Aah, os anos 2000! As melhores músicas internacionais lançadas na última década que continuam tão nostálgicas quanto antes (Parte 2)

Dando continuidade ao nosso especial que estreou por aqui na semana passada e que relacionou 8 músicas incríveis dos anos 2000 que continuam tão nostálgicas quanto antes, os deixo a seguir com mais 7 faixas também dessa era e que definitivamente merecem um pouquinho da nossa atenção. Assim, fechamos com esta publicação apenas 15 das muitas joias raras que encontram-se tão longe do atual cenário musical internacional e que pretendo trazer periodicamente aqui para vocês.

Lembro a todos, a propósito, que sempre estou aberto a críticas e elogios, inclusive em se tratando de sugestões para futuras publicações. Se existe algo que você gostaria de ver muito aqui pelo Caí da Mudança e que ainda não tive a oportunidade de discorrer sobre, não se sinta envergonhado de me contatar pois atenderei seu pedido o mais breve possível. Sem mais enrolação, os convido ainda para conferir a playlist que se encontra ansiosamente os aguardando no final desta matéria. Se jogue no play e mate toda a saudade que existe dentro de você antes que ela o consuma por completo!


9. A Thousand Miles – Vanessa Carlton

Álbum / ano de lançamento: “Be Not Nobody”, 2002;

Gravadora: “A&M Records”;

Composição: Vanessa Carlton;

Gênero musical: pop;

Posição nas paradas de sucesso: #1 na Austrália, #5 nos EUA, #6 no Reino Unido, #8 na França.

Por mais que eu já tenha falado recentemente sobre esta canção em uma publicação dedicada a cantora e compositora Vanessa Carlton, elaborar uma lista com as melhores músicas da última década e não incluir “A Thousand Miles” seria o pior dos crimes que eu poderia cometer. Intitulada originalmente “Interlude”, foi por meio de “Miles” que a novata norte-americana foi muito bem recepcionada pelo público e pela crítica especializada, recebendo merecidas 3 indicações ao “Grammy” de 2003 nas categorias “Gravação do Ano”, “Música do Ano” e “Melhor Arranjo Instrumental Acompanhado por um Vocalista” (das quais não venceu nenhuma). Tema da comédia “As Branquelas” juntamente com “Crazy In Love” da Beyoncé e a faixa que ocupa nossa 10ª posição desta lista, “A Thousand Miles” possui com certeza um dos instrumentais mais geniais de todos os já criados na história da música pop. Mestra no que faz, Carlton liberou recentemente o extended play “Blue Pool” e se prepara para o lançamento de seu quinto disco de inéditas, o “Liberman”.


10. Let’s Get It Started – The Black Eyed Peas

Álbum / ano de lançamento: “Elephunk”, 2004;

Gravadora: “A&M Records”, “will.i.am Music Group” e “Interscope Records”;

Composição: William Adams, Allan Pineda, Jaime Gomez, Terence Yoshiaki, Michael Fratantuno e George Pajon, Jr.;

Gênero musical: hip hop, funk;

Posição nas paradas de sucesso: #2 na Austrália e Canadá, #11 no Reino Unido, #21 nos EUA.

Encerrando com chave de ouro o “Elephunk”, o 3º álbum de estúdio do BEP, “Let’s Get It Started” deu continuidade ao sucesso atingido por “Shut Up” e abriu o que seria a melhor era do grupo em sua discografia: o disco “Monkey Business”, que traria os hits “Don’t Lie”, “My Humps” e “Pump It”. Certificado 3x platina nos EUA e 1x na Austrália, venceu “Melhor Performance de Rap por um Duo ou Grupo” na 47ª edição do “Grammy”, nas quais havia sido nomeada, ainda, por “Gravação do Ano” e “Melhor Música Rap”. A música é tão querida pelos integrantes do grupo e pelos seus fãs que chegou a fazer uma aparição no álbum de 2009 “The E.N.D.”, em um remix chamado de “Let’s Get Re-Started”.


11. All The Things She Said – t.A.T.u.

Álbum / ano de lançamento: “200 km/h in the Wrong Lane”, 2002;

Gravadora: “Universal Music Group” e “Interscope Records”;

Composição: Sergio Galoyan, Trevor Horn, Martin Kierszenbaum, Elena Kiper e Valeriy Polienko;

Gênero musical: pop-rock, electronica;

Posição nas paradas de sucesso: #1 na Austrália, Áustria, Alemanha, Irlanda, Reino Unido e Suíça, #2 na França e #20 nos EUA.

