#CoopGeeks: Tirando da Estante – Friends

Muita coisa mudou imensamente desde que “Friends” foi ao ar, pela primeira vez, em um longínquo setembro de 1994: uma época em que muitos de nós ainda mal sabíamos andar ou falar. Tornando-se uma referência mundial para outros programas televisivos que o sucederam, o aclamado sitcom perdurou por uma década levando até o público um material inovador que, diga-se de passagem, foi certeiro ao conquistar gerações e gerações de apaixonados telespectadores.

Relembrando diversos pontos imperdíveis, na publicação de hoje para o Co-op Geeks selecionamos um compilado de informações que não poderia passar despercebido em uma publicação tão nostálgica como esta. Tentando agradar tanto aos ressentidos órfãos de David Crane e Marta Kauffman quanto aos novatos que jamais viram um episódio sequer, vocês encontram, no link a seguir, um pouquinho mais sobre um dos melhores espetáculos já produzidos na história da televisão norte-americana. Estão prontos?

TIRANDO DA ESTANTE: FRIENDS

Anúncios

10 motivos inquestionáveis para você começar a assistir “Friends”, a melhor série de todos os tempos

Muita coisa mudou desde que “Friends” foi ao ar pela primeira vez em um distante 22 de setembro de 1994 – quando muitos de nós ainda éramos crianças e desconhecíamos toda a sua influência na televisão norte-americana. Contudo, se existe algo capaz de provar toda a autenticidade e criatividade características do próprio programa é o simples e duro (mas sempre eficiente) teste de resistência ao tempo: mesmo após 21 anos de existência, o sitcom criado por David Crane e Marta Kauffman permanece ditando regras e se estabelece como um exemplo seguido pelas demais séries que continuam na ativa.

Desenvolvido em um total de 236 episódios subdivididos em 10 temporadas que encerraram o seriado em 6 de maio de 2004, até hoje as divertidas histórias de Rachel, Ross, Monica, Chandler, Phoebe e Joey são reprisadas por canais de TV a cabo que não desistem de passar adiante a boa e velha palavra. Também disponível para compra (seja online, seja física) através de boxes econômicos que trazem ao telespectador tudo o que de melhor rolou durante estes 10 anos dourados, este post vem em boa hora para tentar convencê-lo do porquê começar a acompanhar “Friends” ou presentear alguém que você goste (aproveite, o Natal está quase aí) com a melhor série de todos os tempos.

Dado o recado, conheça a seguir as 10 causas incontroversas que te farão correr atrás de todo esse tempo perdido para conhecer absolutamente tudo sobre o clássico programa da “Warner Bros. Television” que permanece, até os dias de hoje, como um dos maiores nomes da empresa e do mercado televisivo:


1. Aquele com os Títulos dos Episódios:

Quem já conhece “Friends” e tenha assistido, pelo menos, dois episódios de quaisquer temporadas, deve ter notado que todo capítulo é nomeado com “Aquele com o(a)”, “Aquele em que…”, “Aquele do(a)…” (“The one with…” ou “The one where”, na versão original), mas, provavelmente nem todos entenderam o porquê desta estranha coincidência. Na verdade, a estranha coincidência nem chega a ser obra do destino ou falta de motivação da equipe por trás do espetáculo, uma vez que todos os títulos dos episódios foram propositalmente nomeados assim à escolha de David Crane e Marta Kauffman (à exceção do primeiro: “Episódio Piloto”, e dos dois finais: “O Último”). Essa escolha nada comum se dá ao fato de que os produtores descobriram que os nomes dos episódios não seriam apresentados durante a exibição dos créditos de abertura, e assim, acabariam por ser desconhecidos pela maior parte do público. Para facilitar a nomeação de cada gravação (e o desperdício de se pensar em nomes que sequer seriam lembrados), esta tática foi adotada pelos criadores e no fim se mostrou uma das mais originais de todo o sitcom.


