motown Records”;

Composição: Billy Steinberg, Josh Alexander e Ruth-Anne Cunningham;

Gênero musical: pop, R&B;

Posição nas paradas de sucesso: #3 nos EUA, #4 no Reino Unido, #10 na Austrália.

Eu sei que você já chorou vários términos de namoros e demais desilusões amorosas ao som de “Too Little Too Late”, o 1º single da cantora JoJo para o seu 2º álbum, “The High Road” (atire a primeira pedra a garota que nunca se identificou com um “eu era jovem e apaixonada, eu te dei tudo, mas isso não foi suficiente. E agora você quer se comunicar, mas você sabe que é apenas um pouco tarde demais”). Apostando pesado em seus dotes de vocalista e dando tudo de si no maior hit de sua carreira, é difícil de imaginar que a norte-americana tinha apenas 15 anos quando gravou a canção e a incluiu no seu disco lá de 2006. Faixa indispensável daquelas coletâneas de DVDs piratas contendo baladinhas românticas que rodavam os camelôs de todo o Brasil, “Too Little Too Late” trouxe à JoJo o recorde de maior salto na “Billboard Hot 100”, quando pulou de #66 para #3 em apenas uma semana (atualmente esta façanha pertence à Kelly Clarkson com “My Life Would Suck Without You”, #97 – #1). Com um clipe bem gracinha e cheio de emoção que ganhou os nossos corações numa vida um tanto quanto distante, dá pra acreditar que esse hino completa exatos 10 anos em agosto de 2016?


3. Complicated – Avril Lavigne

Álbum / ano de lançamento: “Let Go”, 2002;

Gravadora: “Arista Records”;

Composição: Avril Lavigne, Lauren Christy, Scott Spock e Graham Edwards;

Gênero musical: pop-rock;

Posição nas paradas de sucesso: #1 na Austrália, #2 nos EUA, Áustria e Itália, #3 no Reino Unido e Alemanha.

Como o tempo passa! Passa tanto que, eu ouso dizer que quem acompanhou a Avril Lavigne lá do começo dos anos 2000 e fez uma longa pausa de uns 10 anos jamais reconheceria o mulherão que se tornou a nossa eterna “Princesinha do Pop Punk”. Amadurecendo sua imagem de molecona que andava para todos os cantos com seu Converse surrado e o skate debaixo do braço, foi ainda sob essa aparência que a canadense mais popular da cultura pop se lançou como cantora com “Complicated”, o first single de seu 1º álbum. O sucesso da loira foi tão grande que a sua parceria com o grupo de produtores The Matrix foi nomeada a duas categorias do “Grammy”, a maior premiação da música internacional, enquadrada como “Música do Ano” e “Melhor Performance Vocal Pop Feminina”, lá em 2002. Não levando nenhum dos gramofones dourados para casa, Avril precisou se contentar com a vitória em outras premiações também de peso, como o “MTV Video Music Awards” e o “Juno Awards”, por “Melhor Novo Artista em um Vídeo” e “Música do Ano”, respectivamente.


4. Wake Up – Hilary Duff

Álbum / ano de lançamento: “Most Wanted”, 2005;

Gravadora: “Hollywood Records”;

Composição: Joel Madden, Benji Madden, Jason “Jay E” Epperson e Hilary Duff;

Gênero musical: dance-pop;

Posição nas paradas de sucesso: #2 na Itália, #7 no Reino Unido, #29 nos EUA.

Hilary Duff já era uma das queridinhas de Hollywood desde que surgira em meados de 2003 com as viciantes “So Yesterday” e “Come Clean”, mas somente dois anos depois ela ganharia a confiança dos adolescentes de todo o mundo com o carro-chefe de sua 1ª coletânea. “Wake Up”, fruto de seus trabalhos com o produtor Joel Madden, seu namorado na época, foi apenas uma prévia do caminho que Duff seguiria dois anos mais tarde em “Dignity”, seu sombrio quarto disco de inéditas. Apesar de ainda perambular pela música pop chiclete que lhe rendera uma pequena-grande fortuna, o single marca a busca de Duff por um som mais techno e que representasse melhor a sua personalidade naquele momento. Cantando sobre sair de casa, deixar as complicações de lado e se divertir, “Wake Up” surgiu em 2005 assim como “Girls Just Want to Have Fun”, da Cyndi Lauper, havia surgido no começo dos anos 80 e arrastado consigo uma legião de jovens amantes da música pop de qualidade.


5. Big Girls Don’t Cry – Fergie

Álbum / ano de lançamento: “The Dutchess”, 2007;

Gravadora: “A&M Records”, “will.i.am Music Group” e “Interscope Records”;

Composição: Stacy Ferguson e Toby Gad;

Gênero musical: adult contemporary, R&B;

Posição nas paradas de sucesso: #1 nos EUA, Austrália, Áustria, Canadá, Irlanda e Nova Zelândia, #2 no Reino Unido.

Quem algum dia chegou a duvidar que a voz feminina do Black Eyed Peas pudesse também fazer sucesso em carreira solo com certeza acabou pagando com a língua depois que “The Dutchess”, o 1º álbum solo da Fergie, saiu lá por 2006. Liderado pelo carro-chefe “London Bridge” e seguida por “Glamorous”, “Big Girls Don’t Cry” (também chamada de “Big Girls Don’t Cry (Personal)”) foi a escolhida para ser o 4º single oficial do material e trouxe consigo um importante título para a cantora. É que desde 2000, quando Christina Aguilera debutou seu disco de estreia na “Billboard”, nenhum outro artista havia atingido o feito de possuir três músicas de um mesmo álbum no topo do “Hot 100”, a parada musical mais importante da “Terra do Tio Sam”. Certificada 3x platina pela RIAA e 5x pela ARIA, Fergie nunca esteve tão vulnerável e emotiva em seus trabalhos anteriores, que costumeiramente a inseriram num ambiente mais festeiro e sexual. Afinal, toda grande cantora precisa de uma grande balada, “e grandes garotas não choram” assim tão fácil.