Anunciadas no começo dos anos 2000 como a primeira dupla de cantoras lésbicas do cenário pop, as meninas do t.A.T.u. fizeram uma grande estreia mundial com a sua primeira gravação na língua inglesa, a versão americanizada de “Ya Soshla S Uma”. Atingindo o topo das paradas de sucessos de diversos países (principalmente da Europa), Lena Katina e Yulia Volkova polemizaram bastante ao encenar alguns momentos bem quentes debaixo de um chuvão que foram incluídas no videoclipe do single. Trocando beijos e abraços enquanto um grupo de pessoas observa a tudo com um olhar conservador, parte dessa polêmica foi levada até o palco do “The Tonight Show with Jay Leno”, ocasião em que Lena e Yulia se beijaram sem permissão da emissora (olha só o corte de edição que censurou a apresentação a partir de 1min e 28s). Bom, a estratégia das meninas parece ter dado certo, já que a dupla adquiriu massivo apoio da comunidade LGBT pelos anos que se seguiram e outros hits acabaram sendo alavancados, dentre os quais devo citar “Not Gonna Get Us”, “How Soon Is Now?” e a também gigante “All About Us”.


12. Since U Been Gone – Kelly Clarkson

Álbum / ano de lançamento: “Breakaway”, 2004;

Gravadora: “RCA Records”;

Composição: Max Martin e Lukasz Gottwald;

Gênero musical: pop-rock, power-pop;

Posição nas paradas de sucesso: #2 nos EUA e Canadá, #3 na Austrália e Áustria, #4 na Irlanda e #5 no Reino Unido.

Deixando para trás o passado de aspirante a cantora profissional, a grande vencedora da primeira edição do “American Idol” resolveu inovar em sua carreira e chamou alguns produtores de peso como Max Martin e Dr. Luke para trabalharem em “Breakaway”, o seu 2º disco de inéditas. Liderado pelo first single “Since U Been Gone”, a qual acabou sendo incluída na lista das “500 Maiores Músicas de Todos os Tempos” da “Rolling Stone”, a faixa foi aclamadíssima pelos críticos da época que insistentemente a chamaram de “um dos mais belos hinos pop da década”. Vencendo a 48ª edição do “Grammy” na categoria “Melhor Performance Vocal Pop Feminina”, essa foi a primeira vitória de Kelly na premiação, a qual já a havia nomeado dois anos antes por “Miss Independent”. Provando que é uma verdadeira e digna estrela do rock, a loira interpreta a pior ex-namorada do mundo e resolve se vingar de seu antigo amado invadindo a casa do atual casal e destruindo tudo o que vê pela frente. Flawless victory, Miss. Clarkson.


13. Say OK – Vanessa Hudgens

Álbum / ano de lançamento: “V”, 2007;

Gravadora: “Hollywood Records” e “EMI Music”;

Composição: Arnthor Birgisson e Savan Kotecha;

Gênero musical: R&B, pop;

Posição nas paradas de sucesso: #61 nos EUA, #124 no Reino Unido.

Não há problema algum se, assim como eu, você nunca chegou a assistir qualquer filme da franquia “High School Musical”, mas não pense que as coisas ficaram numa boa se você me disser que nunca ouviu “Say OK”, o 2º single da Vanessa Hudgens para o seu debut album. Composta por Arnthor Birgisson (“Irresistible”, da Jessica Simpson) e Savan Kotecha (“Love Me Like You Do”, da Ellie Goulding), a faixa entrou em cena de última hora e substituiu “Let Go”, a maior pretensão da gravadora para dar continuidade ao caminho já trilhado pelo single “Come Back to Me”. Ganhando um clipe bem fofinho que destaca Baby V com seu affair de “HSM”, Zac Efron, Hudgens chamou suas BFFs para jogarem boliche enquanto flerta com o eterno Troy Bolton, o sonho de consumo de 9 a cada 10 garotas nascidas nos anos 90. Um primeiro videoclipe que mostrava cenas da cantora em uma apresentação da “High School Musical: The Concert” acabou estreando no “Disney Channel” em janeiro de 2007, mas foi pouco veiculado pelas emissoras de TV e a versão com o Zac acabou se tornando a mais conhecida (e querida) pelo público.