2. Aquele do Enredo:

Diferente de muitos programas televisivos que já não mais conseguem manter seu ritmo original e partem para a prática reiterada de piadas sem graça que pouco acrescentam à trama de seus personagens, “Friends” possui o privilégio de se mostrar uma das raras exceções que não se vendeu ao desespero obsessivo por dinheiro. Assim como um livro que é capaz de conectar importantes pontos de seu 1º capítulo ao derradeiro e inevitável fim, a obra de Crane e Kauffman se mostra genial ao inovar um pouco em cada temporada e, gradativamente, levar ao espectador novas situações imprevisíveis e dignas de nossa admiração. Fugindo da regra geral da maioria das demais séries que acabam por cair na mesmice e tornam-se desinteressantes com o passar dos anos, “Friends” é tão acima da média que você dificilmente encontrará uma melhor cena, um melhor episódio ou uma melhor temporada (pois todos o são da sua maneira diferente).


3. Aquele com a Química entre o Elenco:

Apesar de ter sido acertadamente composto por Jennifer Aniston, Courteney Cox, Lisa Kudrow, Matt LeBlanc, Matthew Perry e David Schwimmer, muitos outros atores e atrizes como Elizabeth Berkley e Leah Remini chegaram a fazer o teste para os papeis principais ocupados pelo popular sexteto – inclusive a própria Courteney Cox, a quem primeiramente foi oferecido interpretar Rachel Green (e mais tarde declinou para dar vida à Monica Geller). Em decorrência do próprio roteiro, é de se esperar que alguns personagens tenham mais química em cena do que outros (por conta do histórico escolar ou da vida regressa), mas essa primeira impressão cai por terra quando vemos Phoebe Buffay interagindo com Joey ou Rachel, por exemplo (que pela lógica do seriado não possuem nada em comum do passado). De alguma maneira naturalmente misteriosa, os atores parecem se completar quando estão atuando conjuntamente, seja em duplas, trios ou dentro do grupo completo. Imagine assistir “Friends” e ver o Ross sendo interpretado por outro ator que não seja o cativante David Schwimmer ou o Chandler Bing sem os traços do conquistador Matthew Perry? Destaque também para o elenco de apoio, especialmente pelos impagáveis Maggie Wheeler (como Janice) e James Michael Tyler (como Gunther).


4. Aquele em que Não é só Comédia:

É um fato que “Friends” possui como foco, desde a sua distante origem noventista, a comédia clássica dos sitcoms estadunidenses das duas décadas passadas, mas quanto mais o seriado foi se expandindo, mais caminhos ele passou a incorporar em seu script fenomenal. Passando por temas comuns da vida cotidiana de qualquer pessoa, Marta Kauffman e David Crane administraram com exatidão os assuntos tratados dentro da jornada de seus seis personagens principais, indo desde as dificuldades da fase adulta e a busca por independência e autoafirmação. Priorizando trazer ao telespectador valores importantes como a amizade, a confiança e a honestidade, outras vertentes como a sexualidade, a adoção e até mesmo a persistência atrás de seus sonhos podem ser encontradas ao longo de todo o programa – o qual está rotineiramente tentando passar uma imagem positiva a quem o assiste. Transmitindo uma sensação de aconchego e proximidade ao seu receptor que é capaz de encantar até mesmo o mais amargo dos homens, “Friends” faz uso de uma linguagem fácil, compreensível e saudável sem apelar para a banalização do bom humor.


5. Aquele com o Tema Musical:

Ao som de “I’ll Be There for You”, do duo norte-americano The Rembrandts, “Friends” teve suas 10 temporadas recepcionadas com a música que não demorou muito para se tornar uma das marcas registradas do seriado (e que colaborou para a sua popularização no decorrer da década 94-04). Atingindo a posição de nº 17 da “Billboard Hot 100”, a parada de sucessos que contabiliza as 100 músicas mais populares da semana nos EUA, o clipe oficial do single (assista aqui) conta com a participação do elenco principal da série que não hesitou ao brincar em frente às câmeras com Phil Solem e Danny Wilde (membros da dupla). Seja por Courteney Cox arrasando na bateria ou Matt e Matthew fazendo a dancinha engraçada já conhecida de diversos episódios, o vídeo é uma pequena amostra do que podemos ver em todas as temporadas do sitcom.