6. Say It Right – Nelly Furtado

Álbum / ano de lançamento: “Loose”, 2006;

Gravadora: “Geffen Records” e “Mosley Music Group”;

Composição: Nelly Furtado, Tim Mosley e Nate Hills;

Gênero musical: pop, R&B;

Posição nas paradas de sucesso: #1 nos EUA, Canadá e Nova Zelândia, #2 na Austrália, #10 no Reino Unido.

Todos sabemos que muitas músicas são responsáveis por marcarem momentos bem importantes de nossas vidas, e é claro que não poderia ser diferente com a canadense Nelly Furtado, que desde o álbum “Loose” tem trabalhado em nos presentear com alguns hinos insuperáveis. Mudando toda a sonoridade do início de sua carreira e que marcou bastante os discos “Whoa, Nelly!” e “Folklore”, foi somente a partir de seu 3º álbum que Furtado recebeu massiva popularidade pelos EUA e ganhou o mundo afora. Agitando 9 a cada 10 festas que foram celebradas há quase uma década, “Say It Right” resolveu fazer uma pausa no dance-pop de “Maneater” e no hip-hop de “Promiscuous” para liberar um R&B mais gostosinho e harmônico daqueles que nos faz querer dançar agarradinho com alguém. Amparada em uma letra bem composta e totalmente sugestiva, os versos cantados lentamente pela cantora são até a presente data um dos maiores exemplos de que sensualidade nada tem a ver com vulgaridade. Nomeada ao “Grammy” de 2008 por “Melhor Performance Vocal Pop Feminina”, o single acabou perdendo para “Rehab”, da Amy Winehouse.


7. Stickwitu – The Pussycat Dolls

Álbum / ano de lançamento: “PCD”, 2005;

Gravadora: “A&M Records” e “Interscope Records”;

Composição: Franne Golde, Kasia Livingston e Robert Palmer;

Gênero musical: soul;

Posição nas paradas de sucesso: #1 no Reino Unido e Nova Zelândia, #2 na Austrália e Irlanda, #5 nos EUA.

Seguindo Nicole Scherzinger e suas colegas de banda após o bom desempenho de “Don’t Cha” nas paradas de sucesso, “Stickwitu” foi a música selecionada pelo pessoal por trás das Pussycat Dolls para dar continuidade à trajetória de ouro trilhada por uma das girlbands mais sensacionais dos últimos tempos. Não era nenhuma novidade, naquela época, que as músicas do grupo eram cantadas quase que inteiramente pela Srtª Scherzinger, ficando com as demais garotas a mera tarefa de atuar como backing vocals da grande voz por trás do PCD – e, o videoclipe da música é algo que frisa isso bastante. Intercalando diversas cenas solo da morena com outras de Carmit Bachar, Kimberly Wyatt, Ashley Roberts, Jessica Sutta e Melody Thornton se espremendo em frente a câmera para receber alguns segundinhos de atenção, foi somente a partir do 2º disco que as demais meninas ganharam mais destaque dentro do grupo. Nomeada na 49ª edição do “Grammy” pela categoria “Melhor Performance Pop por um Grupo ou Dupla”, “Stickwitu” não levou a melhor e acabou sendo vencida por “My Humps”, do Black Eyed Peas.


8. All You Wanted – Michelle Branch

Álbum / ano de lançamento: “The Spirit Room”, 2002;

Gravadora: “Maverick Records”;

Composição: Michelle Branch;

Gênero musical: alternative rock, pop-rock;

Posição nas paradas de sucesso: #3 na Nova Zelândia, #6 nos EUA, #25 na Austrália, #33 no Reino Unido.

Encerrando a nossa primeira parte das “melhores músicas internacionais lançadas na última década que continuam tão nostálgicas quanto antes”, resolvi trazer para vocês uma canção que muitos não devem se lembrar, mas que já devem ter ouvido na trilha sonora de alguma comédia romântica dos anos 2000. Com um instrumental bem característico do novo milênio, Branch resolveu mostrar ao público um pouquinho de seus talentos líricos aqui e compôs sozinha os versos que seguem “All You Wanted”, nos proporcionando algumas preciosidades poéticas como: “se você quiser, eu posso te salvar, eu posso te levar para longe daqui. Tão sozinho por dentro, tão ocupado por fora, e tudo que você queria era alguém que se importasse”. Ao lado de “Everywhere”, a primeira gravação da cantora liberada como o first single do “The Spirit Room”, “All You Wanted” tem aquela pegada pop-rock tão bem produzida pelo John Shanks (Ashlee Simpson, Hilary Duff, Miley Cyrus) e que tanto fez parte da nossa infância e adolescência. O coração não chega a aguentar tantas saudades, não é mesmo?


Se ligue na playlist a seguir para deixar essa viagem de volta ao passado ainda mais vibrante e emocionante:

Fique de olho por aqui, pessoal, pois a parte 2 desta fantástica playlist deverá sair até o final de semana. 😉