14. Suddenly I See – KT Tunstall

Álbum / ano de lançamento: “Eye to the Telescope”, 2005;

Gravadora: “Relentless Records”;

Composição: KT Tunstall;

Gênero musical: alternative rock;

Posição nas paradas de sucesso: #6 na Austrália, #12 no Reino Unido, #21 nos EUA, #25 na Irlanda.

Foi ao som de “Suddenly I See” que um dos filmes mais queridos de todos os tempos, “O Diabo Veste Prada” (estrelado por Meryl Streep e Anne Hathaway), fez uma das aberturas mais icônicas na história dos cinemas. Amplamente divulgada em séries de TV como “Ghost Whisperer” e “Ugly Betty”, o 3º single do “Eye to the Telescope” fez tanto sucesso na “Terra da Rainha” que se arrastou por incríveis 26 semanas dentro do “Top 75 Singles”, uma das paradas de sucesso mais relevantes do Reino Unido. Liberando três clipes para a música (uma versão britânica, uma norte-americana e uma animação), KT chegou a performar sua canção em diversos programas televisivos, como o “The Tonight Show with Jay Leno”, e até mesmo em eventos bem consagrados em nosso globo terrestre, como o “Prêmio Nobel da Paz”, em 2007 (assista porque vale muito a pena). A cantora escocesa causou tanto impacto naquela época que chamou a atenção até mesmo da Secretária de Estado Hillary Clinton, quem usou “Suddenly I See” em sua campanha publicitária para a presidência dos EUA nas eleições de 2008. Parece que a Srtª Tunstall sabe mesmo como espalhar seu nome pelos quatro cantos do planeta!


15. That’s What You Get – Paramore

Álbum / ano de lançamento: “Riot!”, 2008;

Gravadora: “Fueled by Ramen”;

Composição: Hayley Williams, Josh Farro e Taylor York;

Gênero musical: pop-rock, pop-punk, power-pop;

Posição nas paradas de sucesso: #35 na Nova Zelândia, #55 no Reino Unido, #66 nos EUA, #92 no Canadá.

Não adianta vir com essa cara de quem nunca curtiu a era emo que rendeu algumas boas músicas há uns 10 anos que comigo não cola, tudo bem (hahahh)? Brincadeiras a parte, “That’s What You Get” seguiu as bem sucedidas “Misery Business” e “Crushcrushcrush” e marca a discografia do Paramore como o 2º single australiano, 3º estadunidense e 4º britânico do 2º disco de inéditas da banda, o “Riot!”. Nomeado ao “Fuse Awards” de 2008 na categoria “Melhor Vídeo do Ano”, o grupo ainda possuía em sua formação os irmãos Farro quando do lançamento de “That’s What You Get” lá atrás, em 2008. Atualmente composta apenas por Jeremy Davis, Hayley Williams e Taylor York, o trio continua apresentando a faixa em suas mais recentes turnês, como a “Brand New Eyes World Tour” (2009-2012) e a “The Self-Titled Tour” (2013-2015). Dá pra acreditar que a Hayley tinha apenas 19 primaveras quando gravou o clipe junto com o pessoal da banda? Também, aquela carinha de molecona não dá pra enganar muita gente, não é mesmo?


Se ligue na playlist a seguir para deixar essa viagem de volta ao passado ainda mais vibrante e emocionante:

Anúncios

Aah, os anos 2000! As melhores músicas internacionais lançadas na última década que continuam tão nostálgicas quanto antes (Parte 1)

Olá, tudo bem com vocês, meus caros? Depois de passarmos alguns dias sem grandes atualizações é finalmente chegado o momento de trazer aqui para o blog mais uma das nossas listinhas tão especiais montadas com todo o carinho do mundo. E, desta vez, dando sequência à nossa viagem intergalática pelo universo musical, resolvi mergulhar de cabeça num buraco negro que estava ali dando sopa e acabei batendo de frente com algo que fez meus olhos brilharem mais que os alinhados dentes do Professor Lockhart.

Sendo transportado para um túnel do tempo e arremessado há centenas de anos-luz do nosso atual 2015, fui parar na fantástica Terra 00s e encontrei um pouco do passado de cada um de vocês que estão lendo esta publicação. Resgatando algumas das melhores músicas que nos acompanharam pela última década, decidi selecioná-las e cheguei a um total de 15 faixas que continuam tão nostálgicas quanto antes, quando foram gravadas e liberadas há milhões de anos atrás.