6. Aquele dos Cenários:

Passando-se majoritariamente no apartamento herdado por Monica de sua avó (o qual já serviu de casa para todos os demais membros do grupo em momentos distintos da história), situado no Greenwich Village, em Nova Iorque, o carismático edifício da 90 Bedford Street abriga ainda o bagunçado lar de Joey (apartamento defronte ao de Monica) e está posicionado próximo ao que Ross adquire no decorrer da série. Porém, quando não está sendo filmado nestes três locais, “Friends” se passa no acolhedor “Central Perk”, o popular café usado como set de gravações em quase todos os episódios de suas 10 temporadas. Local de encontro favorito usado por Rachel, Ross, Monica, Chandler, Phoebe e Joey para se reunirem e passar um bom tempo antes do trabalho, o estabelecimento gerenciado pelo apaixonado Gunther é sem sombra de dúvidas um dos mais nostálgicos de todo o seriado.


7. Aquele com os Convidados Especiais:

Se pelo seu elenco principal “Friends” já humilha qualquer outro programa que contenha atrizes e atores de renome da indústria hollywoodiana, o que dizer então do seu elenco de apoio, o qual foi constantemente preenchido por nomes de peso que, por vezes, deixaram os episódios muito mais divertidos. Entre a seleta lista de artistas que já participaram de um episódio ou outro ao longo dos 10 anos de espetáculo, os mais populares incluem Bruce Willis, Brad Pitt, Christina Applegate, Reese Witherspoon, Winona Ryder, Alec Baldwin, Sean Penn, Freddie Prinze, Jr., Anna Faris e Jean-Claude Van Damme.


8. Aquele com os Flashbacks:

Toda série ou franquia cinematográfica que se preze sabe como amarrar as situações do presente com as do passado para, do resultado de ambas, criar um decisivo futuro para seus personagens em geral. Porém, “Friends” vai muito mais além ao nos oportunizar descobrir como era o sexteto original durante o fim do colégio ou início da faculdade (ou no caso de Phoebe, quando esteve em vidas passadas servindo o exército durante períodos de guerra, nos anos de 1862 e 1915). Muitos desses momentos acontecem durante a 3ª temporada, a qual nos remete ao ano de 1978 e o início do trauma de Chandler pelo “Dia de Ação de Graças”, e 1988, o período decisivo para a vida de Monica e Fat Monica (a fase em que a irmã de Ross esteve acima do peso e decidiu dar a volta por cima após levar um fora de uma pessoa inimaginável).


9. Aquele com a Phoebe Buffay:

Por mais que a produção de Crane e Kauffman tenha, a todo custo, tentado não priorizar a importância de um personagem sobre o outro, Phoebe Buffay é alguém que, se não estivesse no script original escrito pela dupla dinâmica de roteiristas e produtores, teria feito toda a diferença para o que a série se tornou. A maluca massagista e cantora independente que cresceu nas ruas e desde cedo precisou lidar com o suicídio da própria mãe quando ainda criança – e a indiferença de uma egoísta irmã gêmea do mal (também interpretada por Lisa Kudrow), Ursula – é definitivamente um dos pontos altos de todas as temporadas de “Friends”. Também conhecida como Regina Phalange – o codinome que Phoebe incorpora para sair de situações complicadas que exigem muito do seu jogo de cintura –, a doce loirinha popularizou ao longo das gravações do seriado diversas músicas conhecidas por toda a cultura popular, sendo “Smelly Cat” a mais querida e lembrada pelos admiradores do programa (inclusive Taylor Swift).


10. Aquele em que Você Aperfeiçoa o seu Inglês:

Okay, com “aperfeiçoar o seu inglês” eu não quero dizer que assistir “Friends” te ajudará a falar fluentemente o idioma internacional mais popular da História, mas com certeza poderá clarear alguns pontos obscuros da sua maçante aula de inglês do cursinho ou da escola. Exatamente por adotar uma linguagem simples do dia a dia dentro de um tema habitual (amigos e família), o sitcom poderá ser usado como uma forma de auxílio para aprender/melhorar o seu “verb to be” do Ensino Fundamental que sempre te deixa na mão (desde que você deixe a preguiça do dublado de lado e assista a tudo pelo modo legendado, é claro).


Agora que você já conhece os nossos 10 motivos para começar a assistir “Friends”, eu quero que você me diga: ficou curioso ou não para descobrir tudo o que se passa na divertida vida do sexteto mais querido da televisão?