Inaugurando a nossa primeira parte deste especial, eu lhes deixo a seguir com 8 destas 15 preciosidades que definitivamente merecem a atenção de seus ouvidos e que com certeza farão muitos se descabelarem de tanta emoção. Ah, e é claro, não deixe de conferir a nossa playlist no final deste post pois isso será essencial, okay?


1. Pieces Of Me – Ashlee Simpson

Álbum / ano de lançamento: “Autobiography”, 2004;

Gravadora: “Geffen Records”;

Composição: Ashlee Simpson, Kara DioGuardi e John Shanks;

Gênero musical: pop-rock;

Posição nas paradas de sucesso: #4 no Reino Unido, #5 nos EUA, #7 na Austrália.

Eu duvido que você encontre uma música com mais cara de verão que não seja “Pieces Of Me”, o single que marcou a estreia da até então novata Ashlee Simpson junto ao meio musical. Seguindo os passos de sua irmã mais velha, a popstar Jessica Simpson, foi com esta música que a caçula da família de artistas passou um dos momentos mais vergonhosos de todo o cenário pop: o tão comentado playback do “Saturday Night Live”, de 2004. Após uma apresentação bem feita de seu grande sucesso, Ashlee daria uma palinha da música “Autobiography” para o pessoal; isso se os vocais de “Pieces Of Me” não surgissem sem qualquer aviso prévio e denunciassem o seu microfone desligado. Claro que, mais tarde, acabou por ser atestado que Ashlee encontrava-se com problemas em suas cordas vocais no dia da apresentação (o que justificaria facilmente o lip sync mal executado), mas o incidente por si só já foi o suficiente para o pessoal cair matando em cima da morena. O resultado foi que Ashlee teve de ralar muito para provar que realmente tinha talento e fixar seu nome entre uma das melhores musicistas de sua geração.


2. Too Little Too Late – JoJo

Álbum / ano de lançamento: “The High Road”, 2006;

Gravadora: “Da Family”, “Blackground Records” e “Universal Motown Records”;

Composição: Billy Steinberg, Josh Alexander e Ruth-Anne Cunningham;

Gênero musical: pop, R&B;

Posição nas paradas de sucesso: #3 nos EUA, #4 no Reino Unido, #10 na Austrália.

Eu sei que você já chorou vários términos de namoros e demais desilusões amorosas ao som de “Too Little Too Late”, o 1º single da cantora JoJo para o seu 2º álbum, “The High Road” (atire a primeira pedra a garota que nunca se identificou com um “eu era jovem e apaixonada, eu te dei tudo, mas isso não foi suficiente. E agora você quer se comunicar, mas você sabe que é apenas um pouco tarde demais”). Apostando pesado em seus dotes de vocalista e dando tudo de si no maior hit de sua carreira, é difícil de imaginar que a norte-americana tinha apenas 15 anos quando gravou a canção e a incluiu no seu disco lá de 2006. Faixa indispensável daquelas coletâneas de DVDs piratas contendo baladinhas românticas que rodavam os camelôs de todo o Brasil, “Too Little Too Late” trouxe à JoJo o recorde de maior salto na “Billboard Hot 100”, quando pulou de #66 para #3 em apenas uma semana (atualmente esta façanha pertence à Kelly Clarkson com “My Life Would Suck Without You”, #97 – #1). Com um clipe bem gracinha e cheio de emoção que ganhou os nossos corações numa vida um tanto quanto distante, dá pra acreditar que esse hino completa exatos 10 anos em agosto de 2016?


3. Complicated – Avril Lavigne

Álbum / ano de lançamento: “Let Go”, 2002;

Gravadora: “Arista Records”;

Composição: Avril Lavigne, Lauren Christy, Scott Spock e Graham Edwards;

Gênero musical: pop-rock;

Posição nas paradas de sucesso: #1 na Austrália, #2 nos EUA, Áustria e Itália, #3 no Reino Unido e Alemanha.

Como o tempo passa! Passa tanto que, eu ouso dizer que quem acompanhou a Avril Lavigne lá do começo dos anos 2000 e fez uma longa pausa de uns 10 anos jamais reconheceria o mulherão que se tornou a nossa eterna “Princesinha do Pop Punk”. Amadurecendo sua imagem de molecona que andava para todos os cantos com seu Converse surrado e o skate debaixo do braço, foi ainda sob essa aparência que a canadense mais popular da cultura pop se lançou como cantora com “Complicated”, o first single de seu 1º álbum. O sucesso da loira foi tão grande que a sua parceria com o grupo de produtores The Matrix foi nomeada a duas categorias do “Grammy”, a maior premiação da música internacional, enquadrada como “Música do Ano” e “Melhor Performance Vocal Pop Feminina”, lá em 2002. Não levando nenhum dos gramofones dourados para casa, Avril precisou se contentar com a vitória em outras premiações também de peso, como o “MTV Video Music Awards” e o “Juno Awards”, por “Melhor Novo Artista em um Vídeo” e “Música do Ano”, respectivamente.


4. Wake Up – Hilary Duff

Álbum / ano de lançamento: “Most Wanted”, 2005;

Gravadora: “Hollywood Records”;

Composição: Joel Madden, Benji Madden, Jason “Jay E” Epperson e Hilary Duff;

Gênero musical: dance-pop;

Posição nas paradas de sucesso: #2 na Itália, #7 no Reino Unido, #29 nos EUA.

Hilary Duff já era uma das queridinhas de Hollywood desde que surgira em meados de 2003 com as viciantes “So Yesterday” e “Come Clean”, mas somente dois anos depois ela ganharia a confiança dos adolescentes de todo o mundo com o carro-chefe de sua 1ª coletânea. “Wake Up”, fruto de seus trabalhos com o produtor Joel Madden, seu namorado na época, foi apenas uma prévia do caminho que Duff seguiria dois anos mais tarde em “Dignity”, seu sombrio quarto disco de inéditas. Apesar de ainda perambular pela música pop chiclete que lhe rendera uma pequena-grande fortuna, o single marca a busca de Duff por um som mais techno e que representasse melhor a sua personalidade naquele momento. Cantando sobre sair de casa, deixar as complicações de lado e se divertir, “Wake Up” surgiu em 2005 assim como “Girls Just Want to Have Fun”, da Cyndi Lauper, havia surgido no começo dos anos 80 e arrastado consigo uma legião de jovens amantes da música pop de qualidade.


5. Big Girls Don’t Cry – Fergie

Álbum / ano de lançamento: “The Dutchess”, 2007;

Gravadora: “A&M Records”, “will.i.am Music Group” e “Interscope Records”;

Composição: Stacy Ferguson e Toby Gad;

Gênero musical: adult contemporary, R&B;

Posição nas paradas de sucesso: #1 nos EUA, Austrália, Áustria, Canadá, Irlanda e Nova Zelândia, #2 no Reino Unido.

Quem algum dia chegou a duvidar que a voz feminina do Black Eyed Peas pudesse também fazer sucesso em carreira solo com certeza acabou pagando com a língua depois que “The Dutchess”, o 1º álbum solo da Fergie, saiu lá por 2006. Liderado pelo carro-chefe “London Bridge” e seguida por “Glamorous”, “Big Girls Don’t Cry” (também chamada de “Big Girls Don’t Cry (Personal)”) foi a escolhida para ser o 4º single oficial do material e trouxe consigo um importante título para a cantora. É que desde 2000, quando Christina Aguilera debutou seu disco de estreia na “Billboard”, nenhum outro artista havia atingido o feito de possuir três músicas de um mesmo álbum no topo do “Hot 100”, a parada musical mais importante da “Terra do Tio Sam”. Certificada 3x platina pela RIAA e 5x pela ARIA, Fergie nunca esteve tão vulnerável e emotiva em seus trabalhos anteriores, que costumeiramente a inseriram num ambiente mais festeiro e sexual. Afinal, toda grande cantora precisa de uma grande balada, “e grandes garotas não choram” assim tão fácil.


6. Say It Right – Nelly Furtado

Álbum / ano de lançamento: “Loose”, 2006;

Gravadora: “Geffen Records” e “Mosley Music Group”;

Composição: Nelly Furtado, Tim Mosley e Nate Hills;

Gênero musical: pop, R&B;

Posição nas paradas de sucesso: #1 nos EUA, Canadá e Nova Zelândia, #2 na Austrália, #10 no Reino Unido.

Todos sabemos que muitas músicas são responsáveis por marcarem momentos bem importantes de nossas vidas, e é claro que não poderia ser diferente com a canadense Nelly Furtado, que desde o álbum “Loose” tem trabalhado em nos presentear com alguns hinos insuperáveis. Mudando toda a sonoridade do início de sua carreira e que marcou bastante os discos “Whoa, Nelly!” e “Folklore”, foi somente a partir de seu 3º álbum que Furtado recebeu massiva popularidade pelos EUA e ganhou o mundo afora. Agitando 9 a cada 10 festas que foram celebradas há quase uma década, “Say It Right” resolveu fazer uma pausa no dance-pop de “Maneater” e no hip-hop de “Promiscuous” para liberar um R&B mais gostosinho e harmônico daqueles que nos faz querer dançar agarradinho com alguém. Amparada em uma letra bem composta e totalmente sugestiva, os versos cantados lentamente pela cantora são até a presente data um dos maiores exemplos de que sensualidade nada tem a ver com vulgaridade. Nomeada ao “Grammy” de 2008 por “Melhor Performance Vocal Pop Feminina”, o single acabou perdendo para “Rehab”, da Amy Winehouse.


7. Stickwitu – The Pussycat Dolls

Álbum / ano de lançamento: “PCD”, 2005;

Gravadora: “A&M Records” e “Interscope Records”;

Composição: Franne Golde, Kasia Livingston e Robert Palmer;

Gênero musical: soul;

Posição nas paradas de sucesso: #1 no Reino Unido e Nova Zelândia, #2 na Austrália e Irlanda, #5 nos EUA.

Seguindo Nicole Scherzinger e suas colegas de banda após o bom desempenho de “Don’t Cha” nas paradas de sucesso, “Stickwitu” foi a música selecionada pelo pessoal por trás das Pussycat Dolls para dar continuidade à trajetória de ouro trilhada por uma das girlbands mais sensacionais dos últimos tempos. Não era nenhuma novidade, naquela época, que as músicas do grupo eram cantadas quase que inteiramente pela Srtª Scherzinger, ficando com as demais garotas a mera tarefa de atuar como backing vocals da grande voz por trás do PCD – e, o videoclipe da música é algo que frisa isso bastante. Intercalando diversas cenas solo da morena com outras de Carmit Bachar, Kimberly Wyatt, Ashley Roberts, Jessica Sutta e Melody Thornton se espremendo em frente a câmera para receber alguns segundinhos de atenção, foi somente a partir do 2º disco que as demais meninas ganharam mais destaque dentro do grupo. Nomeada na 49ª edição do “Grammy” pela categoria “Melhor Performance Pop por um Grupo ou Dupla”, “Stickwitu” não levou a melhor e acabou sendo vencida por “My Humps”, do Black Eyed Peas.


8. All You Wanted – Michelle Branch

Álbum / ano de lançamento: “The Spirit Room”, 2002;

Gravadora: “Maverick Records”;

Composição: Michelle Branch;

Gênero musical: alternative rock, pop-rock;

Posição nas paradas de sucesso: #3 na Nova Zelândia, #6 nos EUA, #25 na Austrália, #33 no Reino Unido.

Encerrando a nossa primeira parte das “melhores músicas internacionais lançadas na última década que continuam tão nostálgicas quanto antes”, resolvi trazer para vocês uma canção que muitos não devem se lembrar, mas que já devem ter ouvido na trilha sonora de alguma comédia romântica dos anos 2000. Com um instrumental bem característico do novo milênio, Branch resolveu mostrar ao público um pouquinho de seus talentos líricos aqui e compôs sozinha os versos que seguem “All You Wanted”, nos proporcionando algumas preciosidades poéticas como: “se você quiser, eu posso te salvar, eu posso te levar para longe daqui. Tão sozinho por dentro, tão ocupado por fora, e tudo que você queria era alguém que se importasse”. Ao lado de “Everywhere”, a primeira gravação da cantora liberada como o first single do “The Spirit Room”, “All You Wanted” tem aquela pegada pop-rock tão bem produzida pelo John Shanks (Ashlee Simpson, Hilary Duff, Miley Cyrus) e que tanto fez parte da nossa infância e adolescência. O coração não chega a aguentar tantas saudades, não é mesmo?


Se ligue na playlist a seguir para deixar essa viagem de volta ao passado ainda mais vibrante e emocionante:

Fique de olho por aqui, pessoal, pois a parte 2 desta fantástica playlist deverá sair até o final de semana. 😉